Hackers expõem publicamente planos e informações confidenciais da Capcom

No rescaldo do ataque informático que a Capcom foi vítima recentemente, um grupo de piratas informáticos conseguiu apoderar-se de 1 TB de informação confidencial.

Capcom é vitima de um ataque informático e perde 1 TB de dados confidenciais

Planos para o lançamento de jogos, contratos confidenciais, códigos fonte, condutas, e informações pessoais foram partilhadas numa publicação do fórum Resetera. Isto porque segundo a BBC, a Capcom recusou-se a pagar o resgate exigido pelos piratas.

A publicação revela que Resident Evil VIII: Village está planeado para ser lançado em abril de 2021, e terá lançamentos também para a geração atual. Monster Hunter Stories 2 está agendado para junho de 2021 para Nintendo Switch, seguindo-se de uma versão não anunciada oficialmente para PC.

Existem também informações sobre um jogo Resident Evil multiplayer com componentes Battle Royale, um jogo Ace Attorney está a ser desenvolvido para PlayStation 4 e Nintendo Switch, e Monster Hunter Rise terá lançamento em março de 2021 para a Nintendo Switch, e outubro de 2021 para o PC.

Mas só de lançamentos os hackers expuseram os planos do grupo nipónico. Também revelaram que o Google Stadia pagou à Capcom US $ 10 milhões para colocar futuramente os jogos Resident Evil 7: Biohazard e Resident Evil VIII: Village na sua plataforma, e a Sony pagou US $ 5 milhões para lançar Resident Evil 7: Biohazard para a Playstation VR, e garantir o DLC do jogo (temporariamente) em exclusivo na PlayStation 4. Códigos-fonte para os jogos The Misadventures of Tron Bonne, Devil May Cry 2 e Resident Evil: Umbrella Chronicles também para foram obtidos.

Temas como a condutas LGBTQ e temas adultos nos seus produtos também foram expostos. Vários slides apresentam The Last of Us Parte II Shadow of the Tomb Raider como exemplos positivos de personagens femininas; e que personagens de todos os géneros devem ser promovidas da mesma forma. A Capcom observa que certas regiões caracterizam personagens LGBTQ negativamente.

Também revelou que as princesas da Nintendo, Peach e Zelda são exemplos negativos de estereótipos femininos por se tratarem de donzelas em perigo, apesar da imagem usada para Zelda ser a Breath of the Wildonde a personagem assume um papel mais ativo.

Os slides continuam e indicam que personagens masculinas e femininas devem ser tratadas da mesma forma num videojogo. As personagens personalizáveis de todos os géneros devem poder usar qualquer corte de cabelo ou pelos faciais e vários tipos de corpo. O apelo sexual, como fantasias em biquíni, poses e práticas obscenas, deve ser igual entre homens e mulheres e apenas deve surgir no contexto da história. No entanto, estas práticas terão de ser alcançadas em todos os géneros e públicos.

Por fim também revela 3 projetos em desenvolvimento ainda sem título. “Guillotine”, está agendado para a Nintendo Switch em fevereiro e outras plataformas em maio; “Reiwa”, sem plataformas especificadas e “Shield”, um shooter multijogador direcionado para streamers.

A declaração da Capcom na manhã de ontem confirmou que os relatórios de vendas e as informações financeiras foram verificadas como comprometidas. A empresa não confirmou exatamente quanta informação foi revelada nesta fuga de informação, apenas especificou que “nenhum dos dados em risco contém informações de cartão de crédito“.

A Capcom reforça que continuará a investigar o incidente que ocorreu a 2 de novembro.

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal, até à sua atualidade. Devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também é adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.