Kumo desu ga, Nani ga?: Episódio 3 – O diretor é o verdadeiro vilão da história

Kumo desu ga, Nani ga?: Episódio 3

Artigo enviado por Jonh Vini. Podem enviar os vossos artigos aqui.

Sinceramente o problema de Kumo desu ga,Nani ga? é seu diretor, como falei antes Itagaki Shin tem uma dificuldade em contar histórias, mesmo que o arco que foi adaptado em Berserk(2016) seja bem à frente do que a adaptação de 1997, mas ainda sim o roteiro era simples e não necessitava de tanta informação na tela  para desenvolver a narrativa e depois de ver este episódio deu para reparar que em Berserk ele foi mais contido, já que fomos banhando com tanta informação na tela que ficou confuso entender a narrativa, não tanto na parte da Madoka já que o roteiro é mais focado no desenvolvimento dela, mas quando chegou na parte dos humanos foi que a obra desandou de vez com closes na faces deles a cada segundo.

Falando alto no ouvido.
Falando alto no ouvido.

A dinâmica de termos dois protagonistas(Madoka e o genérico-kun) é confusa justamente por matar o principal atrativo da obra que é acompanhar a aventura da nossa miranha Mahou Shoujo no mundo tão adverso com é um RPG, possui a interação com os humanos a narrativa passa a sensação que a obra é uma história de Isekai genérica, onde seu único diferencial é justamente sua waifu que era um cara na vida passada, mas neste episódio mostrou que poderíamos ter uma dinâmica diferente dos episódios anteriores apresentada, onde o valentão está tentando quebrar um clichê inerente ao genérico-kun, enquanto ele(genérico-kun) se aproxima de sua waifu-pet para então, com o final do segmento deles no episódio desta semana, se deparar com uma questão moral  gravíssima onde ela, sendo um dragão, acaba matando um semelhante dela, enquanto o grupo de “sobreviventes” estava começando a se partir justamente pela dinâmica imposta pelo próprio valentão, seria interessante ver os personagens humanos começando a se desunir sem que o diretor coloca um esforço demasiado a faces deles, a questão das ações que desencadearam a batalha deles pode ser ignorada justamente pelo sub-gênero que Kumo desu ga,Nani ga? é, mas gostaria de ver todo o drama psicológico que eles, principalmente a waifu-pet com toda a questão de ser a única inumana no grupo, terão nos próximos episódios.

Porque eu te comi?
Porque eu te comi?

Mas indo ao ápice do episódio que é claro a aventura da Madoka e não tenho muito por falar na parte técnica, a não ser que finalmente o CG começou a falhar, mas detalhe mínimo para uma arranha sofrida como é a Madoka, mesmo com pouco tempo de tela, o que é incoerente já que é justamente o nome da obra a aventura dela, mas enfim vamos celebrar novamente o fato de Yuuki Aoi conseguindo no entreter com sua atuação; o progresso dela(Madoka) é o que me prende na obra, mesmo que repetitivo pois é isso, é uma aranha buscando aumentar seu nível para tentar viver uma vida normal, no início é terrivelmente complicado, literalmente uma vida cão, ou aranha pra Madoka, no entretanto, como a abertura vem mostrando, será mais fácil; a progressão dela ser natural é um grande ponto da obra e mesmo que esse segmento tenha focado em lutas e diálogos engraçados da heroína, é necessário vermos para entender no futuro onde ela se tornará overpower e se comparamos com outras obras do gênero que normalmente protagonistas já extremamente poderosos no início da obra onde seu desafio é justamente mostrar o porquê assistir sua obra, claro que Kumo desu ga,Nani ga? não é o primor para ser o contraponto para estas obras, sinceramente ele está mais próximo a eles do que distante, como falei na review passada ele remete bastante de Slime, mas poderia ter mais identidade, não do seu diretor e sim da própria história.

Dragão:“—Vou te comer.”
Dragão:“—Vou te comer.”

Basicamente era isso que eu tinha para falar desta tentativa do anime da miranha, aqui é Jonh Vini e essa foi minha review desta série, estou à espera dos vossos Feedbacks do episódio e da review para melhorar minha escrita para vocês, não se afobem pois arrependimento mata, vamos discutir pacificamente, sem puxar palavras de baixo calão já que como podem ver eu não desferir nenhuma contra vocês é saudável porque enriquece a vida e até mais.