Kumo desu ga, Nani ga?: Episódio 12 – Porradaria em 3D para PCs fracos

Só hoje: 7 milhões de livros a 30% de desconto e portes grátis na Wook

Artigo por Jonh Vini. Podem enviar os vossos artigos aqui.

Primeiramente já venho lhes avisar que semana que vem não teremos episódio, o que significa que vocês ficaram livres de meus textos durante uma semana, o segundo é que diferente que fiz na review de Fate/GO – Babylonia não farei a minha mini-review, ou basicamente falando sobre abertura e encerramento desta primeira parte, a priori por preguiça já que estamos na semana de transição, animes antigos acabam e surgem novos, ainda calhou-me fazer posts no meu blog pessoal(solicitem links nos comentários) e já começar o meu post de melhores do ano, para aqui no site, claro, falando de animes dentro da temporada, era um desejo pessoal antigo desde comecei a fazer esta loucura de falar de animes de um ano, pelo menos não faço notícias diárias com Bushido e os outros fazem, sempre congaturem o trabalho deles, e ainda calhou que este episódio foi basicamente um episódio de batalha, o que me fez misturar minhas opiniões sobre a obra até agora com o que achei do episódio.

“—Muito trabalho.”
“—Muito trabalho.”

Primeiramente temos de dar palmas da produção pois este episódio foi basicamente a luta da Madoka contra Alaba completamente na computação gráfica e não ficou horrível, foi diferente com o que comumente viamos com uma animação para lá de duvidosa, muito porque este episódio tivemos muitos estúdios especializados em CG como a Xanthus, um estúdio chines que já trabalhou com obras japonesas como Monster Strike, Minami Kamakura e Piano no Mori(2018), fora um braço da Bandai Namco na Malásia o que faz entender como esta luta lembrava uma luta de chefe final.

Gate of apelação.
Gate of apelação.

A luta em si foi emocionante já que vemos a Madoka se complicando durante a batalha e mesmo não tivemos uma sensação de perigo clara, deu para torcer por ela, ver ela sofrendo para superar seu teto gerou uma sensação de empolgação, foram os dezoito minutos de uma luta repleta de magias para por qualquer anime de magia genérica no chinelo, pena que teve ainda teve segmento humano no episódio, mesmo que ele mostrasse o ponto de mudança para a segunda parte, foi desnecessário mostra-los num episódio focado na Madoka.

 A culpa do herói do cachecol
A culpa do herói do cachecol

A série até agora está bastante gostosa de acompanhar, mesmo sendo genérico como qualquer outro Isekai, está divertido acompanhar as desventuras da Madoka, muito porque Aoi Yuuki conseguiu cativar muita gente para acompanhar a obra, inclusive a mim, mesmo genérico a narrativa possui uma premissa interessante já que não é todo dia que vemos uma história sobre uma aranha sobrevivendo num mundo perigoso como nos é mostrado; não espero muito sobre a obra já que sabemos em que mãos ela está, entretanto espero rir ainda ao acompanhar a obra, pois o mundo já nos foi apresentado e o possível conflito da segunda parte é bastante clara, já que a capa desta segunda parte mostra isso.

A busca da luz.

Basicamente era isso que eu tinha para falar desta tentativa do anime da miranha, aqui é Jonh Vini e essa foi minha review desta série, estou à espera dos vossos Feedbacks do episódio e da review para melhorar minha escrita para vocês, não se afobem pois arrependimento mata, vamos discutir pacificamente, sem puxar palavras de baixo calão já que como podem ver eu não desferir nenhuma contra vocês é saudável porque enriquece a vida e até mais.

Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.