O que estamos a ver – 06 de Fevereiro de 2022

Conversa Otaku #170

De uma forma resumida falamos um pouco sobre o que vimos e deixamos o convite para em baixo nos comentários dizerem o que viram e jogaram na última semana.

Bruno Reis

Kimetsu no Yaiba – Entertainment District Arc

O combate entre demónios e guardiões da noite prossegue. O mesmo atinge desenvolvimentos inesperados quando literalmente “soltaram o javaliiiiiiiiiii” e o mesmo com o seu jeito de ser, o seu engenho selvagem, e ajuda dos seus colegas consegue o feito de ser o primeiro guerreiro (não Hashira) a literalmente serrar a competição. Adoro quando um autor toma rumos inesperados na história e transporta-a para velejar em águas que jamais julgaríamos que ver navegadas. Contudo, esta felicidade é abalada com outra possível grande perda. Além desta luta, a primeira parte debruçou-se no passado de Usui e na relação com as suas meninas. De salientar que a personagem principal volta a usar as  primeiras técnicas, uma lufada de ar fresco neste tipo de obras porque os protagonistas tendem a desenvolver amnésia e esquecem-se do que aprenderam.

Attack on Titan: The Final Season 

Se este segundo “cour” de Attack on Titan retirava moldes da explosiva segunda parte da terceira temporada, este episódio certamente nos transportou para as calmas, mas intensas revelações da sua primeira. Os irmãos Yeager -através da capacidade do irmão mais novo- viajam até diversos estágios da vida do seu pai, e Eren revela a dura verdade ao seu irmão. Eren em posse de um conhecimento proibido promete destruir qualquer oposição. Preparem-se porque o “rumbling” caminha em direção para o final deste caótico e belo mundo.

Sabikui Bisco

Milo tenta ambientar-se à sua nova vida treinando o caranguejo gigante aliado de Bisco. Pelo caminho a dupla conhece a misteriosa jovem que anteriormente usou uma máscara de coelho e vê cada oportunidade para enriquecer um pouco mais.

Hakozume – Kouban Joshi no Gyakushuu

As “PSPzitas” dedicam novamente mais um episódio onde assuntos sérios são polvilhados com muita comédia. Enquanto numa aventura descobrem que um carro da polícia pode oferecer paz ou terror a que o avista, na outra são confrontadas por um assediador de meninas no metro que viaja até à esquadra para descobrir na pele -literalmente- o mal que causou à sua vítima através dos encantos de um sensual agente judicial.

Orient

Tsugumi enfrenta o seu pai, conquista a sua coragem, o coração dos habitantes da aldeia, e por fim obtém a sua liberdade.

Ousama Ranking

Alguém que telefone à Square Enix, porque além de aproveitarem a minha referência a um dos monstros de Dragon Quest, até se debruçaram a contar uma história semelhante de um dos seus spin-offs. Aparte deste momento e da enorme bravura do Bojji, o Rei do Submundo retira as suas tropas e torna-se um possível aliado do futuro Rei. Na vila um grande mal desperta.

Fantasy Bishoujo Juniku Ojisan to

Estou a acompanhar esta série desde o início, mas sabendo que teríamos um Kirito (do mais descarado) estive a aguardar até que fosse introduzido na história. Deem as boas-vindas ao Schwartz von Lichtenstein Lohengramm (nem imaginam o horror que foi escrever este nome), o herói do sítio. Tal como os melhores amigos foi também invocado pela Deusa. Schwartz, é muito possivelmente a cópia mais descarada do Kirito de sempre, também se intitula espadachim negro, julga-se “OP”, e usa os mesmos ataques -inclusive as mesmas poses- a espada e o fato também estão a passos a de uma lawsuit pela Dengenki Bunko.

Dragon Quest: The Adventure of Dai (2020)

Quem segue estes pedaços de leitura semanais, certamente que sabe que sou um fiel seguidor e fã das aventuras dos discípulos de Avan. Contudo, também sou justo quando o que adoro não corresponde. Sinceramente acho desnecessário nesta fase ressuscitar personagens com histórias conclusivas. Além de retirarem um dos melhores fechos para um vilão, também sinto que criam “filler” e “padding” para o final da história. Embora compreenda os motivos, não concordo com as ações do autor.  Destaque para as incríveis cenas de combate, onde o “CGI” felizmente ficou nos campos de batalha abaixo.

Sono Bisque Doll wa Koi wo Suru

O nosso artesão e a sua amiga -que está nas nuvens por ser finalmente a Shizuku-tan- viajam até ao primeiro evento de cosplayers. Por desejar ser demasiado a sua personagem a nossa amiga arranja problemas e literalmente o corpo é que paga. A produção levou mesmo à séria quando a Marin indicou que a Shizuku era uma personagem de um Eroge.

Shenmue: The Animation

A adaptação animada de um dos jogos mais influentes -e caros- da história por fim começou. Admito que esta é uma obra que nunca esperaria ver animada, e para um primeiro episódio não desapontou. O mesmo abriu de uma forma bem diferente da que acompanhamos no saudoso ano de 1999. Partilhamos os eventos do episódio entre a competição numa prova de Caraté de Ryo da sua escola, e a relação com a sua colega Harasaki. Evidentemente o confronto entre Lan Di e o seu pai encontra-se intacto, na verdade, até a usaram as mesmas frases. Contudo, como o primeiro jogo é um situar de mecânicas e de exploração, os eventos do mesmo foram em grande parte amalgamados neste primeiro episódio, omitindo alguns pontos-chave de exploração, e já deu para perceber que vão animar todos os jogos disponíveis no mercado, visto que no final pudemos assistir à aldeia de Shenhua no horizonte. A arte e animação também pareceram-me estranhas, especialmente nas personagens femininas.

Sem surpresas no campo dos videojogos divido as minhas atenções entre uma análise de um jogo que ainda não vos posso revelar, e Final Fantasy VII Remake Intergrade para o PC. Respeitante a este último foco as atenções na “playthrough” em “Hard” e neste momento encontro-me às portas do megalómano edifício da Shinra tendo colecionado todos os manuscritos até ao momento, necessários para desbloquear as habilidades suplementares das armas, fiz o mesmo na PlayStation 4 farei o mesmo no PC. Ao terminar esta run, vou colecionar os vestidos que faltam, e mergulhar no (ainda) desconhecido “Episode Intermission” para descobrir mais acerca desta versão moderna da Yuffie.

Helder Archer

Kimetsu no Yaiba – Entertainment District Arc

Mas que final de episódio foi este… mal posso esperar pelo próximo. As coisas não terminaram da melhor maneira para os nossos demon slayers!!!

Attack on Titan: The Final Season 

Viajamos ao passado dos irmãos Yeager num episódio calmo, mas cheio de referências e a história claramente começa a aproximar-se do seu final.

Ousama Ranking

Os mais recentes 4 episódios, o que ficou, finalmente vimos como morreu a mãe do nosso pequeno príncipe, reencontros e muita choradeira à mistura.

Platinum End

6 episódios mais recentes. Quando pensava que não podia piorar, eis que temos um protagonista criança, como eu detesto crianças como protagonistas em animes e live-action. Aquele anime que não dou Drop porque já investi tempo demais para o deixar a meio

Felipe Soares

Kimetsu no Yaiba – Entertainment District Arc

Gostei como o episódio foi conduzido em questão de produção. A animação continua surpreendente e a edição bastante dinâmica. Achei interessante o conceito das lutas de duplas contra os irmãos Oni e a ideia de mostra um momento de desbalanceado em que os caçadores conseguem tomar a frente na disputa ao mesmo tempo que o outro inimigo executa um ataque de área extremamente forte. Isso acaba sendo algo bem clichê, mas que acaba sendo algo até que suprimido pela boa qualidade da produção.

Dragon Quest: The Adventure of Dai (2020)

Depois de trabalhar os protagonistas em um mini arco de desenvolvimento antes da luta final, acho que o episódio recente da série foi uma introdução antes de mostrar esta evolução deles. Hadlar é outro personagem que já não tem o que ser desenvolvido e nada mais justo que o término de sua história ocorra em batalha com Dai. Gosto como está ocorrendo o andamento dos acontecimentos desta parte final do anime, principalmente por estar sendo feito de uma forma que está bastante dinâmica. 

Kamen Rider Revice

A série comemorativa pelos 50 anos da franquia Kamen Rider é algo que conseguiu me surpreender muito. A história da série é algo bem diferente e aborda de forma emocionante e divertida o conceito do demônio interior das pessoas. Essa abordagem ocorre de uma forma muito natural, mostrando através de diversas situações em que as pessoas perdem o controle ao deixarem seu sentimentos ruins saírem e afetarem diretamente outras pessoas.

Diferente das séries comemorativas anteriores da franquia Kamen Rider (Decade e Zi-O), em Revice vemos as referências as outras séries da franquia sendo utilizadas apenas como itens visuais nas formas dos Riders. Isso acabou sendo um fator muito positivo, já que a série não depende de 50 anos de conteúdo para conseguir ter sua própria história Kamen Rider.

Outro ponto bastante positivo para a série é seu elenco. O elenco de Revice é muito carismático, principalmente Vice, o demónio de sentimentos que habita o protagonista da série e que consegue ser extremamente engraçado apenas por ações corporais, uma interpretação de voz muito bem feita e muitas quebras de quarta parede.

Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt em 2020, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal até à sua atualidade, devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.
Subscreve
Notify of
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
View all comments
Eduardo Beja
Eduardo Beja
7 , Fevereiro , 2022 18:46

O Bruno ainda tá a dever o ‘Call me Tonight’…enfim…
#FAKE