Fate/Grand Order: Babylonia – Episódio 09: Para os fãs da Rin

Fate/Grand Order: Babylonia – Episódio 09: Para os fãs da Rin

Artigo enviado por Jonh Vini.

De fato é meio chato falar isso todas as vezes quando falo sobre o roteiro do anime mas é fato que é incrível como o Nasu consegue encaixar a lenda a sua narrativa, primeiramente terminando de falar sobre a Medusa e apresentando um ponto que não conhecia sobre a lenda e o fato de explicar porque a classe dela é Avenger pois para aqueles que desconhece a classe, duvido muito pois se você está vendo o anime ou você conhece o jogo, ou pelas fanarts tantos livres para todos os públicos ou nem tão livres para todos os públicos, pois como a tradução diz são servos em busca de vinganças e como a lenda diz temos uma contradição pois como todos sabem aquela que amaldiçoou a Medusa foi uma deusa e por inveja e agora ela faz um acordo pois voltar a vida com duas deusas.

Tragédia Grega.
Tragédia Grega.

Já falando da Ishtar pois foi a estrela do episódio, praticamente vimos o lado Rin dela e falando dela posso uma hipótese pois como a Ishtar possui tantas versões possivelmente ela utiliza linhas alternativas da nossa tsundere sendo a principal sendo a Ishtar(Rin da rota Fate) e Ereshkigal(Rota UBW/Heaven’s Feel) da linha do Stay Night enquanto a Space Ishtar seria baseado da Rin do Extra, focando no início da epopeia de convencer ela entrar na Party do Gudao tenho de dar graças a Tamamo que conseguir ela no evento de verão deste ano por muito menos que o rei dourado, por falar do douradinho, ele finalmente apareceu depois de dois episódios bastantes movimentados que quando apareceu me lembrei que ele ainda existia.

Gilgamesh Capitalista.
Gilgamesh Capitalista.

Mas focando na tsundere, a participação dela foi bastante cômica desde que o quarteto mostrou o cartão de crédito a ela até aquele papo de amor à primeira vista, mas um ponto para se destacar foi justamente a conversa dela com Romani sobre o fato dela ser uma Pseudo-servo que por partes foi construtiva por outras foi engraçada, principalmente quando lembramos quem é a dona do corpo e como foi a cena inicial para todo esse diálogo. Continuando falando da deusa termos de falar dos elementos externos a ela como o templo e Gugalanna que apareceram, pelo menos para mim, no evento de verão deste ano, para o server japonês no ano passado, e lá descobrimos como ela é uma “deusa inútil”.

Tentando disfarçar.
Tentando disfarçar.

Por fim devemos falar do lado fofo dela, afinal a Rin não é uma tsundere normal, como uma pessoa ser agressiva por motivo nenhum fosse normal, bem focado naquela cena, foi engraçado, principalmente quando ela expirou e mostrou sua face dourada para Gudao, sinceramente mesmo vendo todas as obras da Type-moon que Rin foi a primeira vez, ou segunda já que tenho uma memória fraca, que vejo ela espirrando.

Belo Espirro.
Belo Espirro.

Ok vamos parar de falar da Ishtar e vamos falar do desenvolvimentos dos heróis nesse episódio, primeiro de tudo a nossa berinjela que mesmo sendo numa cena foi até significativa para criação da personalidade da Mashu, como nos demais episódios, pena é saber o final dessa singularidade, já a parte do Gudao só tenho de falar de inveja, inveja dele por conseguir conviver as mais diversas situações com os servos dele. Antes de terminar de falar sobre o encerramento, mas especificamente a adição de duas cenas mostrando um pouco sobre as deusas que não apareceram, principalmente a Luchadora One-chan.

Objetivo em vista.
Objetivo em vista.

Bem basicamente era isso que eu queria falar sobre o gacha da babilônia, aqui é Jonh Vini e estou à espera dos vossos Feedbacks deste episódio e da review para melhorar, não se afobem, discutir pacificamente é saudável e enriquece a vida e até mais.

Venha Ishtar, Venha.
Venha Ishtar, Venha.