Analista afirma que a Sony está a abandonar o mercado japonês

A insatisfação dos japoneses pela PlayStation continua.

Funcionários da Sony Japan alegam que a PlayStation está a perder o mercado e destaque no seu país

Depois de funcionários e utilizadores mostrarem o seu desagrado pelas novas políticas da Sony Interactive Entertainment, Hideki Yasuda, analista da Ace Economic Research Institute, baseia-se nestes factos e nos números de vendas partilhados pela revista Famitsu e relata o quanto esta situação é preocupante para o futuro da marca no Japão. Através de uma publicação no Games Industry.biz Japonês, revela o atual panorama da marca azul no seu país de origem.

Hideki comentou o seguinte:

“Para começar, recebi uma resposta fidedigna ao meu artigo anterior. Ao lê-lo, podemos constatar que existem bastantes utilizadores que nutrem uma raiva interna pela Sony (SIE). Nos últimos anos, vimos a Sony (SIE) a focar-se mais no mercado dos EUA enquanto começava a afastar-se cada vez mais dos seus utilizadores japoneses. A intenção do meu artigo anterior não era irritar ou causar sensacionalismo, mas sim de informar a sede da Sony e a SIE dos profundos sentimentos de desespero dos utilizadores japoneses da PlayStation; É provável que entenderam a minha mensagem.

No entanto, a própria Sony afirmou diretamente que continua a valorizar o mercado japonês, um comentário que agradecemos. Eu realmente penso que esta afirmação é verdadeira. Dito isto, embora as palavras sejam valiosas, as suas ações não correspondem às mesmas. É por isto que os utilizadores sentem que a Sony e o CEO Jim Ryan mostraram desprezo pelo mercado japonês. Ao mencionar, podemos pensar que isto é simplesmente conjetura da ACE.

Para ser um pouco mais específico:

  • A PS4 foi lançada em 2013, mas só foi lançada no mercado Japonês mais tarde.
  • Após o outono de 2018, a Sony implementou os seus próprios regulamentos sobre representações em jogos, os quais censurou o conteúdo destinado a utilizadores japoneses.
  • O vídeo de revelação da PS5 não possuía narração em japonês, embora existissem problemas com a fonte usada para as legendas, bem como as suas traduções para o japonês.
  • O botão de confirmação foi alterado de O para X para definir um padrão global.
  • Perante problemas de fabrico, a disponibilidade de consolas PS5 no Japão estava um apenas um pouco acima da PS3 no seu lançamento, impedindo que o sistema chegasse a mais utilizadores.
  • Por diante. Como contraponto à alínea anterior, tudo o que se pode dizer é que as campanhas de vendas da E3 e de fim de ano da PlayStation (queda de preços) foram implementadas a nível global e que a PS5 foi lançada no Japão e no resto do mundo. Contudo, o lançamento global da PS5 foi simplesmente em resposta à tentativa da Microsoft partir para a ofensiva, com o estatuto do Japão como uma região Tier 2 permanecendo inalterado. É difícil concordar que a Sony está a levar o Japão a sério ao implementar estas políticas. A questão principal diz respeito ao segundo ponto acima. A Aniplex, que faz parte da Sony, obtém abundantes de receitas de Fate / Grand Order, mas na PlayStation, os jogos não podem ser vendidos ou tiveram alterações forçadas. Isto é nada mais do que um padrão duplo, e tudo o provoca é alimentar ainda mais a desconfiança dos seus utilizadores. Esta política deve ser rescindida imediatamente. No entanto, infelizmente parece ser um tabu para a alta administração da Sony violar o tópico da censura, então prevemos que a opinião da ACE Economic Research Institute será ignorada.

Em seguida, vamos analisar 25 anos de dados.

Dados de vendas pós-lançamento para 25 anos de consolas de videojogos (Fonte: Famitsu)

  • Como mencionado anteriormente, o foco da PS5 desceu conforme previsto. Com base nesta realidade, podemos realmente sentir que a Sony (SIE) tem planos de sucesso no mercado japonês? A ACE Economic Research Institute não ver esta realidade.
  • Mesmo assim, as vendas da PS5 na 4.ª e 5.ª semanas estão em torno de 11.000 unidades, enquanto na 6.ª semana apenas alcançaram as 17.000 unidades. Estas vendas são muito baixas. As vendas totais de 240.000 são de longe as mais baixas da história das consolas de videojogos PlayStation. Se continuarem, as vendas vitalícias da PS5 talvez terminem em menos da metade da PS4. Essa pequena fatia representa uma ameaça ao mercado japonês de consolas.
  • A análise quantitativa mostra que a Sony não a encarar como devia o mercado japonês. É por isso que os utilizadores acusaram a Sony de desconsiderar o mesmo, não é à toa irracional que os mesmos sintam uma sensação de desconfiança e desespero.
  • Outro ponto que gostaria de destacar é que a mudança da SIE da sua sede principal para os Estados Unidos, criou com um fosso emocional na comunidade japonesa, muitos sentiram que a SIE perdeu os seus princípios e identidade originais. Contudo, como mencionado anteriormente, os utilizadores japoneses não canalizaram a sua insatisfação nas redes sociais, então a equipa da sede da SIE dos EUA pôde encarar a situação foi educadamente aceite, independentemente de quanto fria a situação se proporcionou.
  • Considerado tudo acima, a Sony (SIE) pode acreditar que as suas experiências de jogos AAA não são necessárias no Japão, onde o mainstream é o “Moe”. As primeiras tendências da PS5 mostraram que a marca PlayStation no Japão está em declínio e o que deixou a ACE Economic Research Institute desapontada. Julgamos que a Sony ainda vai se arrepender bastante disto.
  • Mesmo assim, como foi citado, metade do mercado global de jogos está atualmente concentrado nos Estados Unidos e existem muitos que acreditam que vencer neste território ditará o domínio do mercado. De fato, num contexto global, a economia japonesa está estagnada há 30 anos e a sua participação nos produtos eletrónicos é agora de apenas 10%, o que levou o Japão a ter uma presença mais contida.
  • Não se entende porque a economia do Japão está em declínio há tanto tempo. A ACE Economic Research Institute acredita que o aumento de famílias apenas por uma única pessoa e pequenos espaços residenciais são fatores importantes, mas este não é o lugar ideal para discutirmos esta situação, por isso vamos continuar.
  • Com o Japão apenas com 10%, é percetível que alguns parem de se preocupar, mas o Japão é realmente um mercado onde as consolas de videojogos não vendem? Os utilizadores japoneses devem se resignar a aceitar esta situação?

Vendas anuais de hardware japoneses (Fonte: Famitsu)

  • Há anos, tanto a Nintendo 3DS quanto a Nintendo Switch venderam e vendem abundantemente no mercado. Como não fosse bastante, as vendas da Switch no 4.º ano como sabemos ainda estão em curso, mas já mostram que o seu pico ultrapassou as da 3DS, deitando por terra as preocupações com o declínio no mercado com a Switch. As vendas totais da Switch ultrapassaram os 17 milhões de unidades. Com toda a probabilidade, que as vendas totais excederão 25 milhões de unidades.
  • Anteriormente, comentamos que as expedições da Switch em todo o seu ciclo de vida podem ultrapassar 150 milhões de unidades. Pensamos que as vendas progridem de acordo com as nossas previsões. Por outro lado, a PS4 nunca vendeu mais de 2 milhões de unidades num único ano. As vendas finais no Japão totalizarão cerca de 9,5 milhões de unidades, muito abaixo as da PS3. É altamente provável que as vendas totais do PS4 fiquem abaixo da metade das vendas da Switch. Mesmo quando consideramos a presença da Switch Lite como portátil, constatamos que as vendas do PlayStation estão inequivocamente em declínio.
  • O que acham? O Japão parece um mercado onde os jogos não vendem? O Japão é um mercado onde podemos ser recompensados com 20 milhões de vendas pelos nossos esforços. Devemos abandonar este mercado porque se pensa que jogos devem ser apenas  fotorrealistas, ou que consolas de videojogos domésticas já não vendem? Estas é uma abordagem de negócios muito problemática, e realmente não consigo sentir uma resposta forte da Sony (SIE) quanto a este respeito.

Se os mercados de investimento sentem que a PS5 vende, então não percebo o como vemos declínio do mercado japonês como um problema.

O falecido Satoru Iwata, ex-presidente da Nintendo, era conhecido por evitar o uso da palavra “fracasso” porque julgava que teria um impacto adverso, mas o ACE Economic Research Institute acredita que admitir quando algo falhou levará ao sucesso na próxima geração.

Ainda acreditamos que a Sony (SIE) continuará a ignorar estes pontos. No entanto, olhando para a situação atual, na qual a Sony (SIE) não conseguiu enviar PS5s suficientes para a época natalícia, não podemos deixar de estar profundamente preocupados com o futuro do mercado da PlayStation no Japão.”

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt em 2020, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal até à sua atualidade, devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.