Quanto um animador recebe de salário? Será o suficiente?

A Japan Animation Creators Association (JAniCA), que visa defender os direitos dos animadores e integrantes da indústria, publicou um reporte sobre as condições atuais de trabalho dos animadores.

Antes de continuar com o relatório, é importante também ficarem a conhecer os membros que constituem JAniCA.

Diretor Representante: Yasuhiro Irie – Diretor (Fullmetal Alchemist: Brotherhood)

Vice Presidente Executivo: Inoue Toshiyuki – Animador (Akira, Maquia)

Membro de Conselho: Shinsaku Sasaki – Diretor/Animador (Princess Mononoke, Puella Magi Madoka Magica)

Membro de Conselho: Yuuga Tokuno – Animador (A Letter to Momo, Guilty Crown)

Membro de Conselho: Osamu Yamasaki – Diretor (Hakuoki, ItaKiss)

Membro de Conselho: Takuji Yoshimoto – Animador (Fullmetal Alchemist, Yowamushi Pedal)

No relatório pôde-se verificar que os animadores recem chegados à indústria continuam a enfrentar condições precárias de trabalho, mesmo que o cenário para os animadores experiêntes tenha tido uma ligeira melhoria. No questionário levado a cabo pela JAniCA, com cerca de 382 participantes, foi registado um salário anual de 4,410,000 yen (US$40,000), que é 1 milhão de ienes superior ao dados de à 5 anos.

No entanto, os jovens entre os 20 e os 24 anos continuam a ser mal pagos como um todo. O seu salário anual médio é de 1.550.000 ienes (US$14.000), que é 1 milhão de ienes menor que a média nacional para a mesma faixa etária, de acordo com dados da Agência Nacional de Impostos.

As faixas etárias mais velhas na indústria de anime são superior do que a média nacional, na faixa de 60-64 anos com uma média de 5.920.000 ienes (US$53.428), é 1.960.000 ienes acima da média nacional. O rendimento médio da indústria é de 4.410.000 ienes que é na verdade 88.000 ienes (US$794) acima do salário médio nacional no geral. Mas, JAniCA observou que a maior parte do trabalho de desenho e animação na indústria é realizado por jovens mal pagos nos seus 20-25 anos. Essas descobertas evocaram discussões sobre as dificuldades de treinar jovens animadores e mantê-los na indústria.

O diretor Yasuhiro Irie (Fullmetal Alchemist) diretor representante da associação diz que:

Embora esta pesquisa indique uma melhora em relação à situação há cinco anos, há muitas pessoas que continuam a não receber os benefícios. Quero tornar essa indústria uma lugar que é fácil para as pessoas trabalharem.

Quanto um animador recebe de salário? Será o suficiente?

No relatória ainda podemos ver dados como a idade média dos animadores que cresceu consideravelmente, de 34 para 39 anos nos últimos quatro anos, a duração da carreira dos animadores também teve um crescimento de 11 para 16 anos, apesar destes dados todos as horas médias por dia de trabalho diminuiu de 11 h para 9,6 h por dia e de 262,6 h para 231 por mês.

Ainda podemos ver que a idade média dos homens é de 39 anos e das mulheres de 35,41. No gráfico salta à vista que as mulheres que trabalham na indústria têm tendência de ser mais novas, já nos homens é o contrário.

Quanto um animador recebe de salário? Será o suficiente?

Tal como referi anteriormente, neste gráfico um crescimento generalizado no salário médio, no entanto apenas se faz sentir mais nas faixas etárias altas, quanto às faixas etárias mais baixas o crescimento é muito ligeiro.

Quanto um animador recebe de salário? Será o suficiente?

Quanto ao rendimento por profissão os diretores de episódio e gerais de longe são os que mais recebem, já para os animadores de desenhos intermediarios (in-betweners) e os animadores secundários (2nd key animation), que são os que “limpam” e aperfeiçoam os frames-chave, é totalmente o contrário.


Após o relatório vários animadores, diretores e outros membros da indústria comentaram sobre o fato dos salários e o pagamento por desenho serem tão baixos para os jovens animadores. Uns concordado com os dados, e muitos criticando a posição um tanto passiva da JAniCA por ser uma associação de defensa dos direitos dos animadores mas que na prática não estava realmente a mudar algum na indústria.

Começando pelo animador Toshiyuki Inoue, vice presidente executivo da JAniCA, que comentou em seu twitter sobre o relatório. Inoue twitou que, quando ele era um jovem animador, há 35 anos, ele recebia 160 ienes por quadro intermediário. Ele disse que espera que a taxa padrão suba para pelo menos 300 ienes, mas idealmente devia cerca de 400 ienes. De acordo com dados relatados pela NHK no seu programa Close-Up Gendai+ em 2017, o animadores intermediários ganham atualmente cerca de 200 ienes por quadro.

Inoue também afirmou no mesmo tweet que um quadro de animação chave valia 1.700 ienes há 35 anos. Este número aumentou para 4.000 ienes nos tempos modernos. Em outras palavras, o valor da animação principal aumentou muito mais do que a animação intermediária ao longo do tempo. Se a razão de preço entre a animação chave e a animação intermediária estivesse em torno de 11:1 ou 10:1 naquela época, então, para manter essa proporção hoje, a animação intermediária deveria receber 400 ienes.

De acordo com Inoue, outro fator a ser levado em consideração é quanto tempo leva para desenhar um quadro intermediário. Há 35 anos, Inoue conhecia pessoas que desenhavam 1.000 quadros intermediários em um mês, mas isso seria impossível hoje em dia, porque a complexidade dos desenhos dos personagens faz com que os desenhos demorem mais para serem produzidos. Isso implica que a animação intermediária deveria valer mais hoje comparativamente.

Para referência, o jovem no meio animador Tetsuya Sakurai recentemente disse na terceira livestream do studio TRIGGER financiada pelo Patreon, que consegue desenhar cerca de 10 quadros intermédios por dia, e que geralmente leva cerca de uma hora de desenhar cada quadro.

Inoue disse que espera que suas declarações possam capacitar jovens animadores a negociar um valor melhor. Ele alertou contra exigir uma taxa mais alta logo de cara e encorajou as pessoas a usar suas declarações como alavancagem: “Se este veterano animador está dizendo que leva o dobro do tempo para desenhar animação hoje em dia, então a taxa atual não é muito barata?”

Inoue disse que espera que o lado da produção tenha uma das três reações a essa linha de questionamento:

1) “Uau! Eu não tinha ideia”.

2) “Sério? Eu vou investigar. Se for verdade, então faremos algo sobre isso.”

3) “A animação é muito cara hoje em dia! Se reduzirmos pela metade o preço da animação principal, então seria o mesmo de antes!”

Inoue disse que uma empresa comum teria a primeira reação, enquanto uma boa companhia teria a segunda. A terceira reação é uma bandeira vermelha. Inoue salientou que as empresas de produção e os comitês de produção não são inerentemente inimigos. Pelo contrário, eles são amigos.

Em um post mais tarde, Inoue compartilhou sua crença de que a melhor pessoa para conversar no lado da produção é um “produtor simpático”, porque eles têm influência sobre o orçamento. Ele disse que conversar com a Associação de Animações Japonesas não produzirá resultados porque o grupo é formado por empresas de produção de animação afiliadas. O máximo que você pode esperar depois de preencher um pedido é uma não-resposta diplomática como “Estamos analisando a questão”.


Mesmo JAniCA, que é um grupo de defesa dos trabalhadores da indústria de anime, encontrou obstáculos quando se trata de criar mudanças tangíveis no nível superior. De acordo com Inoue, e Yasuhiro Irie apresentaram um pedido para realizar uma conferência onde os animadores e empresas pudessem trocar opiniões livremente sobre como melhorar os cronogramas de produção de anime, mas isso acabou sendo ignorado.

Inoue observou que a mudança estrutural não acontecerá a menos que haja impulso vindo de muitos lados diferentes. Isso significa que os jovens animadores não devem sentir a necessidade de abordar a questão de forma precipitada, especialmente se isso puder resultar na perda de trabalho. Se os dados do relatório JAniCA forem divulgados amplamente e até mesmo vozes de alto nível de toda a indústria se manifestarem, então aqueles que estiverem no topo (como presidentes de empresas e comitês de produção) podem ser convencidos. Inoue espera que, se essas vozes puderem levar a Comissão de Comércio Justo e a Agência de Pequenas e Médias Empresas a estabelecer diretrizes, haverá um verdadeiro impulso.

Em reação aos tweets de Inoue, outros animadores têm falado sobre questões de dinheiro. Akiko Nakano (animadora) twitou que cerca de 40 anos atrás, quadros intermediários recebiam cerca 150 ienes. Ela afirmou que, quando se leva em conta a complexidade dos desenhos atualmente, até 600 ienes por quadro é muito baixo. Mesmo no passado, 150 ienes eram baixos demais, então elevar as taxas para um nível comparativo ao passado ainda seria extremamente injusto para os animadores.

Mizue Ogawa (animadora) mencionou que os jovens animadores que não aprenderam sobre as taxas padrão podem facilmente ser enganados e receber menos do que esse padrão. Ela disse que 30 anos atrás, ela acreditava que 80 ienes era o padrão para novos animadores e aceitou essa quantia de um estúdio regional por seis anos.

Shinsaku Kōzuma twittou (animador) que alguns estúdios pagam aos animadores “dinheiro de exclusividade” para que eles possam apenas produzir trabalhos para esse estúdio em particular. Dependendo da sua idade e até onde está na carreira, Kōzuma adverte que não se deve aceitar um contrato de exclusividade porque a quantia que se recebe no total pode  depois não ser suportável. De acordo com seu conselho, o mínimo que se devia  aceitar se for um jovem animador é de 100.000 ienes, mais as taxas que você recebe por desenho.

Henry Thurlow (animador americano no Japão) também comentou que, de tudo o que tenha visto, estimar que novos animadores ganham $14 mil por ano é uma superestimativa bruta. Ele acha deve ser menos de $10 mil. Apesar de concordar com alguns dos outros pontos citados, como o animador intermediário que diz que só pode desenhar 10 quadros por dia.

Já um dos grandes criticos de JAniCA, o polémico Kazuyoshi Yaginuma, comenta que JAniCA apesar de ter várias intenções na pratica não está a fazer nada para ajudar a situação. Yaginuma acabou por ter uma serie de tweets onde teve apoiantes e outros que não concordavam consigo numa discução acessa, onde ele acabou mesmo sendo bloqueado por Toshiyuki Inoue.

Um editor da revista Anime Style, Daisuke Miura, também divulgou em seu twitter uma parte de um ficheiro excel onde reunia os salários divididos por profissão desde os anos 50 até 2000+. Os dados demonstravam uma subida de 2,25 da década de 60 até à de 80, e o crescimento de apenas 1,1 até 2009.


Apesar de toda esta situção entre mensagens à indústria, comentários sobre a sua situação que têm continuado. Fica a pergunta, será que a situação irá mudar futuramente? Será que as pessoas no poder, entre produtoras e outros membros dos comitês de produção, iram ouvir a palavra dos animadores e realmente fazer uma mudança tão necessária?