Estudante preso por ameaçar legislador sobre a lei que estabelece um limite diário de tempo para jogar videojogos

A policia japonesa prendeu um estudante universitário de 21 anos a passada quarta-feira por este ter ameaçado Ichirō Ōyama, um membro da assembleia de Kagawa que esteve envolvido na aprovação da lei que limita da quantidade de tempo que as crianças têm permissão legal para gastar a jogar videojogos.

Segundo as autoridades, o suspeito admitiu que queria que a assembleia de Kagawa revogasse uma recente lei que restringia o tempo de jogo.

A polícia disse que o suspeito, um estudante universitário em Sendai, prefeitura de Miyagi, escreveu uma mensagem no site oficial de Ōyama em abril, ameaçando esfaquear Ōyama com uma faca “repetidamente”, entre outras declarações. A assembleia notificou a polícia da mensagem ameaçadora dois dias após recebê-la. Ōyama foi o presidente do comité da assembleia que redigiu a ordenança.

A lei entrou em vigor a 1 de abril de 2020, após discussões na assembleia e votação. O seu objetivo é combater o vício dos videojogos e marca a primeira vez que um governo local no Japão estabeleceu diretrizes que restringem o uso de videojogos e smartphones.

Além de limitar quanto tempo as crianças podem gastar a jogar por dia, a lei também estabelece um limite para quando as crianças podem jogar. As crianças do ensino médio precisam desligar os videojogos às 22h, enquanto as crianças mais novas precisam de parar de brincar às 21h.

As crianças podem jogar videojogos apenas uma hora por dia durante a semana, e não mais que 90 minutos nos fins-de-semana e feriados.

Embora o município não tenha planos de aplicar penalidades às famílias que não cumpram a lei e solicite que as famílias apliquem regras sob seu próprio critério, a lei atraiu oposição da grande maioria de população e uma mãe e filho chegaram mesmo a colocar uma ação em tribunal contra o município .