Insiders da indústria de anime compartilham reservas sobre o modelo de streaming da Netflix

O jornal nipónico Tokyo Keizai colocou hoje online um artigo onde aborda o investimento da Netflix no streaming de anime.

O jornal entrevistou vários Insiders da indústria de anime que trabalharam com a Netflix no marketing ou na criação de programação original de anime para a plataforma. Notavelmente, o artigo destaca algumas das reservas que os entrevistados têm sobre o trabalho com a Netflix.

A gerência de uma empresa de produção de anime que fornece anime para a Netflix comentou:

Se o anime é um sucesso, é uma vitória para a Netflix. Mas se é uma derrota, é a nossa vitória (da produtora).

A razão para isso é porque, nos acordos de licenciamento da Netflix, os direitos de streaming são adquiridos diretamente, para que a produtora não receba royalties, independentemente de quantas visualizações o anime obtenha.

Outra questão, de acordo com a gerência de uma empresa de publicidade, é que a Netflix não revela os números de visualizações aos seus parceiros. Isso dificulta a negociação de um pagamento mais alto para o próximo anime. Um líder de uma das empresas que participou num conhecido anime é citado como tendo dito:

Neste ritmo, podemos tornar-nos numa empresa de subcontratação da Netflix.

A Netflix também lida principalmente com ofertas de streaming, o que significa que há muitos casos em que a produtora tem dificuldade em vender os direitos de merchandise, jogos, DVD/BD e outras formas de mídia. Este é um problema para um setor que depende fortemente de franquias mix mídia como formas suplementares de receita. A gerência de uma empresa de produção reclamou que:

Porque o número de pessoas que veem o anime através do streaming é limitado, ele não se tornou um sucesso.

Um insider de uma empresa diferente comentou que:

Teria sido difícil para Kimetsu no Yaiba (Demon Slayer) tornar-se o grande sucesso que foi se fosse distribuído apenas por streaming.

No entanto, os insiders também apontaram aspectos positivos do envolvimento da Netflix no anime, como conectar criadores de anime com artistas e talentos de todo o mundo e os altos pagamentos envolvidos em acordos de streaming. De acordo com uma fonte de uma empresa de publicidade:

Um título importante pode pagar entre 50 a 70 milhões de ienes por episódio.

Por outro lado, há receio de que possa ser um erro confiar na Netflix quando não há garantia de que a empresa de streaming invista em anime para sempre.

Uma pessoa familiarizada com a indústria de anime afirmou ao jornal:

A qualidade das produções no exterior, como na China e na Coreia, está a aumentar. Se conseguirem a mesma qualidade, também poderão fazer acordos com a Netflix.

O envolvimento de companhias de streaming na produção de anime é um tópico contencioso. Muitos louvam o seu envolvimento, mas muitos outros não querem abandonar o modelo atual de produção sendo que cada vez mais vozes se ouvem contra o sistema de comité de produção que acusam de ser a causa de todos os problemas e que poderá mesmo levar a tempos sombrios para a indústria japonesa de anime.