Astra Lost in Space – Análise Anime

Astra Lost in Space vai terminar com episódio de 1 hora

Chegamos ao final da temporada de verão e, entre os diversos animes interessantes dessa temporada, a adaptação para anime do manga Astra Lost in Space (Kanata no Astra) de Kenta Shinohara (Sket Dance) foi um dos que me chamaram a atenção. A obra foi originalmente publicada na revista Shonen Jump + entre maio de 2016 e dezembro de 2017 em cinco volumes e ganhou o 12ª edição dos Manga Taisho Awards.

O anime teve animação sob responsabilidade do estúdio (Unbreakable Machine-Doll, Assassination Classroom), a direção é de Masaomi Andō (White Album 2, School-Live!, Scum’s Wish), a história é de Norimitsu Kaihō (School-Live!, Gunslinger Stratos: The Animation, Magical Girl Spec-Ops Asuka) e o design de personagens é de Keiko Kurosawa (Re:␣Hamatora, Scum’s Wish, Asobi Asobase).

É o primeiro dia do Planet Camp, e Aries Spring não poderia estar mais animada! Ela, juntamente com outros oito estranhos, partem para o Planeta McPa para uma excursão de uma semana. Logo depois de eles chegarem, no entanto, uma orbe misteriosa aparece e transporta-os para as profundezas do espaço, onde eles encontram uma nave espacial vazia…

O anime como um todo fala muito de uma forma indireta sobre auto descobrimento e independência própria e as situações que os personagens passam desenvolve estes temas de uma forma bem feita no decorrer da história ao ponto deles no final da série se apoiarem uns nos outros como se fossem uma família. Outro ponto a favor no desenvolvimentos dos personagens é que cada um deles tem o seu momento de destaque no decorrer da história e em algum momento crucial para a sobrevivência do grupo ou para sua sobrevivência individual. Foi interessante notar que existe um pouco de influencia de Star Trek na forma como foi realizada a dinâmica do grupo nas tarefas dentro e fora da nave, mesmo que nem todos os personagens assumissem uma função especifica nessa dinâmica.

Ao mesmo tempo que a série realiza o desenvolvimento dos personagens também foi realizado o desenvolvimento de uma trama bastante complexa envolvendo os motivos que levaram o grupo a ficar perdidos no espaço, um possível assassino infiltrado no grupo e os pais de todos os personagens centrais. Esta trama acabou sendo o ponto alto dentro da série e foi desenvolvida de uma forma bastante natural no decorrer da história. A comédia também é um item que foi bem utilizado no decorrer da história para deixar a série com um clima menos tenso e mais agradável para o telespectador.

Se os pontos citados acima são positivos para o desenvolvimento dos personagens, a trama final dos últimos episódios foram um ponto negativo na série. Em um momento na segunda metade do anime somos apresentados a um plot muito maior e que poderia abrir uma possibilidade de continuidade para a história. Porém este plot se mostrou como desnecessário e sem peso ao ponto de ser resolvido totalmente por trás dos panos, sendo narrado como uma forma de passagem de tempo para os personagens principais.

A animação produzida pelo estúdio foi bastante competente no decorrer da série, não percebi problemas quanto a animação e o uso do CG feito por eles em poucas cenas foi satisfatória. O visual do anime foi bastante colorido em diversos momentos dando destaque sempre ao cenário dos planetas por onde os personagens passavam, até mesmo nas cenas mais tensas a animação consegue se manter em um ótimo nível de detalhes. O ponto fraco aqui ficou para a trilha sonora, que utilizou apenas uma única musica como base para os principais momentos do anime.

No geral, Astra Lost in Space (Kanata no Astra) consegue ser um bom anime ao trazer temas atuais como auto descobrimento e independência própria para desenvolver seus personagens, ao mesmo tempo que cria uma dinâmica familiar em um estilo Star Trek e ainda traz uma boa trama de ficção científica e de exploração espacial. Porem a série perde alguns pontos ao tentar criar uma trama maior aos 45 do segundo tempo e se desfazer dela sem fazer qualquer peso no final da historia. A animação é satisfatória e bem colorida, porém sua trilha sonora é bastante repetitiva ao se utilizar de apenas um tema como base.