Sempre que existe algum evento traumático e polémico envolvendo adolescentes muitas entidades com responsabilidade rapidamente atribuem a culpa aos videojogos.

São o bode escapatório ideal, indefensável e os média tradicionais rapidamente entram em frenesim na busca do sensacionalismo, a culpa nunca é do governo que permite a venda de armas, nunca é dos pais que falham na educação, nunca é da escola que não previne o bullying, é sempre dos videojogos… mas, no entanto, a Universidade de Oxford acaba de revelar o resultado de um estudo que mostra que não existe uma ligação que sugira que os adolescentes se tornam violentos devido aos videojogos.

A investigação pela universidade foi publicada na Royal Society Open Science e foi conduzida por Netta Weinstein. Claro está que os lobbies e imprensa sensacionalista vão sempre tentar a saída fácil e culpar os videojogos, mas não deixa de ser interessante termos uma prova científica de uma universidade de peso que prova o contrário.