Estes são os vencedores da 45ª edição dos Kodansha Manga Awards

Estes são os vencedores da 45ª edição dos Kodansha Manga Awards

A Kodansha anunciou os grandes vencedores da 45ª edição dos Kodansha Manga Awards.

Melhor Mangá Shounen

Capa do volume 1 de Blue LockBlue Lock escrito por Muneyuki Kaneshiro e ilustrado por Yuusuke Nomura

Revista: Weekly Shōnen Magazine (Kodansha)

A história começa com a eliminação da Seleção Japonesa da Copa do Mundo FIFA 2018, o que levou a União Japonesa de Futebol a iniciar um programa de treino para preparar uma equipa de estudantes que participará na Copa do Mundo de 2022. Isagi Yoichi recebe o convite para ingressar neste programa logo após a sua equipa perder a oportunidade de participar no campeonato Nacional, por ter passado a bola para o seu companheiro menos habilidoso, que obviamente errou falhou o golo, denotando a covardia de Isagi por não ousar finalizar a jogada ele mesmo.

O seu treinador é Ego Jinpachi, que pretende acabar com a ideia do “Japão fraco no futebol” aplicando um novo regime de treino radical: isolar 300 jovens numa instituição semelhante a uma prisão chamada “Blue Lock” e submetê-los a treinos rigorosos para criar “o maior, mais talentoso e egoísta goleador do mundo”.

Outros indicados para Melhor Mangá Shōnen incluíam Fire Force, Frieren: Beyond Journey’s End e That Time I Got Reincarnated as a Slime.

Melhor Mangá Shoujo

A Condition Called Love por Megumi MorinoA Condition Called Love por Megumi Morino

Revista: Dessert (Kodansha)

Hotaru é uma estudante do primeiro ano do ensino médio de 16 anos que sempre foi ambivalente sobre o amor, preferindo ter uma vida animada com a sua família e amigos. Então, quando ela vê o seu colega de escola, Hananoi-kun, sentado na neve depois de uma separação pública, ela compartilha o seu guarda-chuva. Mas quando ele a convida para sair no meio da sala de aula no dia seguinte, ela não consegue deixar de sentir que a sua vida está prestes a mudar muito…

Outros indicados para Melhor Shōjo Manga incluíam Defying Kurosaki-kun, Honey Lemon Soda e A Sign of Affection.

Melhor Mangá no Geral

Yuria Sensei no Akai Ito (Miss Yuria’s Red Thread of Fate) por Kiwa Irie

Revista: Be Love (Kodansha)

O mangá segue Irie, de 50 anos, uma dançarina de balé que se dedicou à arte através da sua irmã há muito tempo. Agora ela vive uma vida simples, mas feliz ensinando artesanato e a morar juntamente com o seu marido escritor. Quando o seu marido tem uma emergência médica devido a uma hemorragia, ela corre para o hospital, apenas para encontrar um jovem misterioso ao lado do seu marido. Quando o marido de Irie não acorda, o jovem confessa que é o amante do marido de Irie.

Outros indicados para Melhor Mangá Geral incluíam I Want to Hold Aono-kun so Badly I Could Die, Sweat and Soap, Hakozume: Kōban Joshi no Gyakushū (Hakozome: A Police Box Woman’s Counterattack), e Futari Solo Camp (Solo Camping With Just the Two of Us).

O ano passado Tokyo Revengers de Ken Wakui ganhou o prémio de Melhor Mangá Shonen. Our Precious Conversations de Robico ganhou o prémio de Melhor Mangá Shōjo. The Blue Period de Tsubasa Yamaguchi ganhou o prémio de Melhor Mangá Geral.

Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.