Cosplayers presos na China por “Extremismo Anti-China”

Cosplayers presos na China por "Extremismo Anti-China"

Segundo a Yahoo! News cerca de 9 jovens chineses “espiritualmente japoneses” foram presos recentemente na China por suposto extremismo anti-China.

A Yahoo! News Japan define “espiritualmente japonês” (ou Jingri como são conhecidos na China) como um termo pejorativo para fãs chineses de anime e cosplay. No entanto, a Liga da Juventude Comunista da China afirma explicitamente que o termo não se refere a fãs de anime, comida e outras comunidades culturais. Segundo o Partido Comunista “espiritualmente japonês” refere-se ao povo chinês que se identifica zelosamente com o nacionalismo japonês e os seus militares da época da Segunda Guerra Mundial, e que expressam desprezo pelo seu próprio país.

O termo começou a espalhar-se amplamente em março do ano passado, quando dois jovens foram presos na China por fazerem cosplay com uniformes militares japoneses da Segunda Guerra Mundial. No entanto, o último incidente a 28 de julho marca a primeira vez em que nove pessoas chamadas de “espiritualmente japonesas” foram presas num único dia.

De acordo com o The Beijing News, um dos detidos foi uma cartunista de 22 anos, de sobrenome Zhang. Dizem que a artista desenhou uma BD mostrando os chineses como porcos. A polícia prendeu-a por suspeita de “distorcer a história chinesa e o estado das coisas, tanto dentro quanto fora do país, de má-fé”. Um colaborador de 36 anos de idade de sobrenome Lu também foi preso por supostamente auxiliar na divulgação da BD de Zhang nas redes sociais. Uma imagem que se acredita ter sido desenhada por Zhang é mostrada em cima.

Os feitos de guerra do Japão na China continuam politicamente controversos em ambos os países. O governo chinês afirma que o Japão não fez o suficiente para pedir desculpas por assassinatos em massa e outros crimes de guerra, como o Massacre de Nanjing, em 1937, que matou mais de 300 mil pessoas, segundo estimativa oficial da China.

O governo chinês tem um histórico de prender pessoas pela sua arte politicamente contenciosa. No ano passado, uma mulher recebeu uma sentença de 10 anos e seis meses de prisão por escrever romances de amor entre meninos.