O serviço Google Stadia continua a ser uma inconstante para a Google. Como noticiámos a empresa fechou o seu estúdio interno há um ano, relatou perdas, e embora o serviço continue no ativo não tem sido alvo de destaque na indústria. Neste mar de incertezas o Business Insider revela que as suas prioridades vão passar de um produto de consumo para um serviço para outras empresas.

A Google anunciou em 2021 que planeava vender a tecnologia como um serviço para parceiros selecionados. Esta medida permitiria que empresas de terceiros desenvolvessem produtos utilizando a mesma. Um ano mais tarde o Business Insider relata que esta vai ser chamada Google Stream. A Peloton e a Lanebreak já a usam para fornecer jogos e outras aplicações nas suas bicicletas de “fitness”. O website também indica que a Google reuniu-se com a Bungie no ano passado, para a contratar na produção de uma plataforma de “streaming” semelhante à Google Stadia. Este negócio não deve avençar porque a empresa foi recentemente adquirida pela Sony Interactive Entertainment.

Google Stadia inicialmente fora de Portugal e Brasil

O Business Insider também indica que o serviço não vai fechar portas, contudo o seu foco vão ser jogos “indies” devido ao facto que são fáceis de manter no serviço, não exigem milhões para serem adquiridos, e a plataforma vai-se expandir para as TVs LG e Samsung.

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt em 2020, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal até à sua atualidade, devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.
Subscreve
Notify of
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments
Admmi
Admmi
5 , Fevereiro , 2022 14:28

Vou seer sincero, o stadia desapareceu completamente da minha mente, eu não me lembrava que ele sequer existia até ler esta notícia.