We Never – ep. 01 e 02: Sobredotadas mal encaminhadas…

Spoilers Alert!!

Com o começo de uma nova temporada chegam novos animes parecerem comentados aqui no OtakuPT e, desta vez, irei comentar We Never Learn (Bokutachi wa Benkyou Dekinai) uma das obra da Weekly Shonen Jump que estrearam neste temporada.

Lembrando que só nesta temporada estão a ser exibidas três adaptações para série anime de obras que são publicadas na Jump sendo elas We Never Learn, que irei comentar semanalmente, Kimetsu no Yaiba que também está ser comentado aqui no site (podem ver aqui) e Jimoto Ga Japan que será uma das séries animes que deve passar ao lado de muita gente, visto que é uma comédia virada para o público japonês, principalmente, público infantil, por isso nem deve ter grande relevância.

Para começar a análise dos primeiros dois episódios de We Never Learn podemos falar um pouco sobre a opening que, por mais simples que pareça, apresenta partes bastante interessantes em termos de animação.

Mesmo que a música não se destaque tanto, salta à vista o quão bem animadas estão certas cenas que a principio parecem simples mas que, numa série animada, não são tão fáceis de executar, tais como, limpar o lixo da borracha, clicar no porta-minas, etc… Por isso tenho que dar os meus parabéns ao animador responsável pela opening We Never Learn que conseguiu fazer um ótimo trabalho.

Prosseguindo agora para o que realmente interessa, os primeiros dois episódios de Bokutachi wa Benkyou Dekinai.

We Never Learn começou de uma forma bastante positiva, aproveitando o seu primeiro episódio para introduzir os personagens principais desta obra, dando-nos a conhecer o problema de cada uma das personagens femininas que necessitam da ajuda do protagonista para poderem entrar na universidade que tanto desejam.

Por mais que esta premissa parece um pouco “clichê”, o protagonista que ajuda algumas garotas a conseguirem melhores classificações na escola (talvez vos lembre Go-toubun no Hanayome), o maior diferencial nesta obra, e que me deixou curioso quando decidi assistir este anime, foi o facto destas personagens serem sobredotadas, ou seja, têm uma facilidade enorme numa determinada area, contudo, como tencionam seguir uma area completamente diferente daquela em que se sentem mais à vontade, necessitam da ajuda de Yuiga, um rapaz que se esforça muito para conseguir alcançar bons resultados na escola, para poderem melhorar nas disciplinas em que não se saiem tão bem.

Em relação às heroínas desta história, ainda não consegui criar simpatia por nenhuma em especifico, dado que em apenas dois episódios não dá para desenvolver muita coisa sobre cada uma das garotas. Contudo, a rapariga que pratica natação, Uruka Takemoto, foi a que mais se destacou de entre as três “aprendizes” do protagonista, principalmente, porque foi a que teve maior tempo de tela, mesmo que só tenha aparecido no segundo episódio.

Das outras duas personagens femininas ainda não tenho uma opinião formada, a Furuhashi, ainda não teve destaque quase nenhum e, por mais que o seu design seja bastante bonito (segundo mais bonito da obra), ainda não conhecemos muito sobre esta personagem. A Ogata pareceu me uma personagem simpática, mesmo com o seu jeito meio tsundere, que sinceramente não me agrada tanto, mas não chega nem perto de me incomodar.

Para além das “heroinas”, o protagonista também me pareceu simpático, não é propriamente um personagem dotado de carisma, contudo a interação com as restantes personagens conseguiu melhorar um pouco a minha opinião sobre ele.

Não sei se melhora com o tempo, visto que eu li apenas os primeiros capítulos do manga, mas no material original o Yuiga pareceu-me bastante mais antipático e sem graça. Não sei exatamente a razão ou até se fui o único que achei isso, mas já é um ponto a favor da série anime.

Como ainda não existe grande coisa a falar sobre estes primeiros episódios de We Never Learn podemos seguir para a pequena comparação com o material original que já é habito fazer no final de cada review.

Para começar, logo no primeiro episódio do anime de We Never Learn, onde foram adaptados os dois primeiros capítulos do manga, foram feitos alguns cortes e algumas alterações no material original de forma a conseguir aprensentar os personagens principais da melhor forma possivel e, de seguida, desenvolver um pouco cada um deles de modo que o público comece a criar afinidade com a obra.

No manga esta introdução ocupa os primeiros dois capítulos, que são ambos maiores que o normal e, por isso, senti que no anime conseguiram “compactar” e organizar os pontos mais importantes de modo a tornar tudo muito mais dinâmico.

No segundo episódio voltamos a ter algumas alterações em relação ao material original, sendo que foram adaptados os capítulos 4,6 e 7. Por mais que pareça estranho saltarem assim dois capítulos, numa serie de comédia onde os capítulos apresentam, normalmente, histórias quase separada (mesmo que tenham todas ligação entre si), alguns capítulos podem ser cortados se o diretor assim o quiser. Mesmo assim, espero que estes capítulos não tenham sido totalmente “cortado” da adaptação, visto que davam um pouco de destaque para a Furuhashi e eu gostava de conhecer um pouco mais sobre esta personagem.

No geral We Never Learn teve uma boa estreia, parece, acima de tudo ser uma obra divertida que nos irá surpreender ao longo desta temporada (espero eu). Nos próximo episódios devem ser apresentadas as restantes garotas que fazem parte desta história, principalmente a professora que já deu a cara algumas vezes e que é, sem sombra de dúvidas a personagem que mais me despertou curiosidade.

 

 

Algumas cenas interessantes:

A professora é, sem duvida, a personagem com um design mais bonito!
Tsundere…
Fofa…
Esforço vs Talento é sempre uma discussão muito interessante
Não me cortem os capítulos da Fumino…
Ela parece demasiado convencida para alguém que é horrivel nesse jogo…

 

Divertida…
Ela sente-se orgulhosa?
A Takemoto é bué divertida!