Análise – Disgaea 4 Complete +

Disgaea é aquela típica série que mesmo estabelecendo o mesmo molde jogo após jogo, os fãs da série não se cansam e nem se importam quantas revisões do mesmo jogo existam. Disgaea 4, foi originalmente lançado em 2011 para PlayStation 3, e recebeu uma versão melhorada para PSVita em 2014. É precisamente essa versão com mais alguns elementos de Disgaea 5 que a versão Disgaea Complete+ foi criada e agora finalmente pode ser desfrutada nos PC através da Steam.

Como já é habitual na série, a história de Disgaea 4 decorre no Netherworld. Depois de prometer a alguém que não beberia mais sangue a troco de sardinhas, o temível vampiro Valvatorez, e o seu lobisomem servo Frenrich são exilados para Hades, o ponto mais baixo de Netherworld. Este também é o local onde todas as almas humanas pecadoras que morrem são transformadas em Prinnies, uma raça de pinguins guerreiros. Depois do governo ordenar a destruição desta raça, por diversos motivos económicos e sociais, Valvatorez a troco de mais uma promessa planeia resgata-los, participar numa rebelião contra o governo e impedir a destruição destes doods.

Disgaea 4 Complete + por si mesmo, é um jogo bastante longo e complexo. A história demora imenso tempo até chegar à sua conclusão, e a jornada de Valvatorez é propositadamente lenta, porque ao invés de enveredar por caminhos simples, o jogador será confrontado com muitos desvios, os quais atingem efeitos bastante cómicos na maior parte das vezes, que como sabemos é outro dos cartões de visita da série. Eventualmente os seus objetivos serão alcançados e a sua rebelião será um sucesso. Contudo, o seu final é quando o jogo realmente começa. Este à primeira parece tratar-se de um paradoxo, pois os seus objetivos foram concluídos e tudo terminou certo? Errado! Pois, bem passarei a explicar. Os jogos Disgaea possuem um dos maiores post games alguma vez criados, e Disgaea 4 Complete + obviamente não foi exceção. Diríamos mesmo que o jogo até poderá tornar-se numa obsessão para quem deseja explorar ao máximo todos os elementos, mecânicas e transformar as suas personagens em autênticos deuses! Isto porque o level cap deste jogo é mesmo OVER 9000!!! Qualquer uma das nossas personagens poderá alcançar – com muito esforço e muitíssima dedicação – o nível 9999, uma verdadeira loucura! Como não bastasse esse feito, ainda existe a possibilidade de invadirmos mapas personalizados de outros jogadores e claro o Item World, uma mecânica de regresso dos jogos anteriores. Aqui, os equipamentos que os jogadores adquirem podem subir de nível navegando pelos inúmeros mapas e derrotando monstros muito mais fortes do encontramos no Modo História.

De regresso também estão personagens de jogos anteriores para recrutar, tais como a súcubo Etna, a anjo caído Flonne e o eterno imperador das trevas: Laharl, ou seja, o trio principal do primeiro jogo. Com base nestes e noutros elementos do jogo, as horas deste jogo podem até alcançar as centenas muito rapidamente! Contudo, este não será um motivo de preocupação para os jogadores – tal como nós – que desejem ver stats absurdos de personagens, números a povoar o ecrã e milhões de pontos de dano a serem disferidos a qualquer criatura infeliz que barre o nosso caminho. Para libertar todo o potencial das nossas personagens o jogo conta com todos os DLC lançados anteriormente.

Mesmo com tantos elementos à mistura, facto é que a fórmula base dos jogos não mudou muito ao longo dos anos, optando apenas por adicionar novas mecânicas de jogo enquanto faz do grind a sua principal política. O jogo não é muito complicado, aliás até possui vários elementos, que o tornam bastante apelativo para o jogador casual, o principal senão neste capítulo, é que existe tanto para fazer, que os seus pontos mais fortes sejam completamente encobertos e com o passar do tempo, esquecidos tais como a expansão de território, ou a manipulação de leis no parlamento para beneficiar o jogador.

Disgaea 4 Complete + é um Srpg, e as suas batalhas acontecem em mapas dispostos por pequenas áreas como assistimos nas séries: Fire Emblem, Final Fantasy Tactics, ou Shining Force. Os jogadores usam um turno para movimentarem as suas tropas pelo mapa para estrategicamente derrotarem os seus inimigos. Contudo, vão sendo integradas progressivamente muitíssimas mecânicas no ecossistema do jogo tais como: combos, criar uma torre de personagens, atirar personagens para alcançar sítios mais longínquos, ou usar o relevo a nosso favor. Estes elementos da forma que foram inseridos podem atribuir um nível de complexidade contraproducente ao jogador, pois introduzem tanto em tão pouco tempo, que certamente serão intimidantes para o jogador mais desprevenido. No entanto, é louvável a maneira como Disgaea 4 Complete + mantém os jogadores colocados ao ecrã, pois apostando em ser demasiado simples, e complexo ao mesmo tempo, derrete literalmente horas da nossa existência sem nos apercebermos disso.  Em suma este é essencialmente um jogo de xadrez moderno, em todos os sentidos mais puros da palavra.

Disgaea 4 Complete + é um jogo esteticamente apelativo, que certamente não fará suar qualquer PC. Os sprites 2D respiram de carisma e humor, estão bem animados e apresentam bons detalhes. O problema neste departamento está essencialmente nos seus ambientes, os mesmos mantêm-se praticamente inalteráveis desde o seu primeiro jogo na PlayStation 2. Praticamente sentimos que viajamos pelos mesmos mapas e locais, não é que este seja um fator demasiado importante, pois o seu foco está inteiramente dedicado às suas personagens e animações, mas sentimos ser necessário relatar à NIS, para dedicar também um pouco do seu tempo para requintar um pouco o Netherworld. O que também se mantém inalterável é a sua banda-sonora, aliás até resgata várias faixas de antigos jogos e polvilha-lhes um ligeiro toque remasterizado. Mais uma vez este não é um ponto negativo, pois a mesma enquadra-se na perfeição em todos os seus momentos quer sejam hilariantes, como mais dramáticos e sempre sem perder as suas raízes e essência, um fator por si mesmo, louvável. Tecnicamente esta versão de PC, não apresenta nenhumas melhorias técnicas além da possibilidade de desfrutarmos do jogo em resoluções mais elevadas, não existem as tradicionais opções de efeitos gráficos tais como sombras, ou filtros de antisserralhamento. Disgaea 4 Complete + também não esconde a sua idade, os modelos de personagens estão muito detalhados e bem animados, no entanto, o efeito nublado, nesta era de Sprites HD, não deixa de produzir um ligeiro sabor agridoce ao pacote final.

Disgaea 4 Complete + é por excelência a versão definitiva de um jogo gigantesco que ainda adiciona bastantes doses de novos conteúdos a um preço muito atrativo. Este é um jogo que não só apelará aos maiores fãs da série, como os entusiastas de Srpgs. Vamos precisar de muitas horas e quantidades de omega 3 para desenvolvermos táticas e conquistar os infinitos mapas de batalha.

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal, até à sua atualidade. Devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também é adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.