Attack on Titan 3 – Ep. 07 & 08: Grandes Revelações!

Olá, Leitores!

Já deve fazer um bom tempo, não? Infelizmente uma substituição acabou sendo realizada e eu, Weslley de Sousa, estarei aos cuidados das Reviews Semanais de Shingeki no Kyojin. Conversaremos sobre os eventos que se passaram nos episódios da semana – lembrando que esse será um especial, dado que falaremos dos Episódios 7 e 8. Diante a isso, vale deixar o aviso a partir desse exato momento de que: NÃO TEREMOS SPOILERS NA POSTAGEM. Porém, SPOILERS ESTÃO LIBERADOS NOS COMENTÁRIOS.

Utilizaremos a sessão de comentários para juntos, comentarmos dúvidas em relação a história e os eventos que se procedem nos respectivos. Eu não irei me aprofundar nos detalhes ditos na animação, porém, não se preocupem em se utilizar da barra de comentários para comentarem os momentos preferidos do Episódio ou até dúvidas em relação a história, suas revelações, cronologia de eventos ou até mesmo coisas que o mangá contou no futuro.

O Episódio nos mostrou do desenrolar nos eventos dentro da caverna, colocando o plano de Hange e sua equipe a prova para que todos conseguissem resgatar Eren e Christa (Ou já podemos chamar ela de… Historia? Será? Não sei. É uma longa história) das mãos de seu Pai, Kenny e sua equipe. Teremos todos esses eventos sendo culminados em um grande estopim que abre as portas para o que já vemos no episódio seguinte como sendo um dos personagens ali dentro absorvendo algo que não deveria e se tornando um Gigante. Eu não quero dizer muito sobre quem é, o que acontece detalhadamente, por isso deixarei isso para as dúvidas que possam ser respondidas nos comentários e aproveitar esse espaço da postagem para comentar sobre a animação, trilha sonora, seu ritmo, a sua adaptação e também uma pequena polêmica em torno do CG – se bem que eu não testemunhei tanto dessa “polêmica”, talvez porque não seja uma.

Os traços dos episódios, como sempre, muito bonitos. Studio Wit mandando bem como já estamos acostumados, personagens bem traçados e muito bem representativos, uma caracterização muito boa de roupas, movimentos e principalmente cenários. Expressões Faciais em sua grande maioria estão de parabéns, porém uma coisa que eu senti sofrer um pouco nesse episódio devido a sua inconsistência – obviamente o motivo é claro, eles estão distribuindo os recursos da sua animação, nem sempre tem dinheiro para animar toda uma sequência e tudo mais, porém é nítido como algumas sequências de ação elas começam de um jeito muito bem animado, as movimentações bem colocadas, bem dirigidas, uma trilha sonora que acompanha, segue o seu ritmo, cresce nos momentos correspondentes, os efeitos sonoros de batida, choque, sangramento, muito bem colocados. Porém, em dados eventos, nós temos uma quebra para traços que parecem não acompanhar o ritmo que aquela animação deseja, tornando a sua correspondência um pouco… destoante? Não a torna ruim, é algo do tipo: “Dá para sentir que os traços não conseguem acompanhar a velocidade que essa cena requer na movimentação”.

Como sabemos, Shingeki no Kyojin e as suas cenas de ação são além de um escopo que possa ser considerado “normal”, porque exigem um manuseio de ferramentas muito grande para que possamos acompanhar o ritmo do que está acontecendo. São sempre personagens em alta velocidade e em constante transição de lugares, isso sem contar quando eles estão em combate, porque a preocupação com detalhes acaba subindo para a inserção dos personagens, seus movimentos, a sensação de que eles possuem peso, força e equilíbrio. É algo fantástico quando você pensa na magnitude do que você pensa que eles estão adaptando, mas que infelizmente dá para sentir que alguns sacrifícios devem ser feitos quanto a isso. É uma infelicidade que acontece, mesmo sabendo do motivo, mas que ainda sim, deixa-nos um pouco triste. Apesar de que isso não diminuiu a minha apreciação da adaptação, de forma alguma.

Quanto a história, nós temos o que já deve ter sido dito nas análises anteriores de que: A Adaptação de inúmeros e inúmeros capítulos que se davam todo um trabalho de construir diálogos, falas, acontecimentos importantes em um ritmo lento e parado: Aqui no anime, nós temos uma adaptação incrível de que essas coisas estão acontecendo, continuam a ocorrer, mas ainda temos a sensação de que – me permitam repetir a exata frase que eu usei anteriormente: COISAS ESTÃO ACONTECENDO! Porque nós temos informações importantes em relação a história (progressão narrativa, não personagem) sendo contadas para o telespectador, sem que nós tenhamos a sensação de que os personagens não estão passando por algo, não estão sentindo algo, não está acontecendo algo em torno deles. As jogadas de câmera escolhidas pelo Diretor nos dão a forte sensação de que o ritmo está rápido, mesmo quando nós temos personagens conversando uns com os outros em uma cena que aparentemente está quieta, poucos eventos e movimentos.

“Episódio 8”, devido a magnitude de uma cena ser algo de nível – e me perdoe o trocadilho – colossal recursos de CG são utilizadas para que a animação consiga ser correspondida ao prazo entregue aos animadores, devido que se fossem desenhadas a mão, primeiro: os recursos teriam que ser altos e quando eu digo recursos, eu me refiro a DINHEIRO. Segundo: Não tem como, né, gente? Eles possuem um prazo para entregar as animações, seja durante os lançamentos, sejam nos desenvolvimentos antes da serialização, eles precisam entregar isso, manusear os recursos que eles possuem no momento e se utilizando da ferramenta do CG, eles conseguem entregar a cena que normalmente duraria um trabalho gigantesco para desenvolver em um curto prazo. E eu não sei vocês, eu gostei bastante dessa cena? Porque a maneira como eles animaram o “monstrengo”, passou uma forte sensação de que aquela forma é definitivamente além do que um Gigante normalmente poderia suportar e que essa figura está se movimentando de uma maneira que ela, em teoria, não foi feita para se mexer. Ela é tão grande, tão impossível de gigante que sequer ela consegue se manter em pé. (Existem alguns motivos narrativos para isso também, óbvio, podemos discutir mais a fundo nos comentários)

E graças a “maior parte da animação” – me perdoem a piada, de novo – ter sido utilizada nesse episódio em momentos específicos, nós vemos que as cenas em geral que não possuem mais uma movimentação constante em relação dos personagens, temos um controle e uma consistência maior de animação, interpretação, expressões faciais e até mesmo interação direta dos personagens entre si. Até mesmo iluminação, as maneiras como o Studio Wit consegue fazer luz e efeitos de luz nesse episódio é algo que eu fiquei fascinado só de ver, espero que vocês tenham sentido isso também.

De maneira geral, os Episódios 7 e 8 foram muito bem produzidos, o anterior mostrou cenas de ação que fora impressionantes – nada na magnitude dos episódios iniciais, claro, mas ainda sim, mostrando o quão impressionante é o que Shingeki no Kyojin tenta fazer e que apesar deles tentarem, o Studio Wit ainda não consegue acompanhar o objetivo que eles mesmos almejam para que os traços consigam seguir o ritmo que essas cenas desejam, mesmo que eles quase tenham conseguido nas cenas de perseguição nos episódios iniciais. Apesar disso, de maneira alguma isso se torna um demérito capaz de aterrorizar a sua experiência, porque Shingeki no Kyojin ainda é uma das melhores adaptações de uma obra original de mangá que eu já assisti em muito tempo.

Espero que vocês tenham se divertido e nos encontramos na próxima semana para conversarmos sobre os eventos que acontecerão no Episódio 9. Não se esqueçam de comentar, criticar – utilizando aquela saúde nos comentários, por favor – e enriquecer a nossa experiência como fãs de Shingeki no Kyojin.

Até a Próxima!

Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.