Recordando Locomotion

Que memórias partilhas deste canal?

Recordando Locomotion

Artigo por Bruno Reis.

A Locomotion estreou-se a 1 de novembro de 1996 e teve a sua última transmissão a 31 de julho de 2005, (em território português foi algures em 2003) quando uma relevante parte das suas ações foi adquirida pela Sony, a qual traduziu-se como Animax. Não sei se concordam, mas mesmo na era vindoura deste canal, acho que foi apenas uma pequena sombra do que a Locomotion criou e o que representou na época para o seu público. Tivemos os famosos e saudosos blocos como a: 80’s TV, Anime Loving, Japanimotion e Animafilms, atenção que o conteúdo do canal não se destinava apenas a animação Japonesa, pequenas criações europeias, e grandes séries de sucesso norte-americanas como South Park, Dr. Katz e Stressed Eric, também fizeram parte do mesmo, a maioria dobrada em brasileiro porque a Locomotion era um canal latino-americano. Não evito de pensar, será que a programação vanguardista, irreverente e fresca ainda podia singrar nos nossos dias? Por um lado, penso que sim, por outro não.

Lain

Em primeiro lugar convém clarificar que este canal era mais do que um posto a ocupar uma grelha, era uma aula, um hino a animação o que representa como entretenimento e arte. Além das dinâmicas já referenciadas o canal que ocupava a posto 70 da TV Cabo no início deste milénio também teve espaço para curtas, animação experimental e temas ligados a sua estrutura, abrangendo vários tipos de publico através um uso muito inteligente de temáticas. Para quem gostava de acompanhar pequenas séries de qualidade, o espaço Anime Loving seria a melhor decisão, animes como Boogiepop Phantom, Lain ou Candidate for Goddess foram algumas das séries que podíamos encontrar as noites de forma mensal e rotativa. Para os amantes de filmes anime ou Ovas, a Locomotion teve o bloco Japanimotion, no qual brindou-nos com os Ovas de Saber Marionette J Again e R. Filmes como City Hunter, Blue Submarine No. 6, Akira e Birdy the Mighty também foram transmitidos neste espaço. Para o publico resistente o bloco Japan OK! Era um espaço bimensal onde num fim de semana era transmitida uma série na integra, recordo-me que Neon Genesis Evangelion e Lain foram duas dessas escolhas. Para os entusiastas de animação contemporânea os blocos Retromotion e 80’s TV eram as melhores escolhas, enquanto entusiastas de animação como arte no geral encontraram as Curtas Locomotion, Kapsula e Love Vision como cantos prediletos desta casa.

Porém o maior destaque e o qual muitos certamente até associam este canal foram as suas manhãs e tardes, Saber Marionette J, Ranma 1/2, Soul Hunter (Senkaiden Hoshi Engi), Silent Mobius, Cyberteam in Akihabara, Cybaster, Blue Seed, Neon Genesis Evangelion e Pet Shop of Horrors foram apenas alguns dos incríveis cartões de visita deste canal. A palavra de ordem da Locomotion era apenas uma! A divulgação, o compromisso e a transmissão de animação de qualidade, separando as águas e demonstrando que animação não estava cingida apenas a crianças, na verdade recordo-me que antes de cada série surgia um aviso com as temáticas exploradas e idades destinadas, desde apto para todos, até somente para adultos, muitos devem pensar que este último estivesse destinado para blocos de séries ou filmes hentai, por muito estranho que pareça a Locomotion não transmitiu nada dessa natureza, o máximo que tivemos foram os casos de Aika, Burn up W/Excess, Blue Seed e Cyber Team in Akihabara que foram de natureza ecchi e claro convém sublinhar que todo o seu conteúdo foi transmitido sem censura.

Blue Submarine No. 6

Acima referi que também seria difícil um canal com a dinâmica da Locomotion suceder e triunfar nos dias de hoje, este facto simplesmente pode ser explicado pela época e o imediato que vivemos hoje em dia. Com serviços como a Netflix ou Crunchyroll podemos ter quase o impensável, a transmissão de conteúdo com apenas uma hora de diferença da transmissão japonesa e algumas séries até já são dobradas e transmitidas nesse mesmo espaço de tempo. Aqui viria o maior desafio da Locomotion que também representa a maior ameaça para qualquer cadeia de televisão, a Internet, não só podemos criar e selecionar o que queremos ver, como ter a agilidade de moldar o nosso próprio canal. O sucesso da Locomotion deve-se sobretudo a sua época, inovação e dirigir-se ao publico certo, não se abastecendo apenas de animação japonesa, criando os pilares do que conhecemos hoje como a Crunchyroll, ou serviços de streaming de um certo modo.

Também conhecida como Loco, imediatamente reconhecida com o seu logo com uma cabeça de Frankenstein, foi mais do que um simples canal de televisão, foi uma voz, um culto instituindo-se numa experiência multicultural que explodiu no início desta década. Teve a audácia de arriscar e conquistar um público diferente, adulto e muito exigente, abrindo as portas ao que conhecemos hoje em dia como animação. É impossível não sentir um sentimento de saudade e nostalgia quando recordamos este canal, tempos que vivemos e a uma era de descoberta que de certa forma também contribuiu para o que somos hoje em dia. É sabido que a televisão representa um reflexo da sociedade, com este canal não podia estar mais de acordo.

Que memórias partilhas deste canal?