Entrevista ao diretor de The Rising of the Shield Hero

Diretor de The Rising of the Shield Hero fala sobre o anime e fatos interessantes da sua adaptação.

Entrevista ao diretor de The Rising of the Shield HeroEntrevista ao diretor de The Rising of the Shield Hero

No evento ACen (Anime Central) que decorreu em Chicago nos Estados Unidos, estiveram presentes membros da staff do anime The Rising of the Shield Hero como o seu compositor, Kevin Penkin, e o seu diretor, Takao Abo, entre também outros membros da staff do estúdio Kinema Citrus que esteve presente em peso com o seu CEO Muneki Ogasawara, o diretor de Revue Starlight, Tomohiro Furukawa, e também o seu designer de personagens, Hiroyuki Saita, tal como o diretor de Made in Abyss, Masayuki Kojima.

Nesta entrevista feita pela Cruncyroll o diretor de The Rising of the Shield Hero, Takao Abo, é o protagonista. Ele fala um pouco sobre o inicio da sua carreira, como começou o projeto de Shield Hero, diferenças, vantagens e desvantagens de adaptar uma light novel para anime, a sua relação com a(o) autor(a) da novel original, entre muitos outros fatos interessantes na produção do anime

Nota: Podem também ler as outras entrevistas feitas ao staff do anime e à autora da adaptação da novel para mangá.


Entrevista ao diretor de The Rising of the Shield Hero

The Rising of the Shield Hero ou Tate no Yuusha no Nariagari é originalmente uma web novel lançada em 2012 no website Shōsetsuka ni Narō, por Aneko Yusagi (história) e Minami Seira (arte) e posteriormente lançada como novel a partir de 2013 pela Media Factory. Foram lançados 21 volumes até ao momento.

O seu mangá é serializado desde 2014 na revista Monthly Comic Flapper por Aiya Kyu que ilustra e adapta a história de Aneko Yusagi. Foram lançados 13 volumes até ao momento. A obra no Japão conta já com mais de 6.2 milhões de cópias, contanto com ambos novel e mangá).


Entrevista ao diretor de The Rising of the Shield Hero

Poderia nos falar um pouco sobre a sua carreira? Como começou a trabalhar na indústria de animes?

Como estudante, no ensino médio eu ingressei em uma escola de artes e desenho, e eu realmente queria trabalhar para desenvolver essas habilidades, mas perto de mim não havia muitas oportunidades. Então, eu acabei por ir para Tóquio e foi assim que entrei na indústria da animação.

 

 

 

Como The Rising of the Shield Hero começou a ser considerado para uma adaptação em anime?

Meu primeiro encontro com The Rising of the Shield Hero foi quando o produtor Ogasowara-san apresentou-me a obra, nessa altura já era popular em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos. E então Ogasawara-san abordou-me e disse “nós queremos fazer um anime disto”, então foi aí que começou.

Você poderia explicar o papel de um diretor? Quais os aspetos de uma série de anime em que você é responsável?

Vejamos, com The Rising of the Shield Hero, eu realmente senti que era importante criar esse mundo de fantasia, e isso significa criar esse mundo visualmente, em termos de cores. Kevin Penkin, que fez a música, e que está aqui comigo hoje, também foi parte integrante desse processo. Acho que todos esses elementos foram realmente importantes para criar o mundo de The Rising of the Shield Hero, e é isso que eu penso quando estou no cargo de diretor – ajudando a criar esse mundo.

Bem, você fez um trabalho adorável – o mundo é bastante imersivo e acho que muitos espectadores realmente gostam de passar o tempo neste mundo.

Muito obrigado!

Você trabalhou em adaptações de anime de light novels, visual novels e mangás. Quais são algumas das vantagens e desafios de adaptar light novels especificamente para anime?

Bem, é claro, se você começar com um novel, tudo o que você tem que trabalhar é o texto, e você trabalha a partir do texto e tenta expressa-lo em animação. Mas se tudo o que fizéssemos fosse pegar o texto e transformá-lo em recursos visuais, penso que isso não seria suficiente. Os espectadores querem mais do que isso, então tentar trazer algo novo para o público é algo que é ao mesmo tempo um desafio, mas também uma parte interessante de trazer novels e light novels para o ecrã.

The Rising of the Shield Hero tornou-se em um grande hit nas audiências de língua inglesa. E quanto a esta história, você acha que ressoa com tantas pessoas diferentes tão profundamente?

Recentemente, parece que há muitas novels de fantasia no Japão que estão a ser transformadas em anime, mas eu não acho que há muitas em que os protagonistas realmente fazem seu próprio caminho ao encontrar seu próprio poder. Não há muitos trabalhos desse tipo. Eu acho que é algo que ressoa com os espetadores, assim como a forma como os dois personagens têm seus próprios lados obscuros ou sentimentos dolorosos, mas eles os suprimem e superam, e eles são capazes de sair para o mundo e ir em aventuras. Eu acho que esse é o sentimento forte dos dois personagens – eles deixam uma forte impressão nos espectadores.

Aneko Yusagi, a/o autor(a) das light novels originais, é uma pessoa muito particular. Você trabalha de perto com Yusagi no anime, ou ele(a) fica menos envolvido(a) com o projeto?

Na verdade eu me encontrei com Yusagi apenas uma vez e conversamos detalhadamente sobre esse trabalho. A impressão que tive de falar com ele(a) é que havia quatro pessoas que poderiam se tornar heróis, incluindo Naofumi. Yusagi também enfatizou a importância de liderar com sua própria moralidade e a ideia de que sua própria moralidade poderia potencialmente ter efeitos ou impactos negativos em outras pessoas. Você deveria realmente seguir o que acha que é certo, ou deveria questionar isso? Então eu levei essas ideias comigo e isso foi realmente, penso eu, o gatilho para o núcleo do The Rising of the Shield Hero. Yusagi transmitiu-me esse tema, e então eu tive como base esse mesmo tema na história do anime.

O que os fãs devem esperam da parte final de The Rising of the Shield Hero?

A última metade da série vê Naofumi neste mundo, ainda cheio de raiva e ódio. Mas através de Raphtalia, ele começa a despertar e começa a descobrir o que é significativo e importante na vida. Eu acho que esse contínuo despertar de Naofumi é algo que os fãs devem esperar no segundo cour.

O que obras, seja anime, novels, jogos, filmes ou qualquer outra coisa, o inspirou mais, como diretor?

Eu sou uma espécie de fã do gênero dark hero, e eu sou fã disso há muito tempo. Por exemplo, no anime japonês há Lupin The III – na verdade, na primeira temporada de Lupin The III, a atmosfera é algo de que eu realmente gosto. Em termos de filmes, há o gênero clássico noir do cinema, mas também sou fã do visual e da sensação dos filmes dirigidos por Ridley Scott. Eu sou fã desse tipo obras de heróis sombrios.

Como diretor que trabalha principalmente em anime, quais são as vantagens que você acha em contar uma história através de animação em vez de live-action?

A animação é um meio em que eu tenho mais controle sobre os conceitos de tempo e espaço do que eu teria em um filme live-action, o que é realmente conveniente! Também torna mais fácil transmitir e perceber sentimentos e expressar emoções diretamente, que seriam mais difíceis de expressar em outras mídias.

Mudando um pouco de assunto, qual foi a experiência mais memorável que você teve, trabalhando na indústria de anime?

Minha lembrança mais importante, ou a que eu realmente valorizo…? 2019 é o 30º ano em trabalho nesta indústria, trabalhar em animação agora é mais divertido do que em alguma altura da minha carreira. Inicialmente, comecei a trabalhar sozinho em storyboards e trabalhos como esse, e depois, graças à ajuda e apoio de mais e mais pessoas, foi capaz de realizar esses trabalhos incríveis. Então, realmente, conhecer essas pessoas e agradecer por suas contribuições e seu trabalho duro é a coisa pela qual eu sou mais grato. Quando nos aproximamos do fim de Shield Hero e estamos trabalhando no episódio final, o que é realmente mais memorável ou mais importante para mim é realmente a minha gratidão ao staff e a todos que ajudaram a tornar este projeto uma realidade.

Isso é muito lindo. Já agora, parabéns pelos 30 anos!

Ah, obrigado!

Eu só tenho mais uma pergunta, que é: você tem alguma mensagem que gostaria de transmitir para os fãs ocidentais de The Rising of the Shield Hero?

Então, como eu mencionei no começo, quando nós começamos este projeto, ele já tinha sido lido e já era popular em vários países ao redor do mundo, então eu estava muito nervoso em transformá-lo em um anime, então eu realmente queria criar algo isso é comum a todos e algo que unifica todos nós. Então, um tema que eu tentei começar foi “fazer disso uma história sobre família”, e se os fãs se sentirem comovidos ou se conectarem com essa história, então eu sou muito grato por isso e estou muito feliz, e enquanto nos aproximamos do Fim da história Estou muito agradecido pelo apoio deles e que eles encontram algo com o qual se relacionam na história.