The Legend of Heroes: Kuro no Kiseki apresenta-nos um trio bem conhecido

Um grupo de guerreiros que se destacou nas séries The Legend of Heroes: Trails in the Sky, Trails of Cold Steel, e Trails into Reverie

A Nihon Falcom Corporation revelou mais um trio de personagens para o jogo The Legend of Heroes: Kuro no Kiseki. Este é constituído por um grupo de caras bem conhecidas para quem segue há mais de duas décadas esta genial história e todos os seus intervenientes.

Zin Vahtek, é um Bracer de Rank-Semi S, que recebeu a alcunha de “Imóvel” e atua como líder da Guilda de Bracers de Calvard. Esta imponente figura de 36 anos é um mestre nas artes marciais de Taito, uma das principais escolas de artes marciais orientais. Os seus feitos são lendários e a sua contribuição em incidentes garantiram-lhe uma posição bem elevada dentro e fora de Calvard. Embora tenha recebido distinções para elevar o seu estatuto a patamares mais altos, acabou por recusar para permanecer no seu posto de trabalho, e zelar pela aprendizagem da sua discípula, Elaine.

 

Fie Clausell, é uma ex-jaeger integrante da lendária Class VII original, e Bracer de RanK B que recebeu o apelido de “Slyphid” nos conflitos de Erebonia. Esta jovem de 20 anos é destacada para Calvard para resolver os crescentes confrontos na região. Embora demonstre uma atmosfera fria e sarcástica, é muito amável, mas só para quem conquista a sua confiança.

Shizuna Rem Misurugi é a capitã dos “Ikaruga”, um grupo de samurais conhecido e temido por todo o continente de Zemuria. Além de ter uma aparência esbelta e juvenil, também se destacou pela alcunha “Divine Blade of Silver”, e ser mestre da “Black God One Blade” uma variante do estilo Eight Leaves One Blade, desenvolvido pelo mestre eremita Yun Ka-fai com apenas 23 anos.

The Legend of Heroes: Kuro no Kiseki vai receber lançamento no Japão para a PlayStation 4 a 30 de setembro.

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt em 2020, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal até à sua atualidade, devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.