Rússia acusa anime de promover suicídio infantil e homossexualidade

conteúdo deles vai lentamente "infiltrar-se no cérebro"

Rússia acusa anime de promover suicídio infantil e homossexualidade

A Rússia tem sido acusada de tentar desestabilizar a democracia em todo o mundo, mas agora parece que o país tem outro alvo em mente para a subversão: Anime!

O Moscow Times publicou um novo relatório, que tem como objetivo relacionar a visualização de animes com as taxas de suicídio infantil, como forma de argumentar contra a transmissão de conteúdo anime na Rússia.

Eis a citação da agência estatal de notícias RIA Novosti, atribuída a Yelena Ivanova, especialista no Centro de Proteção à Criança Contra Ameaças Online, patrocinado pelo Estado:

Eles fazem um monte de desenhos animados de qualidade no Japão. Eles não são perigosos se não os assistirmos o dia todo. É outra coisa totalmente diferente se os personagens são adolescentes, como os seus espectadores, que também são homossexuais, que fumam e bebem e até cortam as suas veias. Naturalmente, a raiz do problema aqui é muito mais profunda do que os desenhos animados, mas eles são feitos especificamente para este tipo de crianças.

O chefe do centro, Vladimir Rogov, foi ainda mais militante na sua visão de como a Rússia deveria lidar com conteúdos anime, afirmando:

É melhor restringir o seu acesso a grupos questionáveis: mesmo que eles estejam a passar em segundo plano, o conteúdo deles vai lentamente “infiltrar-se no cérebro”. Somos contra medidas radicais, mas é hora de colocar a cultura anime na Rússia no caminho certo.

Vemos assim uma agência estatal russa que afirma que o anime é feito especificamente para adolescentes com problemas e ainda pior, sugerem que a homossexualidade e / ou beber e fumar na adolescência qualifica as crianças como “problemáticas” o que é no mínimo obtuso.

O mais preocupante é mesmo o facto de que tudo isto está a ser transmitido como “notícias” do Estado contribuindo para a normalização junto da população deste tipo de argumentos e pensamento.

Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.