Já aqui noticiámos o terrível ataque ao estúdio de animação Kyoto Animation e aos poucos vão sendo reveladas mais informações.

O estúdio de animação Kyoto Animation tem um edifício de produção designado de Studio 1 na Fushimi Ward em Kyoto e hoje pelas 10:30 no horário japonês (2:30 em Portugal / 22:30 no Brasil) um homem dirigiu-se a esse mesmo estúdio e começou a derramar um líquido, acredita-se que era gasolina, à volta da instalação. Testemunhas relatam que o homem gritou “Morram!” enquanto fazia isso, e então colocou o líquido em chamas, causando um incêndio e uma explosão.

O incêndio espalhou-se rapidamente pelo prédio de três andares, onde aproximadamente 70 funcionários estavam a trabalhar na altura.

Aproximadamente 30 carros de bombeiros foram enviados para combater o incêndio, mas três horas depois, o incêndio ainda não estava controlado. Pelo menos três dúzias de vítimas foram enviadas ao hospital, com 24 mortes já confirmadas.

[Atualização] –> 33 Mortos confirmados

Homem que incendiou o estúdio Kyoto Animation afirmou que o fez por o estúdio copiar o trabalho dos outros

Depois de acender o fogo, o incendiário, um homem de 41 anos cujo nome ainda não foi divulgado, saiu a correr da cena, mas foi apanhado pela polícia antes de poder fugir. Uma série de instrumentos com lâminas também foram encontrados na cena do incêndio, embora os investigadores ainda não tenham confirmado se pertenciam ao incendiário ou não. Foto em cima.

Testemunhas revelaram que quando perguntado pela polícia no local por que havia ateado o fogo, o homem disse: “Eles fizeram pakirui”. Pakuri é a palavra japonesa para copiar a arte de outra pessoa ou o trabalho criativo, embora a natureza indistinta da língua japonesa não seja clara se o homem estava a acusar a Kyoto Animation de copiar o seu trabalho especificamente, ou de outro criador.

O incendiário tinha sofrido ferimentos no momento em que foi levado sob custódia, e também foi transportado para um hospital para tratamento médico, embora testemunhas relatem que ele disse à polícia: “Eu espalhei gasolina pelo estúdio. Acendi com um isqueiro”.