Autor de Mushoku Tensei fala sobre críticas a protagonista pervertido

Imagem promocional de Mushoku Tensei: Isekai Ittara Honki Dasu (Mushoku Tensei: Jobless Reincarnation)
Imagem promocional de Mushoku Tensei: Isekai Ittara Honki Dasu (Mushoku Tensei: Jobless Reincarnation)

A adaptação para série anime da novel Mushoku Tensei: Isekai Ittara Honki Dasu (Mushoku Tensei: Jobless Reincarnation) de Rifujin na Magonote e Shirotaka é elogiada pela sua qualidade gráfica, mas alguns fãs de anime foram rápidos a criticar o seu protagonista pervertido, o que levou agora o autor a defender a sua obra.

Ao longo de vários tweets o autor afirmou:

“Existe muita gente que não consegue aceitar como em Mushoku Tensei o protagonista continua um pervertido mesmo depois de reencarnar. É o mesmo na obra original. Mas não é como se ele tivesse muitos arrependimentos por ter sido um pervertido na sua vida anterior. É por isso que no isekai ele não pensa necessariamente: “Vou viver a vida seriamente! Isso também significa deixar de ser um pervertido!”

No trabalho original, ele é 100% pervertido e 0% sério no momento em que nasce. Quando ele decide “viver a vida seriamente”, fica com 20% de perversidade e 80% de seriedade, mas como o anime não inclui aquele momento de mudança, a proporção de perversidade parece maior em comparação com o trabalho original.

Eu também acho que quando ele fez isso com a roupa interior de Roxy, ele ainda não estava aculturado no outro mundo, e ele percebia as outras pessoas além de si mesmo como algo parecido com personagens de videojogos. Eu meio que acho que ele ainda não os reconhece como outras pessoas vivendo as suas próprias vidas. A sua compreensão das outras pessoas aumenta no final do episódio 2 e no episódio 3, então, aguardem!

Acho que à medida que o seu nível de compreensão aumenta, ele comete menos ações criminosas e outras coisas que ignoram os sentimentos das outras pessoas. No entanto, a sua natureza fundamental como pervertido não mudará, então se você é uma daquelas pessoas que pensa que ser um pervertido por si só é mau, espero que não transpire muito!”

Em outros tweets, Rifujin na Magonote também abordou a necessidade de retratar a escuridão na vida anterior de Rudeus, dizendo que “Um dos conceitos de Mushoku Tensei é que quando você reencarna num outro mundo, você enfrentará muitos dilemas semelhantes aos do anterior mundo (particularmente em relação às relações humanas), então para as pessoas que pensam, ‘Ele vai refazer a vida quando reencarnar, certo? (risos) Ouch,’ espero que você também continue assistindo o anime”.

Com animação pelo Studio Bind, a direção é de  (The IDOLM@STER Cinderella Girls, Gamers!) e o design de personagens é de Kazutaka Sugiyama (diretor de animação de DARLING in the FRANXX, animador chave de The Promised Neverland). A produção é da EGG FIRM.

Na história acompanhamos um otaku desempregado de trinta e quatro anos que chega a um beco sem saída na vida e decide que é hora de virar uma nova folha – ele é atropelado e morre! Ele renasce no corpo de uma criança num estranho mundo novo de espadas e magia.

A sua nova identidade é Rudeus Grayrat, mas ele ainda mantém as memórias da sua vida anterior. Siga Rudeus desde a infância até à idade adulta, enquanto ele luta para se redimir num mundo maravilhoso, mas perigoso.

A Kadokawa publicou o primeiro volume da light novel em abril de 2014 e uma adaptação para mangá por Yuka Fujika começou a ser publicada em outubro de 2014. No total, a novel e o mangá têm em circulação mais de 2.2 milhões de cópias.