Yesterday o Utatte: Episódio 12 & Hashin-ban – Desentendimentos

Artigo por Jonh Vini.

Como seria bom se Yesterday tivesse 18 episódios de fato, este final seria perfeitamente encaixado, obviamente com mais episódios o diretor poderia criar uma narrativa para encaixar este final “anticlimático” que foi este último e claro que depois de assistir o episódio final fui correndo para ver o especial, falando deles não há muito para acrescentar no anime além de alguns minutos de episódios específicos(os quatro primeiros e o episódio 9 e 12) que ajuda a entender alguns pontos aberto na exibição normal, ou até mesmo adicionar como foi este último pois depois de assisti-lo conseguir centrar meus pensamentos sobre o último episódio.

Fico feliz que eles continuaram a ser amigos.
Fico feliz que eles continuaram a ser amigos.

Yesterday o Utatte não é um anime sobre romance, mas sim um anime sobre relacionamentos, nem sempre a paixão que sentimos por uma pessoa pode ocasionar um relacionamento romântico e assim como foi o episódio do Minato, algo que esperava acontecer não aconteceu.

Eita.
Eita.

Sim, eu “torcia” pela Shinako justamente pela enorme simpatia que eu sentia pelo Rikuo, uma simpatia cega que impedia de ver os erros dele, pelo menos a gravidade deles, mas tanto o Rikuo quanto a Shinako erraram, muito porque eles possuem medos e acharam que um relacionamento entre os dois poderiam quebrar esta fobia que eles alimentavam sobre relacionamentos românticos, principalmente a Shinako o que me deixou indignado sobre o final dela com Rou, pois parece que os valores se inverteram do primeiro para o último, pois quando o Rou apareceu falando que queria manter um relacionamento com ela por causa do irmão, mas agora é ela quer isso, se não soubesse, através de spoilers do mangá, que houve acontecimentos cortados para adaptação tal ato poderia facilmente estragar a minha experiência com a obra e até mesmo cometer uma injustiça de taxá-la como ruim para péssimo.

É rapaz fomos enganados pela felicidade.
É rapaz fomos enganados pela felicidade.

Se tal acontecimento tivesse sido adaptado da obra a declaração do Rikuo para a Haru não ficaria tão deslocada, ou receber uma nota tão baixa, foi bem complicado apenas aceitar tal desfecho na primeira vez, muito porque o diretor mostrava que um relacionamento entre os dois parecia inviável, mas depois de tomar o spoiler e ver o especial final ficou um pouco mais saciável este encerramento que ficou abrupto em relação ao resto da obra, o que gerou minha indignação inicial, tal final não é ruim, na verdade se comparamos com outros animes da temporada ele ganha fácil em aspectos técnicos e vera-semelhança com o material original, mas só ficou deslocado pela progressão da série até ele, pelo menos para pessoas como eu que só acompanharam o anime.

Serio que é só isso?
Serio que é só isso?

Enfim para resumir minhas reclamações sobre o final da série é  o fato que o anime não tenha mais episódios para encaixar este final e, lembrando que não li o mangá, que a autora não sabe escrever as paixões de suas personagens, pois se lembrarmos bem a Haru se apaixonou pelo Rikuo apenas por um encontro aleatorio e principalmente a Shinako, pois ela estava sendo desenvolvida para vencer um trauma mas acabou voltando a ele, pois para ela o Rou é apenas uma extensão do seu irmão mais velho.

Mas pelo menos a cara de supressa dela é hilário
Mas pelo menos a cara de supressa dela é hilário

 

Review da série como um todo

Bem para começar a falar de Yesterday tenho de lhe contar que esta série é velha, pelo menos no mangá pois vinha sendo publicado pela Shueisha desde 15 de dezembro de 1997 e já possui mais de 11 volumes, mas fiquem calmos pois com certeza que o anime adaptou tudo, pelo menos o que o diretor quis, mas isso falo depois pois a obra de Toume Kei, uma mangaká com uma grande carreira, já foi encerrada Junho de 2015, falando da autora, Yesterday foi a segunda obra que ganhou animação pois a primeira foi Hitsuji no Uta, mas foi para o Ova, entretanto um fato curioso é que existe um personagem chamado de Kinoshita na obra que era vocalista de uma banda isso por si só já é engraçado pois é o mesmo Kinoshita de Yesterday, possivelmente foi uma referência direta de Hitsuji no Uta por ter sido sua primeira grande obra da carreira da autora; mas enfim a inspiração da obra de fato é na banda RC Succession que a autora curtia cujo no seu repertório possui uma música com o nome do anime.

uma autora Underground
uma autora Underground

Mas enfim vamos falar do diretor pois Fujiwara Yoshiyuki é basicamente o membro fisico da staff do Doga Kobo, ele dirigiu New Game!, Plastic Memories(que eu assisti durante a temporada e chorei), Mikakunin de Shinkoukei e Gj-Bu, fora que escreveu o roteiro da adaptação do Yesterday o que gerou uma percepção em mim que para uma adaptação ficar boa é necessário que o diretor escreva a composição da série, claro que não é uma máxima, mas geralmente quando o diretor pega uma obra que gosta, ou passa a gostar no decorrer da produção a obra fica fantástica como Yesterday é, mesmo com o final destoante.

Um diretor respeitável.
Um diretor respeitável.

Já a adaptação do traço de Toume Kei-sensei e também foi um dos diretores de animação é bastante celebrado pelo seu trabalho pois Taniguchi Junichirou foi diretor de ação de Madoka Magica, e do Magi Record infelizmente, foi além de diretor de animação foi character design de Prison School, Tada-kun, Nozaki-kun, foi apenas chefe de direção de Gosick, bem foi no episódio 4 mas estamos falando de Gosick, mas como a animação não ficou apenas para ele pois Yoshikawa Maho também participou na animação e é estranho pois ela foi chamada pelo estúdio para trabalhar exclusivamente para Yesterday pois trabalhos relevantes dela fora Shounen Maid, Assassins Pride e Mahouka sendo apenas a segunda em character design e foi chefe de animação de episódios específicos, mas não posso reclamar pois os trabalhos dos dois foram fantásticos aqui.

Gente de peso na animação.
Gente de peso na animação.

Por fim temos o diretor de som que possui até um bom currículo pois com Fate/Kaleid, Plastic Memories, Shonen Sample, New Game!, Imouto sae ireba ii, Wotakoi, Senryuu Shoujo, Tada-kun, Senko-san e Azur lane fora outros trabalhos, Tsuchiya Masanori mostra o entrosamento dele com os demais membros da Staff, não tenho muito a criticar pois seu trabalho simples conseguiu compor a atmosfera fria mas aconchegante que o anime passou durante os 12 episódios da série.

Pau para toda obra.
Pau para toda obra.

 

Ending (pois só tem eles)

É rapaziada Yesterday não possui tema de abertura por escolha do diretor para termos mais tempo de tela para conseguir contar a história, mas diferente dos animes que seguem a estrutura de seasons, os tradicionais 12 episódios por temporada que geralmente possui uma abertura e encerramento, Yesterday possui três encerramentos que servem muito bem para situar os atos da obra começando com a introdução, Kago no Naka ni Tori (籠の中に鳥/Passaro dentro da gaiola) do yourness desde o primeiro momento que a ouvir me passou um sentimento melancolia, tristeza, uma vontade de chorar pela solidão da vida, mas quando a música cresce, combinado com a arte de post-it mostrando as cenas do episódio, dar uma vontade de romper com status quo da situação para buscar a ternura de um relacionamento causa, óbvio que esta música vai ficar bastante marcada como tema do anime, mas ela não foi a única.

Pois termos Aoibashi(葵橋/a ponte em uma tradução livre) da Sayuri, já venho falando que sou um fã em potencial dela pelo fato da sua voz jovial que para este encerramento funcionou perfeitamente pois, para infelicidade de alguns, nos deu um suposto spoiler sobre o final da obra mesmo sendo a construção para o clímax, com uma animação em 8-bits que nos fez imaginar que o futuro da série poderia ter sido outro, agora espero que a produção façam um jogo sobre este segmento pois os gráficos já estão prontos e a tela de Game over também.

Por fim termos o terceiro encerramento que pasmem, foi a música que inspirou a Toume Kei-sensei a produzir esta obra, Yesterday o Utatte (ウエツダイを歌って, Cante me Yesterday) cujo seu nome internacional é Singin’Yesterday, talvez na hora de comprar a licença a Crunchyroll teve de trocar o nome para não dá problema, mas enfim Yesterday o Utatte é da RC Succession, pelo menos a letra pois a música do encerramento foi retrabalhada para a obra, o que deixa tudo mais cômico é que RC Succession é uma das bandas mais antigas do Japão, tão antiga que quando o grupo se desmanchou era praticamente o fim da União soviética e esta música em especial foi lançado no ano que a autora nasceu e, a partir daqui é suposição, provavelmente ela gostou da banda e consequentemente da música através dos seus familiares próximos, mas deixando suposições de lado tenho de dizer que dos três encerramentos essa me lembra bastante uma abertura pela batida animada, a arte bonita mostrando os personagens da série e mais importante o significado que essa música tem para obra de maneira geral, pois sem ela não teríamos nosso próprio Yesterday.

 

Os Dubladores e os dublados

Indo para o diamante da série, sei que serei repetitivo pois sem os personagens não temos anime, mas aqui em Yesterday eles são tão orgânicos que fica difícil odiá-los, desde da própria Shinako com seu medo do novo até mesmo o Rou agindo como um adolescente, a Haru sendo tão invasiva e até mesmo ao Rikuo com seu jeito seco que é engraçado pois não gosto de personagens secos, pelo menos sem motivos aparentes, mas eu simpatizei tanto com o Rikuo que fica difícil reclamar de um personagem tantos defeitos quanto o Uozumi é, sua naturalidade, assim com os demais personagens, premiou a obra com dilemas e conflitos naturais e verossímeis que nos fez torcer e vibrar, ou até mesmo chorar e passar raiva nas suas cenas e diálogos envolventes. Bem falando dos personagens é um tanto complicado adicionar mais o que eu tenha falado através das reviews durante as semanas, mas Rikuo e Shinako foram feitos um para o outro, pelo menos nos últimos episódio antecedendo o final, enquanto ele tem medo das pessoas pelo fato da imprevisibilidade delas, ela tem medo de criar novos laços amorosos para não perder as raízes do passado; partindo para os dubladores termos nomes bastante pesados para personagens bastante densos como Rikuo e Shinako, para ele temos o camaleão vocal como Kobayashi Chikahiro(Sugimoto Saichi de Golden Kamuy, Legochi de Beastars e Ranga de Slime) fez um ótimo trabalho dando voz para uma pessoa de baixa estima como Rikuo, já ela é dublada por Hanazawa Kana(Kawamoto Hinata de 3-Gatsu no lion, Yuuki Mikan de To love Ru, Shiina Mayushii de Steins;Gates, glóbulo vermelho AE3803 de Hataraku Saibou, Miyano Mayo de B Gata H Kei, Hasegawa Kobato de Boku wa Tomodachi ga Sukunai, Raphiel de Gabriel Dropout e Sengoku Nadeko de Monogatari series) para a Shinako que foi estranho pensar a Shinako parece, pelo menos no seu primeiro design, com Mayushii.

Os perdidos.
Os perdidos.

Já os seus corvos, sim eu chamo tanto a Haru quanto o Rou de corvos justamente por quererem a felicidade própria com outras pessoas, mesmo que essas não querem nada com eles, o caso mais grave é do Rou que ainda por cima vive preso ao passado o impedindo de progredir e que a Shinako progride, pena ela aceitou o fantasma do passado, entretanto o que me surpreendeu mesmo foi a Haru, primeiramente tenho de falar que gosto de garotas pró-ativas no mundo dos animes, tanto que gosto da Haru só não “torci” para ela por causa do curso da história que para mim surpreendeu pois pensava que ela possuía pouca instabilidade mental para agir em uma personalidade alegre, mas a obra mostrou que não esse era o jeito dela que é altamente apaixonante, com Minato a provar isso, mas o curso da obra mostra que a “dona” do coração do Rikuo era a Shinako, ou como o diretor passou nestes últimos episódios, não porque a Haru possui falhas escancaradas, mas pelas falhas da Shinako que o Rikuo tenta entender fez com que ela, num primeiro momento, fosse um caminho errado, ou assim eu pensava durante os episódios; falando dos dubladores terei de cometer um pleonasmo pois os dubladores dos dois são bons com o Rou sendo interpretado pelo Hanae Natsuki(Kamado Tanjirou de Kimetsu no Yaiba, Kaneki Ken de Tokyo Ghoul, Kaizuka Inaho de Aldnoah.Zero, Sieg de Fate/Series e Takumi Aldini de Shokugeki no Souma) enquanto a Haru é interpretada pela Minamoto Yume(Takahashi Rikka de SSSS.Gridman, Hitori Hino de Murenase! Seton Gakuen e Kaeru de Id:Invaded) que mesmo com poucos papéis foram bastantes competentes, competentes o bastante para qualificá-la para atuação da nossa corvo fêmea.

Faz 84 anos.
Faz 84 anos.

Indo por os personagens que  só  aparece num único episódio, mas foram destaque nele por serem uma mistura e uma dicotomia dos protagonistas, sinceramente tanto o Minato quanto a Chika são junções e as diferenças de Rikuo com Rou e a Shinako com a Haru respectivamente, começando com ele, o especificando o episódio dele é um exemplo de como o diretor conseguiu compactar bem o mangá para estrutura de season que estamos acostumados, pois fomos apresentados a ele, descobrimos seu peso da obra e ainda nos despedimos dele tudo num único episódio, é algo complicado fazer o que o Fujiwara fez com tamanha maestria como foi para Minato e a Chika; indo para o dublador temos Yuuki Ono(Furuzora Kogarashi de Yuragi-sou no Yuuna, Izami Aldini de Shokugeki no Souma, Inuzuma Romeu Kishuku Gakkou no Juliet, Taiga Kagami de Kuroko no Basket, Higashikata Josuke de Jojo parte 4 e o Shogun de Gintama) que realmente incorporou o Minato durante sua interpretação.

Em busca de paz.
Em busca de paz.

Falando da Chika em si enquanto o Minato significava o presente do Rikuo ela representa um passado para ele e uma antítese para Shinako quanto para a Haru, pois sua maneira pelintra destoa da formalidade da Shinako enquanto sua experiência mostra uma qualificação maior em relação da Haru, fora que aquela cena no episódio dela não me sai da cabeça, mas uma coisa é claro que assim como o Minato ela saiu dando uma lição aos protagonistas e sendo ensinada por eles para seguir o rumo da vida; fato engraçado fica com Kitamura Eri (Kamiki Izumo de Ao no Exorcist, Cana Alberona de Fairy Tail, Yui de Angel Beats, Miki Sayaka de Madoka, Kawashima Yui  de Toradora!, Mina Ashido de Boku no hero e Araragi Karen de Monogatari series) que estava fantástica dublando a Chika, com uma suavidade que remete a um tom cômico presente no episódio.

Em busca de um rumo.
Em busca de um rumo.

Indo para a referência da série temos que concordar que sem Kinoshita não teríamos o anime, principalmente aos fãs da Haru pois se não fosse dele o primeiro pontapé no Rikuo talvez nem tivéssemos todo um desenvolvimento que a série apresentou; para vocalizado temos Suzuki Tatsuhisa(Sakamoto Yuki de Baka to Test, Tachibana Makoto de Free!, Hiroomi Nase de Kyoukai no Kanata, Ban de Nanatsu no Taizai e Yoshida Haru de Tonari no Kaibutsu-kun) não trabalhou tanto aqui e nem atuou como o Kinoshita em Hitsuji no Uta, mas na sua pouca participação diminuta foi bastante marcante, principalmente pela comédia.

o que toca um f#d@-se
o que toca um f#d@-se

Bem enquanto o Kinoshita foi um farol para a Haru, Sayama Kyouko, ou a chefa da Haru, foi o porto seguro dela pois ela foi uma amiga ouvindo todas as reclamações dela durante a série e depois daquele episódio 10  mostrou uma ligação enorme da Haru com ela; mas o real motivo que coloquei ela aqui pois sua dubladora é nada mais, nada menos que Sakamoto Maaya(Mari do Rebuild of Evangelion, Oshino Shinobu de Monogatari, Ciel de Kuroshitsuji, Lunamaria Hawke de Gundam SEED, Merlin de Nanatsu no Taizai, Pandora de Cavaleiros do Zodíaco, Ryogo Shiki de Kara no Kyoukai e Crona de Soul Eater) que aqui foi um trabalho decente dela.

 Querida Chefinha.
Querida Chefinha.

Indo para os portos seguros da série enquanto a Haru tem sua chefa, o Rikuo e a Shinako tem seus amigos e bem enquanto Fukuda Takamori, vulgo amigo casado, ajuda nosso herói a começar uma nova aventura romântica, já que ele conseguiu chegar na sua dama, enquanto Morita tenta quebrar a parede romântica que  a Shinako construiu durante os anos; partindo para os dubladores, que não trabalharam muito, temos Terashima Takuma(Aoki Yoshifumi de Kokoro Connect, Shiroe de Log Horizon, Shirota Mahiru de Servamp, Apollo de Sousei no Aquarion e Saijou Leonhart de Mahouka) para o amigo casado enquanto a Morita foi dublada por Nazuka Kaori(Kotegawa Yui de To Love-Ru faz parte de sua carreira profissional além de Mt.lady e Garota Invisível de Boku no Hero, Nunnally Lamperouge de Code Geass, Miyu Edelfelt de Fate Series, Eureka de Eureka Seven, Miyauchi Kazuho de Non Non Biyori e Lynette Bishop de Strike Witches).

Os que ouvem o choro no final
Os que ouvem o choro no final

 

Considerações Pessoais

Primeiramente tenho de tirar um elefante da sala pois Yesterday merece um 9 como nota, não é um anime perfeito, possui suas falhas dentre elas a colocação deste episódio final, mas seus acertos os superam fazendo desse anime uma obra marcante para temporada, para o ano e até mesmo para Doga Kobo pois esse anime mostra que este estúdio é capaz de muito mais coisa além dos seus típicos animes moes.

É verdade temos ele
É verdade temos ele

Yesterday o Utatte não é um simples anime de romance, mas um anime sobre relacionamentos, os personagens são tão orgânicos que parece que estamos vendo pessoas sendo animadas nos nossos olhos, o que ando vendo nos comentários é uma “demonificação” da Shinako em relação a Haru, não vos culpo já que a Haru é bastante cativante e o que ocorreu com ela é triste, mas vocês lembram do episódio do Minato, lá ficou bem claro que nem sempre uma paixão acaba em um relacionamento amoroso, como disse os personagens são orgânicos o suficiente para considerarmos humanos e como humanos eles possuem falhas, até mesmo a Haru não foge disso, a Shinako também, o Rikuo principalmente pois temos um enfoque grande dele na obra para evidenciá-los, principalmente no episódio da Minato e nem quero citar o Rou já que os erros dele condiciona os erros da Shinako que buscava fugir do fantasma do passado, pena que não ocorreu, mas os personagens da obra possuem falhas e não podem serem demonizados pelo destino que o diretor quis escrever para eles, mas pelos conhecimentos que temos sobre eles.

Sempre irei rir desta imagem.
Sempre irei rir desta imagem.

Mas é engraçado ver este sentimento de vocês pois mostra como a obra conseguiu lhe cativar, isso é incrível pois não pensava que o anime iria fazer tamanho sucesso que está há fazer, quando assistir o primeiro episódio de Yesterday o Utatte não esperava que ele iria alcançar tanto as pessoas, principalmente porque ele estava numa temporada com 40 animes com alguns títulos relevantes, mas devido a pandemia de Covid-19 e o adiamento de muitas obras deixou Yesterday como uma das poucas obras que já tinha sua produção terminada, ou bem adiantada, que estava em exibição, fugindo de uma produção em cima da hora como sempre vemos durante os animes da temporada, muito pelo desejo da Staff de produzir a obra que eles amam, principalmente Fujiwara Yoshiyuki  que é um grande fã do mangá original, com uma produção desde o final de 2018 fica fácil produzir algo tão detalhado como foi a animação de Yesterday, mas minha única reclamação, que sei que é pleonasmo, é justamente a quantidade de episódios que a série possui que fez algo bizarro com este final que ficou bem destoando pelos 11 primeiros episódios, pelo menos no sentido da narrativa.

Parece que estamos vendo um filme animado.
Parece que estamos vendo um filme animado.

Esta obra irá ficar no meu coração pois é o primeiro anime mais “pesado” que comento aqui e tirando Fate, ele me deu gosto de comentar, não por raiva mas sim alívio, alívio de ver uma obra que trabalha com seus personagens de maneira natural e não necessita-los como conceito e sim apenas com peões de sua narrativa, simpatizei logo nos primeiro minutos com Rikuo pelo fato de não ser algo imaginativo de um personagem com problema x e resolução Y, mas sim um personagem x que se desenvolve como XY para que no final se torne algo melhor que ele é sem perder sua autenticidade, por isso que no primeiro momento me lembrou bastante Satou de NHK ni Youkoso, com um problema enorme mas sem motivação para resolvê-la e no decorrer dos episódios esta sensação meio que foi diminuindo pois o Satou é basicamente o Rikuo do episódio um durante grande parte da sua série, mas Rikuo difere-se dele, no primeiro momento justamente por não ser um Hikikomori, mas por aceitar ajuda para mudar rapidamente que por si só faz-se uma marca do personagem, principalmente em dicotomia com a Shinako, mas os dois compartilham minha empatia pois muitos dos meus problemas são representados neles, o que faz NHK ni Youkoso e Yesterday o Utatte animes que irão ficar marcados para mim.

A vida é um porre.
A vida é um porre.

Basicamente era isso que eu tinha para fala sobre o último episódio do canto do corvo, aqui é Jonh Vini e essa foi minha review desta série, estou à espera dos vossos Feedbacks do episódio e da temporada como um todo, também espero Feedbacks da review para melhorar minha escrita para vocês, não se afobem pois arrependimento mata, vamos discutir pacificamente é saudável e enriquece a vida e até mais.

Sempre é bom ver o protagonista salvar a história no último segundo.
Sempre é bom ver o protagonista salvar a história no último segundo.