Entrevista a Hiroya Oku (GANTZ)

Entrevista a Hiroya Oku (GANTZ)

Depois de Hiro Mashima (Fairy Tail) chegou a vez da entrevista a , o criador do popular manga e mais recentemente  que é conhecido por introduzir nas suas obras violência explícita, gore, bem como situações sexuais.

 

Como era quando eras criança?

Quando eu era criança, eu gostava de brincar fora de casa. Eu costumava jogar basebol com outras crianças, patins, fazia esconderijos. Eu era um garoto comum.

 

Quando começaste a desenhar?

Eu comecei a desenhar quando estava no jardim-de-infância. Lembro-me de ser influenciado por um outro garoto que estava a desenhar na areia no chão usando uma pedra. Eu estava a desenhar personagens de super-heróis de tokusatsu (efeitos especiais). Eram apenas desenhos simples com formas básicas, então foi mais fácil do que desenhar outras coisas como seres humanos.

 

Naquela altura lias manga?

Na verdade não. Eu costumava assistir TV, então eu via mais anime, como Kyojin no Hoshi e Jungle Taitei (Kimba, o Leão Branco). Eu lembro de estar verdadeiramente interessado.

 

Ainda vês anime?

Nem por isso. Hoje em dia eu raramente vejo anime.

 

O que estiveste a fazer entre a tua obra anterior GANTZ e a tua obra atual Inuyashiki?

Na realidade, quase não houve tempo entre as obras. Pensei na ideia de InuYashiki quando eu estava a encerrar GANTZ. Então InuYashiki já estava em produção antes de eu terminar Gantz. Quando GANTZ terminou, Inuyashiki começou imediatamente, então eu não tive nenhuma pausa.

 

Como surgiu a ideia de Inuyashiki?

Quando eu ainda estava a trabalhar em GANTZ, o editor da Kodansha perguntou-me se eu queria fazer a minha próxima série de manga na sua revista. Então, eu comecei a pensar sobre que tipo de história queria trabalhar a seguir. Naquela época, eu estava a assistir ao acaso o novo filme de Astro Boy. A configuração da história é que existia uma vez um menino humano, o original, que morreu, e eles fizeram uma cópia dele como um robô, que é o Astro Boy. Achei que isso era interessante. Se eu pudesse fazer a minha própria versão da história, com uma configuração similar, poderia ser uma nova série. Esse foi o início de InuYashiki. Trata-se de uma pessoa comum que morre e é substituída por um super-robô. Quando eu estava a trabalhar em GANTZ na Young Jump, eu estava mais preocupado com a popularidade e os números de vendas do meu manga. Na cultura daquela revista, há uma regra tácita para fazer os personagens principais visualmente atraentes. Quando comecei a trabalhar na revista Evening da Kodansha, houve mais liberdade. Então eu sugeri um adolescente não tão bem parecido como personagem principal. Eles deram sinal verde à ideia, e então eu comecei a desenhar o personagem no manga. Mas algo não estava a funcionar bem. Assim, para uma tentativa, eu desenhei um homem velho como o personagem principal em seu lugar. Então, tudo clicou.

 

Como descreverias os dois personagens principais em InuYashiki?

Ambos começam como humanos, mas à medida que eles se tornam robôs, eles começam a sentir um vazio na vida. Seria difícil admitir que o teu corpo de repente se tornou numa máquina. Imagino que eles se sintam como se não estivessem verdadeiramente vivos. A fim de preencher o vazio, um começa a salvar vidas com o seu novo corpo e o outro começa a matar. Um torna-se bom e o outro torna-se mau. Em última análise, eles têm de se enfrentar.

 

Então, essas personagens principais têm um corpo de um robô, mas também um coração de um ser humano?

Eles definitivamente têm corações de seres humanos porque foram originalmente copiados de seres humanos. Mas quando eles se percebem que não são realmente humanos, tornam-se muito tristes, vazios, e têm dificuldade em aceitar a verdade. Então, eles querem provar que estão vivos e assim tomam o seu próprio plano de ação.

 

É uma espécie de uma história triste.

É uma história triste. Astro Boy era assim também. Tal como no mundo de Astro Boy, os robôs não têm os mesmos direitos que os seres humanos. Isto torna-se um conflito quando um robô tem uma personalidade de um ser humano. Este é um dos temas atuais de toda a ficção científica, então eu queria aborda-lo à minha maneira.

 

Gostas de fazer histórias ou desenhar?

Eu gosto de ambos. Eu gosto do processo de tomar todos os aspectos e transformá-los num manga. Eu gosto de escrever histórias, desenhar a arte, e confirmar o que acabou por resultar. Quando eu faço um manga, eu começo com um plano na minha mente. Consiste em lógica e teorias, mas eu tento combinar essas ideias e componentes soltos numa única peça. Só quando eu olho mais tarde para ela é que eu posso ver claramente no que se transformou. Às vezes, acaba por ser melhor ou pior do que eu esperava. Isso é muito interessante para mim. É como uma experiência científica. Você tem uma teoria, como, se você combinar A e B, vai fazer uma explosão. Às vezes ela vai de acordo com a tua teoria, às vezes torna-se uma explosão maior do que o esperado. [risos]

 

Tens algum exemplo de uma das tuas experiências manga “ficar fora de mão” em InuYashiki?

No meu manga, usamos fotos e CG como fundos. Assim, em geral, é difícil dizer como a cena vai ficar até ao final. Por exemplo, para a cena em InuYashiki onde os personagens voam no céu, foi utilizado um drone. Na verdade, nós contratamos alguém para voar um drone para capturar uma visão panorâmica e usar essa imagem como fundo do manga. Nós também alugamos um helicóptero para ter uma visão mais elevada. Mas no momento da descolagem, eu tinha a sensação de que não seria capaz de capturá-lo sem um drone. Eu não fazia ideia de como a imagem iria ficar. Acabou por ser uma cena com mais presença do que eu imaginava. Eu acho que ninguém usou este método em manga ou talvez seja ainda raro em filmes live-action então eu estava muito feliz. Realmente dá a sensação de voar.

Scresd42

 

Quanto do teu trabalho é feito com média digital vs. tradicional?

Tudo, exceto personagens humanos ou animais são feitos em digital. A maior parte do fundo, mechas, são digitais, mas qualquer coisa que está viva é tudo desenhado à mão.

 

Tens um determinado público em mente quando fazes manga?

Na verdade não. Eu tento fazer uma história que gostava de ver a seguir. Eu tendo a imaginar que havia outra pessoa como eu, um público que gosta de todas as coisas de entretenimento, como filmes. Eu tento fazer o manga interessante para essa pessoa. Caso contrário, é interminável. Todo mundo pensa de forma diferente, e não consegues agradar a todos. Então, eu tendo a concentrar-me no que é interessante para mim. Alguém que tem gostos semelhantes aos meus pode gostar do meu manga.

 

Tens algum hobbie?

Adoro colecionar figuras e assistir filmes. Eu estou constantemente a assistir filmes. Às vezes eu vou assistir um filme a um cinema e a caminho de casa eu alugo outro filme. Acho que assisto pelo menos um filme por dia. [risos]

 

Que tipo de filmes gostas de assistir?

Geralmente eu gosto de ação ou ficção científica, mas também assisto romance ou drama, ou filmes da América, França, Irão, ou qualquer lugar que pareça interessante.

 

Assististe algum filme bom recentemente?

Eu gostei de Kingsman: Serviços Secretos

 

Qual é o teu signo?

Virgem

 

Gostavas de trabalhar em Hollywood um dia?

Não. Na verdade, eu realmente não gosto de viajar para o exterior, porque eu tenho medo de voar num avião. [Risos] Então eu não quero ir muito para o exterior.

 

E se o teu manga se tornar num filme de Hollywood, como te sentirias?

Se isso alguma vez acontecer, eu provavelmente ficaria muito feliz. E estou à espera que um dia isso aconteça. Mas isso é mais um sonho e também tem a ver com sorte. Então eu não estou a contar muito com isso.

 

Tens algum comentário para os fãs?

Saber que há alguém numa parte completamente diferente do mundo que gosta de ler o meu manga, faz-me muito feliz. Eu estou a tentar fazer InuYashiki como se fosse um único filme, e vai ficar mais emocionante à medida que a série progride. Então, eu espero que continuem entusiasmados e sigam InuYashiki.

Subscreve
Notify of
guest
9 Comentários
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments