Fate/Grand Order: Babylonia – Episódio 08: Alegria de Free to Player

Artigo por Jonh Vini.

Me surpreende como a Type-moon consegue nos engajar ou até mesmo criar simpatia com servos que são tão costumeiros nos gachas gratuitos da vida, a várias coisas que quero falar sobre o episódio dessa semana mas temos de falar de algo que rapidamente captamos com nossos globos oculares: como a animação está bonita, sei que isso pode parecer pleonasmo dos meus últimos posts mas posso afirmar que esse episódio oito foi um dos episódios mais bem animados do ano e antes de me reclamarem da minha parcialidade, eu assisti Mob Psycho 100 II, Carole & Tuesday e demais animes que os “hipsters” de anime falam bem sobre a animação, voltando ao Grand Order temos ressaltar a união bem feita do 3D e 2D nas cenas de ação, sem um excesso de 3D sobrepondo de uma bela animação em 2D. Os fantasmas nobres estavam lindos que posso queimar a língua mas estavam bem próximos ao nível dos filmes de Heaven’s Feel.

Fabuloso.
Fabuloso.

Focando nos personagens, meu deus a partir dessa semana darei mais carinho tanto a Ushiwakamaru quanto Leônidas pois a energia deles estavam a mil nesse episódio, não dar para acreditar que eles são servos de uma estrela, na verdade Ushiwaka é duas mas ele aparece frequentemente nos gachas gratuitos, vendo eles em ação e toda a emoção das cenas de batalha com o clima criado nos episódios anteriores fazem criar um sentimento de perda tão grande que não sentimos isso quando nos perdemos eles nos eventos de nível alto, todos os fantasmas nobres que conhecemos e não conhecemos mas que fazem referência a lenda histórica dos dois e de novo é incrível como o Nasu consegue mesclar as lendas históricas nas suas histórias, tanto para Ushiwaka e Leônidas quanto para o Enkidu, que não é Enkidu mas tem a mesma cara, fala, passo, fantasma nobre e até mesmo voz, coisas do jogo que economizam memória para smartphones fracos, Kingu possui uma ligação com “Tiamat” mas não como é apresentado nesse episódio.

Emocionante.
Emocionante.

Mas esse episódio não foi tudo isso por causa da trilha sonora, sinceramente os efeitos sonoros do episódio me lembrou muito o apocrypha, sei que é complicado criar todos os efeitos sonoros que algo que não possui muita referência como ondas de energia, mas reutilizar efeitos é um tanto quanto complicado pois é muito fácil de lembrar do primeiro projeto completamente Spin-off da franquia, já a Ost desse episódio estava bem feita pois foi a junção da soundtrack do jogo com uma original que conseguiu adicionar emoção nas cenas de batalha.

Destruição massiva.
Destruição massiva.

Por fim tenho de falar do protagonista e ok não gosto quando um protagonista grita toda hora, mas era um artifício mais perceptível para mostrar o sofrimento do Gudao ao perder esses heróis pois diferentes de nós jogadores reais, ele conviveu com eles e mesmo com perdas de servos nas singularidades ele ainda sofre com as mortes de Ushiwakamaru e Leônidas, algo destacável para um herói que eu esperava ser um Sieg da vida, pelo menos o Nasu aceitou aqui, já o desenvolvimento de Mashu nesse episódio foi leve mas perceptível, tão perceptível que eu reparei e estou comentando aqui.

A construção de uma fundação.
A construção de uma fundação.

Bem basicamente era isso que eu queria falar sobre o gacha da babilônia, aqui é Jonh Vini e estou à espera dos vossos Feedbacks deste episódio e da review para melhorar, não se afobem, discutir pacificamente é saudável e enriquece a vida e até mais.

“-Venha Gorgona!.”
“-Venha Gorgona!.”