Shueisha solicita que anunciante espanhol retire anúncios de sites piratas

Novo trailer de Police in a Pod

A NHK revelou que a Shueisha pediu a uma empresa de publicidade espanhola para interromper a sua publicidade em pelo menos 27 sites piratas de mangá, com a empresa a cumprir o pedido. A NHK afirma que esta é a primeira vez que uma editora japonesa emitiu um pedido deste tipo a uma empresa de publicidade estrangeira.

Os sites que oferecem conteúdo mangá pirata obtêm receita principalmente de visualizações e cliques de anúncios. A empresa para a qual a Shueisha enviou um pedido supostamente respondeu em três dias, dizendo que “era difícil entender todo o conteúdo dos sites”, mas ainda assim rescindiu o seu contrato com os sites piratas de mangá.

O executivo da Shueisha, Atsushi Itō, reconheceu que os sites de pirataria mangá podem simplesmente mudar para um provedor de publicidade diferente, mas que cortar a fonte de receita desses sites continua a ser um dos principais métodos de eliminá-los.

De acordo com a Authorized Books of Japan (ABJ), uma associação com sede em Tóquio que trabalha para a pirataria de mangá, a pirataria custou à indústria um total de 1,19 trilhões de ienes (aproximadamente 8,76 bilhões de dólares) em 2021. Isso representa um aumento de 4,8x nos últimos dois anos, enquanto as vendas oficiais aumentaram apenas 1,6x no mesmo período (ou 612 bilhões de ienes / 5,33 bilhões de dólares), de acordo com o The Research Institute for Publications.

A ABJ afirmou em janeiro que havia aproximadamente 900 sites de pirataria de mangá. O grupo investigou os 10 sites mais populares e descobriu que o número total de visualizações para 2021 foi de 3,76 bilhões, um aumento de 2,5x nos últimos dois anos. A ABJ apenas calculou a perda de receita através do número de page views nos sites (sem contar os downloads).

Atualmente, a Shueisha regista cerca de 10 queixas criminais por ano e emite cerca de 120.000 solicitações mensais a sites, operadores de servidores e outras partes relacionadas exigindo que esses sites excluam trabalhos que violem os seus direitos autorais.

FONTENHK
Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.
Subscreve
Notify of
guest

1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments
RonanfalconD
Ronanfalcon
30 , Novembro , 2022 16:29

Vai parecer estanho o que vou dizer, mas está aí uma abordagem interessante por parte das empresas do Japão.

Fazendo isso elas podem conseguir encerrar tais sites, mas estes não são os scanlators, que sempre trabalharam através de doações de seus leitores em seus sites, sempre foram um ambiente bem mais amigável, e menos “vampiros de ads”, que estes sites repositórios se tornaram nestes últimos 10-15 anos.

A meu ver, isso seria benéfico, pois não é aquela perseguição, que causa um dano mais grave a quem o faz (nossos salvadores), e encerra tais sites safados, deixando apenas a raiz pra que usemos – raiz esta na qual todos deveriam estar apoiados desde sempre. Sem os scanlators, nenhum destes sites existiria, é bom lembrar.
Deixando claro que ainda estou falando de ler algo pirata aqui.

Obviamente, pra encerrar, serviços de mangá seriam bem vindos, se fossem bem feitos (ainda acho os atuais bem abaixo do que espero), para podermos ter acesso oficial aos mangás que amamos. PAGANDO SIM, é bom lembrar, estou falando de empresas aqui.

Agora, claro, eu sei que isto, por si só, nunca será perfeito, só estou ponderando sobre a questão como um todo.