Consumo de anime quase duplicou desde 2017

Os dados indicam que a produção existente de anime não está a acompanhar a demanda global.

Numa entrevista á Variety, Alejandro Rojas, diretor de análise aplicada da empresa de pesquisa de mercado Parrot Analytics, disse que o consumo global de anime “quase duplicou desde 2017”.

Os dados indicam que a produção existente de anime não está a acompanhar a demanda global. De acordo com a Parrot, 4,7% da demanda global foi por conteúdo anime no período de maio de 2020 a abril de 2021, enquanto apenas 3,2% dos programas se enquadraram na categoria.

Os dados indicam ainda que a Hulu é o serviço de assinatura de streaming mais popular nos EUA de acordo com o tempo de visualização. No segundo trimestre de 2021, a Hulu teve uma participação de 21,4% no tempo de visualização. O seu rival mais próximo era a Netflix com 18%. O Disney Plus tinha 4,6%, enquanto a Crunchyroll e a Funimation tinham 3,5% e 2,7%, respetivamente.

Rojas comentou sobre a aquisição da Crunchyroll pela Sony, dizendo que o negócio seria uma vitória para a Sony se pudesse atrair um número maior de assinantes. No entanto, ele também fez uma distinção entre “super fãs” de anime e fãs casuais, dizendo que se o último grupo está por trás do crescimento, as plataformas de streaming maiores, como Netflix e HBO Max “oferecem o género como parte de um catálogo mais completo de programação que pode capitalizar as expectativas de crescimento”.

Ele afirmou que a lacuna entre a produção total da indústria de anime e a demanda global “representa uma oportunidade de expansão para mais títulos de anime”.

De acordo com o relatório de 2019 da empresa de pesquisa financeira Teikoku Databank sobre a indústria de anime, a produção pode não conseguir acompanhar o aumento da demanda, apesar do investimento estrangeiro. Neste estado, é provável que as produções tenham cronogramas apertados e a correspondente diminuição da produtividade, o que pode resultar na diminuição da receita a muito longo prazo. As perspetivas para 2020 e além provavelmente incluirão mais ajustes para melhores condições de trabalho para os animadores. Isso reflete a crescente consciencialização sobre as condições do local de trabalho e a mudança das empresas japonesas de médio porte para reduzir o excesso de trabalho, mas tudo equilibrado em relação ao custo de implementação dessa mudança.

FONTEVariety
Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.