O que aconteceu na briga entre a Crunchyroll e os Fansubs?

O que aconteceu na briga entre a Crunchyroll e os Fansubs

Na última sexta-feira (01 de fevereiro) o mundo dos fãs de animes no Brasil foi abalado com um acontecimento que gerou muita comoção, discussões acaloradas nas redes sociais e muito rage por diversas partes. Neste mesmo dia diversos site relacionados a distribuição ou exibição ilegal de séries anime foram retirados do ar ou tiveram seus site redirecionados e através de sua pagina no Facebook o Fansub Animes CX relatou que a Crunchyroll estava por trás dos acontecimentos envolvendo a queda destes sites.

Segundo o que foi relatado na postagem (que não se encontra mais no ar, mas podem ver um print dele abaixo), a Crunchyroll fez uso de “meios ilegais” para adquiri os dados pessoas dos responsáveis por estes sites e enviar indivíduos para “exigir a entrega do domínio dos sites” . Um dia antes (no dia 31 de janeiro), foi postado na página do AnimesTelecine um relato de seu administrador, Gabriel-San_BS, revelando que o site seria encerrado no dia seguinte pois ele havia recebido uma ação judicial por direitos autorais.

No decorrer da própria sexta-feira se identificou que diversos sites famosos de distribuição ou exibição ilegal de animes estavam com suas atividades encerradas e a maior parte realizou o fechamento suas redes sociais. Além do AnimesTelecine, foram encerrados os sites AnimeVision, AnimesOneHD, entre outros. Também ocorreu em menor escala a retirada do site de streaming ilegal Super Animes das buscas do Google e o Punch Fansub anunciando a retirada dos animes que pertencem a Crunchyroll de seu catalogo.

Automaticamente a retirada destes sites tomou contas das conversas nas redes sociais e como consequência a discussão sobre a pirataria de animes e a força das Fansubs no Brasil retornou com força. Foram abertas diversas petições contra o fechamento dos sites, ataques feitos diretamente/indiretamente contra o Crunchyroll e até a Wikipedia do serviço foi alterado em protesto por causa dos acontecimentos. Porem muita informação incorreta também começou a circular por causa do ocorrido.

O que aconteceu na briga entre a Crunchyroll e os Fansubs?

Crunchyrool fez uso de meios ilegais ou ameaça?

Uma das principais polemicas envolvendo a retirada dos sites de distribuição ou exibição ilegal é o relato feito na postagem do Animes CX sobre a possibilidade do Crunchyroll ter feito o uso de meios ilegais ou ameaça para exigir o fechamento ou redirecionar a página. O OtakuPt enviou mensagem na rede social dos sites Animes CX e AnimesTelecine pedindo um comentário sobre está questão, porem não recebemos nenhuma resposta até lançamento deste artigo. Já o Crunchyroll revelou, para o site JBox, que tomou “todas as ações dentro da lei brasileira”.

Todos os sites fechados eram Fansubs?

Dos sites conhecidos que foram fechados é possível considerar apenas o AnimesTelecine como um tipo de Fansub, porem ficou comprovado que o site realizava uma reprodução de legendas retiradas diretamente do próprio Crunchyroll. O AnimeVision era um site que agregava links para download e muitas das séries animes do site tinham reprodução das legendas do Crunchyroll ou eram animes dublados produzidos pelo próprio serviço. Já o AnimesOneHD era um site que streaming que possuía muitos animes que são exclusivos do Crunchyroll.

Animes de Fansubs entram no Uso Justo?

Esta é uma questão que acaba sendo extremamente complicada de ser discutida em um âmbito geral. Atualmente quando se fala de Uso Justo (ou Fair Use) logo vem a cabeça o uso de um trecho de determinado conteúdo para uso critico ou analítico, mas (pelo que averiguei e entendi) dentro da constituição brasileira de 1988 e leis complementares de 1998 referente ao Direito Autoral no Brasil não existe em si um formato de lei como o Fair Use que é popularmente conhecido e que é utilizado quando se trata de questões de internet, sendo mais uma série de regras que estabelecem um modelo de Uso Justo brasileiro. O principal problema do Uso Justo brasileiro é que a questão relacionada a disseminação de copias de determinada obra é extremamente datado e com buracos sobre o quanto da obra original pode ser usado dentro do Uso Justo, o que gera muitos problemas de interpretação jurídica.

Por outro lado o artigo 29 das Leis de Direitos Autorais do Brasil fala que apenas o detentor da obra no país (seja o dono original, herdeiro ou licenciado) possui os direitos de uso, o que significa que toda cópia reproduzida (incluindo distribuição via download e streaming) sem autorização do detentor da obra é considerado ato ilícito dentro do âmbito civil e criminal perante a lei brasileira. Caso o praticante do ato ilícito esteja adquirindo lucro direto ou indireto com uma obra a qual não tem direito ele também pode ser processado dentro do Artigo 184, referente a chamada Lei Anti-Pirataria.

A legenda dos Fansubs é superior a da Crunchyroll?

Esta é uma questão que poderia ser colocada como opinião pessoal. Porem, devemos levar em conta que, segundo uma reportagem do Uol Jogos de 2017, um único episódio de 25 minutos legendado pela Crunchyroll é feito com uma antecedência de 24 a 48 horas antes da exibição do episódio no Japão, a tradução é feita por uma equipe de três pessoas e dentro de uma escala de trabalho de oito horas em horários incomuns.

Agora imagine um Fansub tendo que realizar este mesmo caminho por outras vias, tendo que aguardar uma RAW de boa qualidade, esperar até surgir uma legenda em língua japonesa ou em inglês antes de começar o trabalho de tradução, ainda tem a parte de revisão e alinhamento da legenda nas falas.

Dos dois lados o trabalho é árduo e passível de erros, então não é possível determinar um vencedor ou um perdedor nesta questão.

O que aconteceu na briga entre a Crunchyroll e os Fansubs?
Fonte: Google Transparency Report

A Crunchyroll ira criar um monopólio de animes?

É de conhecimento geral que a cada temporada a Crunchyroll tenta realizar a aquisição da maior quantidade possível de animes que serão exibidos no Japão, porem algumas licenças podem escapar pelos dedos dela e o publico pode acabar dependendo do uso dos Fansubs para poder ter acesso a determinadas obras. Mas afirmar que o fim de alguns sites de distribuição ou exibição ilegal de séries anime geraria um monopólio da Crunchyroll acaba sendo algo bastante absurdo.

Além da Crunchyroll, atualmente é possível assistir animes de forma legalizada através da Netflix (que atualmente possui animes atuais e antigos), da Amazon Prime (que começou a pouco tempo mas tem um bom catalogo), Hidive (que atualmente consegue ser o principal concorrente da Crunchyroll) e o Funimation (que mesmo limitado territorialmente neste momento, o serviço é o principal competidor da Crunchyroll na disputa dos animes da temporada). No Brasil ainda existem serviços menores com animes em seu catalogo, como é o caso do Looke e o Now (das operadoras de TV por assinatura Net e Claro).

O valor da assinatura do Crunchyroll é muito caro?

Esta é uma questão aonde a resposta depende de acordo com o orçamento financeiro e a prioridade de entretenimento de cada um. Atualmente a assinatura Premium da Crunchyroll custa R$25,00 (como comparação, pacote Premium da Netflix no Brasil custa R$38 mas seu foco não é apenas em animes) e da acesso a animes em HD e com Simulcast com lançamento dos episódio junto da exibição com o Japão, um catalogo bastante versátil para diversos tipos de gostos, acesso a mimos em eventos e, a novidade mais recente, animes dublados (incluindo os episódios adicionados ao catalogo após a exibição na Rede Brasil ou séries dubladas exclusivas para assinantes).

Caso você não queira assinar o serviço é possível assisti aos animes do acervo legendado do serviço, sendo que as únicas limitações é a impossibilidade de ver os episódios na semana de exibição, ter acesso ao acervo de animes dublados do serviço e a inclusão de propagandas durante a exibição dos episódios. Sem falar que é possível assistir os animes dublados produzidos pela Crunchyroll que são exibidos no canal Rede Brasil.

Talvez as maiores falhas da Crunchyroll neste momento como serviço em comparação aos seu maior concorrente, a Netflix, é a impossibilidade de baixar os episódios para assistir em modo offline no celular (ou tablet) e o serviço não possuir aplicativo nativo para uso em SmartTv. Já sobre as questões de instabilidade e do player utilizado por eles, vejo ali mais uma necessidade de avanço de tecnologia, algo que pode ser possível agora que a Crunchyroll faz parte de um conglomerado com grande potencial de investimento.

Assistir por Fansub atrapalha a industria anime?

A forma de consumir entretenimento visual é cíclica, tivemos o período das fitas VHS, que foi substituída pelo DVD, preverão que o Blu-Ray seria o próximo passo (coisa que não aconteceu) e atualmente o streaming é a atual forma de consumo para filmes, séries e etc. A industria segue a mesma tendencia e, no caso dos animes, aos poucos a formula de negocio de uma produção vai se moldando para colocar as licenças de streaming como uma forma de se obter lucro.

Quando um anime é licenciado, seja para o Crunchyroll ou Netflix, o comité de produção recebe um valor referente a venda da licença. Já para o serviço, que esta adquirindo aquela obra, a aquisição é um investimento que ele esta fazendo para os seus assinantes. Segundo noticia de fevereiro de 2018, a Crunchyroll já contribuiu com mais de 100 milhões de dólares em royalties para a indústria japonesa. Já a Netflix planeja investir 2 bilhões de dólares na produção de conteúdos originais, incluindo animes.

Se após todos estes investimentos o publico consumir o conteúdo através dos meios ilegais no lugar dos veículos oficiais pode ocorrer do investimento diminuir ou a empresa começar a jogar apenas aonde o lucro estiver mais seguro.

O que aconteceu na briga entre a Crunchyroll e os Fansubs?

Historicamente os Fansubs são uma parte importante na historia dos animes no Brasil, principalmente no período aonde as séries animes estavam em baixa na TV aberta e não existiam meios legais para acompanhar o que estava sendo exibido no Japão. Porem nos últimos anos a chegada de serviços de streaming, como Crunchyroll, Netflix e muitos outros, possibilitam que atualmente o publico tenha acesso aos animes atuais de forma legalizada e ajudando a contribuir diretamente com a industria anime.