Dinheiro da Netflix não chegou aos animadores

"os orçamentos para anime da Netflix são aproximadamente "duas vezes" ou "três vezes" superiores a um anime comum, no entanto, os salários dos animadores não aumentaram de acordo"

Dinheiro da Netflix não chegou aos animadores

Terumi Nishii, a designer e personagens de JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond Is Unbreakable e Knights of the Zodiac: Saint Seiya, recentemente numa entrevista ao ITMedia falou sobre os efeitos do investimento estrangeiro na indústria anime, nomeadamente os animes produzidos pela .

Segundo Nishii, os orçamentos para anime da Netflix são aproximadamente “duas vezes” ou “três vezes” superiores a um anime comum. No entanto, os salários dos animadores não aumentaram de acordo. Ela relatou que as empresas de produção de anime “não parecem entusiasmadas” e que o trabalho está mais duro do que nunca. Embora ela não esteja numa posição de declarar definitivamente onde o dinheiro está a ser gasto, ela disse que pelo que ouviu, o dinheiro recebido pelas produtoras tende a ir para investimentos de capital. Muitas empresas estão no vermelho e precisam do dinheiro para simplesmente se manterem à tona. Para usar uma analogia, ela disse: “É como se chovesse no deserto. É engolido pela areia e não é suficiente para fazer as plantas crescerem”.

Nishii também explicou que isto não é diferente dos negócios normais no Japão. Os IPs de anime pertencem às empresas e os animadores não colhem a sua parte dos lucros. Segundo ela, os criadores são convidados a assinar um acordo cedendo os seus direitos criativos ao trabalho. Com jogos (por exemplo, jogos para mobile), é comum as pessoas que trabalharam no projeto assinarem acordos de não divulgação, tornando-as incapazes de dizer no que trabalharam.

Nishii acrescentou ainda que, da perspetiva de um produtor, existem vários problemas ao trabalhar com a Netflix; por exemplo, a Netflix não tem direitos sobre merchandising e volumes DVD/BD. No entanto, isso não faz diferença para os animadores e as empresas subcontratadas, porque elas nunca teriam controle sobre o IP em primeiro lugar. Ela espera que os fãs possam entender a situação em que os animadores estão. Se os fãs têm mais conhecimento, as empresas também podem sentir-se mais inspiradas a repensar a sua abordagem para criar anime.

Na entrevista, Nishii também mencionou que ela pessoalmente está numa posição privilegiada porque trabalha diretamente com Vince Shortino, ex-gerente geral da Crunchyroll no Japão. Ele trabalha como “um tipo de gerente” para ela e a conecta com clientes. Ela complementa o seu ordenado com o trabalho em jogos, que ela diz que tende a pagar melhor que o anime.

Nishii já anteriormente se pronunciou sobre as fracas condições de trabalho dos animadores no Japão afirmando que “Não importa o quanto você goste de anime, não é aconselhável vir para o Japão e participar em trabalhos anime. Porque a indústria da animação geralmente está sobrecarregada”.

Nishii é diretora de animação, designer de personagens e também desenha o mangá Crown of Ouroboros.

Ela trabalhou como designer de personagens de animes como Penguindrum, JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond Is Unbreakable, Knights of the Zodiac: Saint Seiya, Haikara-San: Here Comes Miss Modern, Servant × Service e A Town Where You Live.

Ela foi diretor de animação em Penguindrum, Servant × Service, JoJo’s Bizarre Adventure: Diamond Is Unbreakable e Fushigiboshi no Futago Hime.