Meu Anime #18 – Classificação final dos Animes da Primavera

86

Meu-Anime-n-18De volta depois de algumas semanas fora do ar. Chegou a dar um mês? Enfim, foi um final de temporada bastante complicado, eu não estava conseguindo assistir nada em dia (finalizei a maioria dos animes essa semana apenas), então simplesmente não tinha conteúdo para essa coluna.

Agora que terminei tudo eu tenho. E um conteúdo especial: ao invés de comentar sobre o episódio da semana, o que segue é a minha classificação final dos animes que terminaram essa temporada (exceto Seisen Cerberus, que eu dropei). Nada de ordem alfabética dessa vez, vai ser em ordem crescente de classificação mesmo.

Os que continuam na temporada de verão não estão nessa lista e retornarão na próxima coluna normalmente: Gundam Unicorn RE:0096, JoJo Part IV: Diamond Is Unbreakable, Kuromukuro, Re: Zero Kara Hajimeru Isekai Seikatsu e Twin Star Exorcists. E decidi dropar outros três para poder assistir mais animes novos: Endride, porque é ruim mesmo, Kyoukai no Rinne 2 e Macross Delta, que embora não sejam ruins eu sinto que já tirei deles tudo o que podia.

Sem mais demora, essa é a classificação final dos 23 24 animes que terminei de assistir na temporada de primavera. Concorda? Discorda?

Edição: Eu havia esquecido de incluir Unhappy na lista, e felizmente o João Veiga logo me lembrou disso. Está corrigido.

24º: Big Order

Big Order tem a questionável honra de encabeçar essa lista, mas acho que não é questionável o quão ruim esse anime foi. Com aproximadamente 249 plot twists por episódio, quem é que conseguiu se importar com Big Order no final?

Nota final: 4,2

23º: Mayoiga

Com esse aqui eu fico chateado de ter que dar uma nota tão baixa, mas o que mais eu poderia fazer? No começo prometia ser um clássico “jovens perdidos no meio do mato são mortos sem que ninguém ouça seus gritos”, o que eu admito que não é suficiente para garantir qualidade mas seria bastante interessante vindo de um anime e vindo da Mari Okada. Mas nunca foi isso que a Okada teve em mente e, no final, nenhuma alma morreu – nem a que já havia “morrido” antes. Tem personagens demais para eu me preocupar com a triste história de vida de cada um deles, e no final metade ainda fica pra trás em um sinal de … não sei o que aquilo quis dizer.

Nota final: 4,7

22º: Terra Formars Revenge

Esse é um caso engraçado. Quem gosta da franquia e gostou da primeira temporada não gostou dessa segunda porque ela teve mais história. Eu não gostei da primeira temporada justamente porque não teve nenhuma história. Quem gostou da primeira temporada costuma reclamar que essa segunda foi menos violenta, e eu reclamo da primeira porque ela foi um festival de violência gratuita. Mas no final, por caminhos completamente diferentes, todos concordamos que esse anime foi fraco.

Nota final: 5,5

21º: Kuma Miko

Sem Yoshio esse anime estaria umas cinco posições acima, pelo menos, suponho. Bom, acho que aqui o caso foi de problema de expectativa errada: eu esperava um anime leve, calmo, feel good, quando na verdade ele é uma comédia breaking the cutie. Se eu soubesse disso desde o começo talvez não tivesse assistido, ou talvez não tivesse me decepcionado tanto pelo menos. Sobre o final polêmico ofereço meu comentário: ele foi coerente. A Machi tem fobia social severa e foi forçada a situações muito estressantes para ela o anime inteiro. Ela já havia colapsado no shopping, uma situação bem mais fácil, era apenas lógico que ela teria um colapso terrível no palco de um festival de idols. O Yoshio é perverso de tão sem noção que ele é (ignorância não pode ser desculpa para machucarmos os outros), e o Natsu é um caso mais complicado. Até o evento do shopping ele estava colocando a Machi em situações que ele sabia que ela fracassaria porque queria convencê-la a ficar na vila, mas depois ele passou a se sentir culpado e, por isso, querer apoiar o sonho da Machi de ir para a cidade. Foi uma infeliz coincidência que ele tenha visto nos planos do Yoshio a chance de apoiar sua amiga humana de infância.

Nota final: 5,6

20º: Magi: Sinbad no Bouken

Fecha o bottom five esse spin-off de Magi. Como propaganda ele cumpriu sua função: fiquei genuinamente curioso e fascinado com esse mundo e seus personagens. Como história ele pareceu mais um grande resumo, e a animação pode não ter sido horrorosa mas não foi destaque positivo também.

Nota final: 5,8

19º: Sansha Sanyou

Tem personagens muito carismáticas e sobre quem eu com certeza queria saber muito mais. Tem pontos altos, mas infelizmente o anime se limita por suas próprias piadas e fica cansativo, perdendo a chance de ser emocionante.

Nota final: 6,1

18º: My Hero Academia

A ação no arco final conseguiu ser ao mesmo tempo divertida e emocionante, passando a sensação de que pela primeira vez no anime coisas sérias estavam realmente em jogo. Claro que eu sei que isso é só um battle shounen e portanto nada estava ameaçado de verdade, mas a sensação importa aqui. Infelizmente o anime demorou muito para construir isso e seus personagens são, até agora, mais rasos que uma poça dágua seca, de forma que absolutamente nada manteve a minha atenção ou me divertiu até o final derradeiro.

Nota final: 6,2

17º: Unhappy!

Por alguma razão inexplicável eu havia me esquecido de incluir Unhappy na lista, mas agora está aqui! Enfim, foi uma comédia bastante divertida e pouco usual sobre como a felicidade vem dos outros, e não de nós mesmos. Sozinhos somos criaturas “azaradas”, mas juntos podemos nos completar e viver vidas plenas e felizes. Como ele é muito mais comédia de absurdo do que o drama existencial que estou fazendo parecer, essa mensagem embora bastante clara acaba sendo ofuscada algumas vezes. O que não é um problema, Unhappy continua sendo uma comédia inusual bastante divertida.

Nota final: 6,5

16º: Netoge no Yome wa Onna no Ko ja nai to Omotta?

Como dramédia sobre jovens socialmente constrangidos que preferem o mundo seguro dos jogos online ao mundo real, Netoge é muito bom. Um pouco mais de foco nisso poderia ter elevado sua posição final, mas a verdade é que desde o começo ele nunca se pretendeu sério, então essa possibilidade nunca existiu.

Nota final: 6,6

15º: Sakamoto desu ga?

Por que raios tem gente achando que o Sakamoto está doente ou é um ET ou coisa que o valha após o final do anime? Ele está só se mudando. Ninguém nunca se mudou não? Não há sinal nenhum que indique o contrário. Seus pais provavelmente vão se mudar, e ele está mudando de escola – e está triste com isso, o que é normal. Enfim, sobre o anime. A maioria das suas esquetes não funcionou comigo. São piadas muito forçadas envolvendo um protagonista com quem eu não consigo me importar porque o anime quer que ele pareça distante e insondável. Mas quando elas eram mais humanas e colocavam outros personagens em destaque o anime crescia bastante. Os últimos episódios foram particularmente bons.

Nota final: 6,7

14º: Age 12

Uma historinha muito bonitinha e verossímil sobre garotas e garotos que estão começando a deixar de ser crianças. Um pouco irritante às vezes por causa dos moleques intrometidos mas eu já fui um moleque dessa idade e somos assim mesmo, fazer o quê. E enquanto a Yui, a Hanabi e o Kazuma foram sempre adoráveis, o Takao sempre pareceu maduro demais para a idade que tem, o que me tirou da história algumas vezes.

Nota final: 6,8

13º: Bakuon!!

Outro anime que meu problema maior foi de expectativa. Eu sabia que seria comédia desde que escutei a protagonista fazendo “vroom vroom” no trailer, mas eu não esperava que fosse uma comédia de absurdos. E sinceramente, nem é tão absurda assim o tempo todo, o que me deixou por fora do anime boa parte do tempo, tentando entendê-lo. Mas provavelmente tem algumas das melhores piadas da temporada.

Nota final: 6,9

12º: Concrete Revolutio 2

Ai, como eu queria ter dado uma nota e uma posição maior para esse anime! Sua primeira temporada foi um dos meus animes prediletos do ano passado, afinal. E a história aqui é boa, o final é muito bom, mas a animação (que nunca foi o forte de Concrete Revolutio) decaiu demais e a história faz alguns desvios que, na minha opinião, acabaram se provando desnecessários.

Nota final: 7,0

11º: Shounen Maid

Uma história com muito potencial e personagens com muito carisma. Até as piadas repetitivas aqui foram usadas à favor da história. Faltou uma sensação melhor de “final” ao final, acho que uma conversa franca com a avó teria sido melhor que ver a assombração da mãe, mas tudo bem, foi divertido mesmo assim.

Nota final: 7,1

10º: Bungou Stray Dogs

Bungou inaugura o top ten da temporada. Mais um em que errei na minha expectativa, esperava um anime um pouco mais sério e focado no mistério, mas ao invés é só outro battle shounen. É um battle shounen estiloso e com personagens legais pelo menos, nesse caso a quebra de expectativa não chegou a atrapalhar minha experiência.

Nota final: 7,2

9º: Joker Game

Não é um anime sobre mistérios e espionagem durante a Segunda Guerra, mas sim um anime sobre a pessoa de um espião. Genericamente assim mesmo, não é sobre os espiões da Agência D, mas sobre o que é ser espião, pelo quê passa um espião, prós e contras, o que devem e o que não devem fazer. É divertido e, mais do que isso, a caracterização da época foi excelente.

Nota final: 7,3

8º: Sailor Moon Crystal 3

Dificilmente o melhor arco do mangá de Sailor Moon poderia ter sido melhor adaptado para anime. O anime praticamente eliminou todos os problemas graves das temporadas anteriores e pôde ser o seu melhor, com seu melhor elenco de personagens em suas melhores atuações. Esse estilo de garotas mágicas pode já estar ultrapassado hoje, mas ainda assim acho que pelo menos essa temporada continua emocionante, mesmo para os padrões atuais.

Nota final: 7,5

7º: Kiznaiver

Aqui a Mari Okada acertou na dose de angústias e traumas adolescentes. Com um número reduzido de personagens e raramente dando a algum deles recebe mais atenção no enredo do que deveria, Kiznaiver dá aos seus espectadores exatamente o que eles querem ver. Ainda assim, não consigo me esquivar da sensação de que o final poderia ter sido melhor. Bom, a nossa vida sempre poderia ser melhor, não é? Talvez essa seja a lição que Kiznaiver tenta passar. Nossas vidas são o que são, não o que poderiam ser.

Nota final: 7,6

6º: Hai-Furi

Gostei desse muito mais do que eu poderia sonhar que gostaria antes da temporada começar! Achei que fosse ser bem mediano, com comédia e slice of life de garotas colegiais pilotando navios de guerra e, bom, tem isso também, mas Hai-Furi tem uma história séria de verdade, e uma história boa apesar dos ratos mutantes. Tem algumas boas personagens pelas quais consigo sentir empatia e que tiveram um bom desenvolvimento durante o anime. A animação também é espetacular, não tem como não gostar daquelas batalhas navais todas (e da cena de ação na retomada do Almirante Spee).

Nota final: 7,7

5º: Koutetsujou no KabaneriKabaneri-of-the-Iron-Fortress---12_18

Agora a coisa ficou séria porque Kabaneri abre o top five! E Kabaneri tinha potencial para encabeçar essa lista, mas os antagonistas do segundo arco ficaram muito mal caracterizados, sem falar que salvar o Ikoma foi uma decisão muito ruim, deu uma sensação de que nada nunca esteve em jogo de verdade. Mas no geral é uma história emocionante em um mundo divertido com personagens legais – ainda que a maioria seja bastante raso. O ponto absolutamente máximo do anime é, sem sombra de dúvidas, o desenvolvimento pessoal da Mumei.

Nota final: 7,8

4º: Ushio & ToraUshio-to-Tora---39_8

Que decisão maravilhosa eu tomei quando decidi assistir a primeira temporada desse anime ano passado! É mais um battle shounen nessa lista, e um escrito durante os anos 1990, o que pode ser positivo para alguns e negativo para outros. Para mim é interessante. É cheio de clichês, é infantil algumas vezes, e por conta do baixo número de episódios tem o desenvolvimento atropelado às vezes, mas não tem como não amar seus protagonistas e se emocionar com eles e sua história de vitória contra todas as chances. O elenco de personagens secundários também é maravilhoso e seu vilão é um que pela primeira vez em muito tempo me deu medo de verdade.

Nota final: 8,2

3º: Tanaka-kun wa Itsumo KedarugeTanaka-kun-wa-Itsumo-Kedaruge---12_1

E o bronze vai para o anime sobre o personagem mais preguiçoso da história dos animes! Um grande elenco de personagens adoráveis e peculiares em esquetes que apesar de todo o absurdo pareciam naturais. E muito engraçadas na maior parte das vezes.

Nota final: 8,6

2º: Flying WitchFlying-Witch---12_4

Slice of life feito do jeito que slice of life tem que ser feito. Relaxante a maior parte do tempo, engraçado quando tem que ser, com seu elenco de personagens que enquanto apenas vivem suas vidas pacatas e mundanas aquecem nossos corações. Destaque para a Chinatsu, uma rara criança em anime que se comporta como criança (e como criança adorável!) sem ser a protagonista de um drama.

Nota final: 8,9

1º: Assassination Classroom 2Assassination-Classroom-2---25

Uma história incrível sobre crescimento pessoal (de várias pessoas). O gênero “professor improvável de uma turma de párias” me agrada muito então de saída sou suspeito para falar de Assassination Classroom, mas acredito que pelo menos parte de seu sucesso se deve ao fato de ele não se limitar ao seu gênero. De cara, é um anime de ação também. A metáfora da superação do mestre através da morte dele é traduzida de forma literal nesse anime, e de uma forma que agrada tanto a quem gostaria de ver o professor morto quando a quem gostaria de vê-lo vivo. O Professor Koro vai deixar muita saudade.

Nota final: 9,3

Fabio está de volta!
Ele tem seu próprio blog e você pode encontrá-lo no facebook também.