China desacelerou a aprovação de novos videojogos

O governo chinês ordenou que as empresas de videojogos removessem dos seus jogos o que as autoridades descreveram como um "conjunto errado de valores", incluindo o "culto ao dinheiro" e o "amor homossexual".

China desacelerou a aprovação de novos videojogos

Segundo o South China Morning Post os reguladores chineses desaceleraram temporariamente a aprovação de novos videojogos online no país, prejudicando ainda mais as empresas de videojogos como as gigantes do setor Tencent Holdings e NetEase, à medida que o governo adota medidas para reduzir o vício em videojogos.

Esta estratégia surgiu após uma reunião convocada por reguladores, liderados pelo departamento de publicidade do Partido Comunista Chinês e pela Administração Nacional de Imprensa e Publicações, para discutir com representantes da Tencent e NetEase como aplicarão as novas restrições de videojogos.

China anuncia medidas para banir “homens maricas” da televisão

Segundo o jornal as aprovações de novos jogos serão suspensas “por algum tempo” porque a prioridade é “reduzir o número de novos videojogos” e “reduzir o vício em videojogos” no país, que é o maior mercado de videojogos do mundo. A fonte do jornal que não quis ser identificada porque o assunto continua confidencial, também descreveu a aprovação de novos jogos no primeiro semestre deste ano como “muito agressiva”.

A NPPA, responsável pela concessão de licenças de videojogos no país, não divulgou a lista de títulos aprovados para agosto, quebrando a sua rotina de anunciar novos jogos licenciados no meio ou no final de cada mês desde maio de 2019. Normalmente são aprovados 80 -100 jogos por mês, mas o regulador parou de responder às consultas dos consumidores.

Mais de 80 jogos foram retirados na China após restrições

O governo chinês ordenou que as empresas de videojogos removessem dos seus jogos o que as autoridades descreveram como um “conjunto errado de valores”, incluindo o “culto ao dinheiro” e o “amor homossexual”. Também foram lembrados de que não deveriam maximizar os seus lucros com videojogos e que deveriam garantir que os jovens não se tornassem viciados neles.

As ordens imediatas dadas às editoras de videojogos sinalizam a determinação dos reguladores chineses em domar a indústria, segundo os analistas. Isto aumentou a pressão sobre empresas como a Tencent e a NetEase, à medida que a repressão ao setor continua.

FONTESouth China Morning Post
Fundou o OtakuPT em 2007 e desde então já escreveu mais de 40 mil artigos sobre anime, mangá e videojogos.