Produtores de Final Fantasy X não descartam a possibilidade de uma terceira parte

As histórias de Spira ainda não terminaram

Na última edição da Weekly Famitsu podemos ler um artigo de 30 páginas alusivo ao 20.º aniversário de Final Fantasy X.

Um dos destaques deste foi uma entrevista com Tetsuya Nomura, Motomu Toriyama, e Kazushige Nojima, -o designer de personagens, diretor de eventos e guionista respetivamente- e a certa altura foi levantada a possibilidade de um terceiro capítulo para a história de Yuna e Tidus. Muito surpreendentemente descobrimos que o trio não descarta essa possibilidade, e até já adiantou algum trabalho.

As citações mais importantes do trio foram as seguintes:

Nojima escreveu um esboço muito básico de como seria a história de um Final Fantasy X-3. O mesmo partiu dos eventos do Audio Drama: Final Fantasy X: Will e o romance Final Fantasy X-2.5. Por agora o projeto está parado, mas acreditem que existe.

É bem possível que aconteça, não estamos a falar de um projeto com 0% de hipoteses de se realizar. Para já não podemos adiantar mais até terminarmos toda a produção dos jogos Final Fantasy VII Remake.

Tive a oportunidade de trabalhar com pessoas que entraram na indústria após jogarem o Final Fantasy VII, mas agora trabalho com pessoas que entraram na indústria após jogarem Final Fantasy X.

Final Fantasy X recebeu originalmente lançamento em 2001 para a PlayStation 2 e foi um dos jogos que mais vendas recebeu neste sistema. Após uma jogada arriscada no cinema, a Squaresoft quase fechou portas, felizmente com a ajuda da Enix, a sua anterior rival, as duas empresas uniram-se formando a Square Enix, e neste processo a casa de Final Fantasy foi salva. Para a empresa sair do seu abismo, resolveu pela primeira vez produzir uma sequela na série intitulada Final Fantasy X-2.

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt em 2020, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal até à sua atualidade, devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.