Kumo desu ga, Nani ga?: Episódio 22 – O clima virou

Artigo por Jonh Vini. Podem enviar os vossos artigos aqui.

Sinceramente eu não esperava muito desse episódio, na verdade não esperava muito da obra de maneira em geral, um Isekai onde a única diferença é sua protagonista arachnida e desde seu primeiro episódio a direção não era aquelas coisas, muito porque Itagaki Shin é o diretor geral dessa obra, mas este começo de episódio foi sensacional, sinceramente parece que as duas partes é dividido pelos estruturadores da série, sendo que Momose Yuuichirou ficasse encarregado na parte humana, enquanto o próprio Baba Okina cuida da parte da Madoka, pois o autor pode brincar bastante com sua heroína, algo que não fica tão ruim com a direção de Itagaki Shin, poderia ser qualquer outro diretor de episódio, mas pela frequência desse tipo de humor da obra é bem possível que isso ocorra pelo gosto deste diretor ao combinar, ou o autor impôs isso a ele, mas querendo ou não a Yuuki Aoi mostra toda uma dedicação a personagem, que fica fantástico já que combina bastante com a ótima animação em CG, apesar que nesse episódio deu algumas escorregadas, talvez pelo excesso de modelos que engasgou o PC de produção deles.

 Aconselhamos em não sair, pois será um “toro” de sangue.
Aconselhamos em não sair, pois será um “toro” de sangue.

O começo do episódio me deixou confuso, já que é o mesmo cenário do episódio anterior e pensei que a Madoka estava comentando sobre a batalha do episódio passado, só foi quando ela falou que o motivo daquela confusão foi ela e o Heroizinho, mas ele foi mostrado depois e falando sério, foi uma boa reviravolta da monotonia do episódio passado e acaba se tornando um time cômico para aqueles que vem acompanhando semanalmente, para aqueles que acompanharam em um episódio por dia, ou até mesmo quem está maratonando a série já que a Yuuki Aoi arrasou na sua interpretação da nossa aranhinha.

Quem será?
Quem será?

Tivemos mais um pouco de Worldbuilding com o Velvet-Velvet começando a agir, primeiramente empurrando a Pequena demônio para cima da Madoka e quinze anos depois vendo o encontro de classe, se ele tivesse um modelo em CG com o mesmo esmero de animação das waifus, talvez ficasse bom ao invés do desenho mal produzido dele, então vamos falar da porradaria que não foi essas coisas, já que tivemos momentos de repetição da animação em 3D, mas pelas falas da Madoka, que serviu além de alívio cômico, foi o ditou o ritmo da batalha com saídas rápidas das ações da Pequena demônio, fora que o impasse se tornou mais um momento de piadas sobre a situação com as insinuações pederastas levantadas pela nossa fofa aranha, mas esse impasse serviu para interligar para o conflito futuro entre o Novo herói e seu amigo que não há muito para falar sobre a não ser que o próximo episódio será o clímax do confronto deles, pelo menos nessa primeira temporada.

 Lascou.
Lascou.

Basicamente era isso que eu tinha para falar desta tentativa do anime da miranha, aqui é Jonh Vini e o foi minha review desta série, estou à espera dos vossos Feedbacks do episódio e da review para melhorar minha escrita para vocês, não se afobem pois arrependimento mata, vamos discutir pacificamente, sem puxar palavras de baixo calão já que como podem ver eu não desferir nenhuma contra vocês é saudável porque enriquece a vida e até mais.

Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.