Estúdios Khara, Gainax Kyoto e Gaina respondem à prisão do presidente da Gainax, Maki Tomohiro

O Studio Khara pediu à mídia para pararem de usar Evangelion nas manchetes sobre este crime. O cronograma de lançamento de Evangelion não será afetado por esta notícia.

Hoje noticiámos a prisão de Tomohiro Maki, o presidente do estúdio por este ter tirado fotos a uma menor nua e a indústria anime rapidamente está a responder e a desmarcar-se deste acontecimento.

Os primeiros estúdios a demarcar-se da e do seu presidente foram o Studio Khara, o estúdio dos filmes de Neon Genesis Evangelion presidido por , e os antigos subestúdios da GainaxGaina (anteriormente Fukushima Gainax) e Gainax Kyoto.

Tal como revelamos anteriormente a Polícia Metropolitana de Tóquio prendeu Maki, de 50 anos, por suspeita de “obscenidade semi-forçada” envolvendo uma adolescente que tinha feito um contrato com a Gainax na esperança de se tornar uma atriz de voz de anime.

Maki é acusado de tirar fotos da adolescente nua, como “prática para quando se tornar famosa e as pessoas lhe quiserem tirar fotos” ele também disse à menina “As suas pernas estão inchadas, então eu massajo-as”.


 

O Studio Khara colocou online uma declaração no seu site sobre o incidente, respondendo não apenas às notícias, mas também ao uso de Evangelion como manchete na mídia japonesa em relação ao trabalho da Gainax. Enquanto a Gainax, na década de 1990, sob a direção de Hideaki Anno, criou Neon Genesis Evangelion, todos os funcionários dessa série, assim como os que permaneceram para Gurren Lagann, passaram para outros estúdios de anime ou tornaram-se freelancers. O Studio Khara pediu à mídia que parasse de usar Evangelion nas manchetes sobre o caso criminal envolvendo Maki Tomohiro.

O Studio Khara continuou afirmando que o estúdio, qualquer equipa do estúdio e nenhum dos trabalhos atuais em produção (incluindo Evangelion 3.0 + 1.0) são afiliados do suspeito. O cronograma de lançamento do Evangelion não será afetado por esta notícia. O Studio Khara também disse que o dinheiro que eles emprestaram ao estúdio Gainax ainda está pendente (Estúdio Khara vence processo contra Gainax). O Studio Khara encerrou a declaração desejando o melhor para a vítima e rezou para que “recuperem dos danos o mais rápido possível”.

A Gainax tem uma dívida superior a 1 bilhão de ienes, dos quais 100 milhões são devidos ao Studio Khara que emprestou esse dinheiro em 2014.


 

Já a Gaina (anteriormente Fukushima Gainax), explicou numa declaração no seu site que eles não são afiliados da Gainax após serem comprados pelo Kinoshita Group. Quando eles foram comprados, o estúdio mudou o seu nome para Gaina e abriu um estúdio em Tóquio para produzir anime. Eles não responderão a nenhuma pergunta sobre o incidente e esperam ter o “apoio contínuo dos fãs” enquanto “pretendem tornar-se numa das principais bases de anime do Japão”.


 

A Gainax Kyoto postou um tweet do diretor-gerente do estúdio, Yasuhiro Takeda, que foi um dos co-fundadores originais da Gainax depois da Daicon III, explicando que ambas as empresas são completamente separadas e não há “nenhuma relação de capital” entre os estúdios.