Anifactos: Os problemas de Dragon Ball Super

É sabido que é extremamente criticado pela sua animação. No entanto acreditem este na verdade é o menor dos seus males. Isto porque a série tenta preencher uma lacuna muito forte, enquanto tenta na melhor das suas hipóteses também apresentar Dragon Ball a uma nova geração. Sem mais demoras vamos descobrir as razões de tais afirmações. Para ser justo com a série vou analisa-la com a sua prequela a 20 anos atrás ou seja Dragon Ball Z.

Comecemos pelos polémicos modelos fora de plano, ou se preferirem Off Models. Off Model, é um termo técnico que consiste em mostrar como as personagens são apresentadas de um certo ângulo ou perspectiva, de cima, de lado, de baixo, de longe ou de perto. É suposto os animadores usarem uma referência de como as personagens são apresentadas, quer os olhos o nariz ou a boca todas têm regiões próprias na face para ficarem alinhadas e bem proporcionadas. Desde muito cedo, Super carece, e continua a carecer neste ponto. Enquanto uns episódios parecem melhores do que outros, este mal sempre persiste. Olhos tortos, narizes desviados do meio da cara, personagens com proporções fora do normal e até por vezes duas mãos direitas. Aqui vem ao de cima o caso da muito falada, má animação, muitos dizemos a nós próprios que aquela personagem não devia estar desenhada daquela forma, ou atuar daquela maneira. Tudo parte da própria Toei Animation e dos seus polémicos casos de Off Models, começou com Sailor Moon Crystal, continuou com Saint Seiya e agora assombra e One Piece, no entanto nesta última, este facto é menos notório, devido a sua arte gráfica e animada. Que realmente fez-me fazer a seguinte questão e também lanço-a agora a todos vocês. Não será One Piece o grande mal presente na Toei Animation? Parece que 20 anos a animar One Piece foram demasiados para a empresa e todas as suas obras recentes parecem sofrer deste mal, grafismo, proporções e arte como fossem originadas da Obra de Eiichiro Oda. Atenção que não estou a criticar as intermináveis aventuras dos piratas do chapéu de palha, mas sim do estoicismo e dedicação que a Toei tem revelado neste últimos anos.

O que deixa-nos com um enorme sabor amargo, realmente uma série como Dragon Ball, com inúmeras reprises no nosso país e símbolo de uma era, todos sabemos minimamente o aspeto de qualquer personagem. Quando estes valores são comparados a qualquer um dos seus produtos anteriores ainda é mais gritante. Mesmo Dragon Ball um produto de 1986 tem episódios muitíssimo melhor animados e modelos muito mais próximos do que eram suposto parecer. Com Dragon Ball Z é certo que também tivemos animação por vezes extremamente duvidosa, estou a olhar para ti Masayuki Uchiyama. Mas por exemplo quando comparada com a gloriosa arte e animação de Keisuke Matsunaga (que poderás ficar a conhecer uma das edições do anifactos anteriores) nem chega sequer perto, e atenção que Matsunaga, criou uma espécie de estilo próprio. Realmente é incrível como a Toei Animation chegou a este estado.

Seguidamente vou falar-vos de outro ponto um pouco abaixo dos radares e que realmente sinto muita falta em , o movimento e coreografias das lutas. , usa e abusa de falta de keyframes de animação. Por vezes e para dar a sensação de movimento, a produção apenas alarga ou reduz as proporções de personagens. Em certas cenas de uma ação apenas usam 2 a 3 keyframes de animação. O que traduz-se num aspeto muito estranho, quando por exemplo, vemos uma luta onde as personagens aproximam-se de ponto A a B quase imediatamente com um excesso de falta de animação pelo caminho. Dragon Ball Z usou muito inteligentemente uma técnica para reduzir custos de produção que consistia em desenhar múltiplas animações de ataques, bloqueios e desvios num único frame de animação, estas apenas eram sobrepostas a um ritmo muito acelerado, conferindo a sensação de velocidade e intensidade. Alguém telefone a Toei, porque a animação apenas usa esta técnica no início da segunda abertura quando vemos Goku contra Jiren, que realmente fez-me sonhar e pensar, voltaram as lutas supersónicas? Não. Também a produção parece ter esquecido o ritmo de como travava lutas.

Em falta tensão, os planos de câmara são distantes, exagera em pontos que pouco ou nada trazem a uma luta e esquece a troca de olhares por completo. Muitos podem pensar que é por começar uma luta em pré-aquecimento, no entanto quando comparadas as sequências de luta entre Goku e Freezer de uma série a outra, assistimos ainda mais ao carecimento destes valores. Outro elemento que acrescentava dinamismo e muita personalidade eram os embates. Enquanto travavam lutas, tínhamos em cena destruição do cenário através de choques, também quando era disferido um golpe mais acentuado, a realização parava a cena por um segundo, e mexia ligeiramente a câmara para dar sensação de impacto. Também reparem como um simples powerup é tão diferente. Em Dragon Ball Z, temos aura mais elevada, terra a tremer, rochas a subir e com a intensidade do Ki a esfumarem-se um pouco depois de saírem do chão. Ao passo que em Super tudo é mais imediato e menos impactante o que traduz-se naquele efeito que muitos já sentiram, as lutas não prendem-nos ao ecrã. Neste capítulo não estamos a falar de arte ou animação, mas sim de realização e aqui Super, tem uma grave lacuna.

Falando em realização chegamos a um campo terrível em , falo da escrita. Caros leitores, as ideias de , são muito boas, nada a dizer neste ponto. Um Goku maléfico, um torneio entre os guerreiros mais poderosos de cada universo onde reside uma Broly, são extremamente apelativas e parecem fantásticas no papel, o que falhou completamente foi a escrita. A Toei Animation, não sabe realizar, aconteceu em todas as séries acima referidas, continua a acontecer e cada vez mais tem vindo a desapontar. A sequência final entre Zamasu e Trunks, a luta e subaproveitamento de Kale, o desenho, estética de cenários, episódios, personagens, a evolução patética dos saiyans no universo 6, e finalmente a imaginação passar apenas por cores de cabelos diferentes, demonstra a fraca realização e valores de produção. Por isso vou sempre amar a fantástica transformação de Super Saiyan 4, que é esteticamente diferente e intimidante. Na realidade nós temos um pouco de culpa dos desenvolvimentos de realização, visto que Super está a ser escrito com base nas preferências e juízos do seu público-alvo, os seus fãs de longa data. Por isso surgem novamente em cena o Tartaruga Genial, Kuririn e até Freezer, contribuindo para uma incoerência descomunal de personagens, chegando mesmo ataques com nenhum sentido como o Mafuba, tornarem-se novamente perigosos. Também como Broly não é uma personagem canónica, a produção lá teve de colocar a Kale no buraquinho de uma agulha.

É certo que Super tal como GT tenta prestar tributo, mas temos de ter bem presente que certos valores por mais apelativos que sejam e para preservar a continuidade da história têm de ser deixados para trás. Para fechar este ponto recomendo a leitura de em versão manga, onde a execução e ideias andam de mãos dadas, estou curioso para ver como Toyotaro vai adaptar o arco da sobrevivência dos universos.
Também pode parecer um pouco diminuta mas sinto falta de uma banda-sonora mais marcante. Aqui não é um ponto em , mas em quase todo o anime no geral. Na década de 90 a música era muito mais orquestrada tinha um impacto mais forte na narrativa, era muitas vezes associada a personagens ou momentos, a banda sonora de Dragon Ball Z não foi exceção, e foi uma das mais icónicas. Reparem como o tema do Freezer causa intimidação, mistério e até medo. No entanto no arco de Goku Black a banda sonora criada Norihito Sumitomo (Que também participou em Dragon Ball Kai) revelou-se com impacto e muito bem orquestrada, porém este facto apenas deve ser assimilado quem decidiu escutar a mesma fora da ação dos seus episódio, porque sejamos sinceros não foi icónica como a de Shunsuke Kikuchi.

Por fim tenho possivelmente o ponto mais grave de para mim que é o ambiente. Para começar tem presente em si uma paleta de cores super saturada, que tira-lhe por completo toda a atmosfera e credibilidade. Como um mal nunca vem só, as sombras e luzes deixam de existir. Muitos de vocês devem lembrar-se o quanto negro foi o arco de Cell em Dragon Ball Z, como Trunks relatava, e surgiam as imagens a nossa frente desse tempo precário e distópico, facto é que as sombras e o jogo de luzes contribuíram para criar esse mesmo ambiente. Pois bem como todos sabemos o mesmo aconteceu em Super, no meu arco favorito até a presente data que foi o arco do Goku Black e a crise no futuro, no entanto falhou em criar ambientação, faltavam sombras, faltou um ambiente escuro e a falta de luz. A ambientação é possivelmente o conjunto de valores todo reunido que muitos sentimos falta e não existe em .

Com isto concluo a minha análise aos grandes problemas que tem demonstrado. Espero que agora estejam mais esclarecidos, porque noto a tendência que a maioria tem o hábito de colocar todos estes valores no mesmo saco sem desassocia-los. Também não fiquem com a ideia que não pretendo acompanhar de , antes pelo, contrário até porque aos poucos tem estado a melhorar em alguns pontos aqui descritos, nem pensem que a nostalgia está a encobrir o meu julgamento. Simplesmente penso na mesma apenas quando evoca os mesmos valores e sentimentos, como estivesse a assistir novamente, como se fosse a tudo pela primeira vez.


Artigo enviado por Bruno Reis. Podem enviar os vossos artigos para o email admin@otakupt.com.

Subscreve
Notify of
guest
17 Comentários
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments
PsicoHélder Soúlima
PsicoHélder Soúlima
13 , Julho , 2019 2:59

Belo texto.E muito coerente com a realidade que a Toei dá aos seus produtos.

Tiago Maciel
Tiago Maciel
13 , Julho , 2019 2:59

Nah. Estou no episódio 40, acompanho pelo Cartoon Network. Acompanho desde o DB (Goku pequeno). Estou mais preocupado em curtir do que em ficar procurando falhas. Por enquanto, pra mim, está muito divertido de se assistir. Tanto esperei pra um retorno original e vou ficar procurando falhas? Deixa elas e curtam mais galera. Já temos muita coisa pra se preocupar na vida. Eu sou e grato por DB Super vir a tona.

Alcool07
Alcool07
13 , Julho , 2019 2:59

Eu acho que o texto é uma verdadeira cachoeira de lágrimas. É povo chorão!!! Dragon Ball está super caramba e ponto final. Quem não gosta vai assistir pokémon caramba

Bruno Reis
Reply to  Alcool07
13 , Julho , 2019 3:55

Apenas como consumidores temos o direito de apontar para rectificar. Ora repara como com as criticas melhoraram alguns pontos? Se comermos tudo sem sequer saborear ai sim fazem o que desejam

MJTL
MJTL
13 , Julho , 2019 2:59

Concordo plenamente com o que está escrito neste artigo. Sente-se mesmo falta de um argumento e de um “screenplay” que nos faça salivar pelo episódio seguinte. Vilões que, pela sua malvadez praticada ao longo de vários episódios nos façam desejar que o herói o encha urgentemente de porrada de alto a baixo com uma nova transformação, treino ou fusão dignos desses nomes. Tudo acompanhado de uma banda sonora memorável, que se associe a cada personagem ou saga e de desenhos, animações e lutas poderosas. Tínhamos disto como regra em Dragon Ball & Dragon Ball Z (e até GT). Super nem como excepção tem disto. Tem, isso sim, desenhos e animações preguiçosas, lutas fracas, falta de ideias geniais e banda sonora que não lembra a ninguém. Bem me tento forçar a ver Super mas… os meus olhos reagem da mesma forma como quando olho muito tempo para o sol…

Carlos Santos
Carlos Santos
13 , Julho , 2019 2:59

Não vejo a animação como um poblema hoje, então não concordo com isso com você, aliás vejo a saga atual como uma das mais consistente da história da franquia.

Mafuba ? Foi totalmente ilógico sua citação como tal, um ataque sem sentido ? O mesmo digo para animação no Torneio, aliás antes disso tivemos momentos incríveis, com várias cenas “Sakugas”

Brolly ? Kkkk cara seu texto perde credibilidade com essas citações tosca, o desenvolvimento da Kale não tem nada ver com Brolly na série. E você diz como fosse para preencher algo ? Isso é meio sem sentido.

Otaku  24H ON
Otaku 24H ON
Reply to  Carlos Santos
13 , Julho , 2019 3:55

Deixa eu explicar por que faz sentido. Primeiro : a animação nova é ruin sim, se você olhar direito é normal aparecer erros não tão grandes, mas ainda feios. Naquele CARTAZ (que se encontra no meio do Post) que era para ser algo completamente bem desenhado, preste atenção : A cara do Gohan, Barriga do Majin Buu, pescoço da dezoito, cintura do dezessete, e cintura do Vegeta. Erros desse aparecem em um cartaz, você acha que não aparecem no anime ?
A historia é completamente inconsistente, um exemplo é o Goku, que decide perdoar o Freeza mesmo ele tendo matado Dezenas de Bilhões de pessoas, ou o fato de que nem precisa mais ficar irritado para virar super sayajin, um exemplo é o o universo 6, onde elas viram sem qualquer esforço. Mesmo na saga Buu eles ainda mostram no minimo uma cara seria quando se transforman, tanto que essa forma deixa quem se transforma com o coração impuro enquanto transformado, por causa de deixar o coração deles impuro, ele nem deveria poder usar o kayo-ken ou a Genki – Dama, ja que é necessario um coração puro para os dois, e o kayo-ken ele usou mesmo estando transformado.
Mafuba é inutil por que é um golpe que não aumenta com a força do usuario, ate o Mestre Kame podia usar, é um golpe que ate um humanos poderiam usar iria derrotar o cara ? Se for assim é so usar no Zenos.
Por sinal você provou que é idiota quando disse que a kale e broly não tem nada a ver. Sabe por que é idiota ? Por que o Broly era um personagem caconico, que só existia em filmes, ela e o Broly é a mesma coisa, o Broly não existe, logo como ela existe ? Seria que nem pegar um filler, e falar que ele faz parte da historia original, ou o Goku se transfomar em ssj 4 do GT como se fosse algo normal, so pra finalizar, como se o Dragão de 4 estrelas aparecesse no super sem mais nem menos.

Bruno Reis
Reply to  Carlos Santos
13 , Julho , 2019 3:55

Sim porque é um dos favoritos de fãs e Super está a ser escrito com base nos valores dos fãs. Broly não é canonico

toygame lan
toygame lan
13 , Julho , 2019 2:59

O problema é que dragon ball foi feito as pressas mesmo,a fome por dinheiro fez a seire sair antes mesmo de se começar uma serie no manga.Alem de ter pessima animação,historia repetidas e sem nexo nenhum,o tornieo do poder foi o piro de tudo.Ver mestre kame lutando com outros universos e ainda

Bruno Reis
Reply to  toygame lan
13 , Julho , 2019 3:55

O Manga está a ser escrito e desenhado pelo braço direito de Toriyama dá uma olhadela

Dark
Dark
13 , Julho , 2019 2:59

Sempre a bater na mesma tecla, mas enfim. Esperando o próximo artigo em relação ao super com o mesmo conteudo kkkkkkkkk

Bruno Reis
Reply to  Dark
13 , Julho , 2019 3:55

Não vai demorar

eu cretino
eu cretino
13 , Julho , 2019 2:59

Eu nem ligo tanto para a animação e os gráficos. Meu problema com Dragon Ball Super é as histórias ruins e sem nexos.

toygame lan
toygame lan
Reply to  eu cretino
13 , Julho , 2019 3:55

é toda a serie

Bruno Reis
Reply to  eu cretino
13 , Julho , 2019 3:55

Lá está a escrita

Churrumino
Churrumino
13 , Julho , 2019 2:59

Concordo inteiramente com o texto. Muito bom! Finalmente achei alguém que concorda comigo no quesito SSJ4. Hahaha! De DBS, pra mim, só salvou o arco Black, mesmo com aquele final ruim. Uma pena!

Bruno Reis
Reply to  Churrumino
13 , Julho , 2019 3:55

Sempre adorei o SSJ4 é a transformação mais intimidante