Tradutor de Jujutsu Kaisen já anteriormente foi preso no Japão por gravações secretas de estudantes

Tradutor de Jujutsu Kaisen já anteriormente foi preso no Japão por gravações secretas de estudantes

O ano de 2021 começou a chocante notícia de que Stefan Koza (Steady), o tradutor oficial para inglês do mangá Jujutsu Kaisen de Gege Akutami, foi preso por posse e distribuição de pornografia infantil, mas ficamos agora a saber que já anteriormente ele teve problemas com as autoridades japonesas.

Tradutor do mangá Jujutsu Kaisen preso por Pornografia Infantil

O jornal japonês Sankei Shimbun revelou que Koza foi preso a 15 de julho de 2014 na cidade de Kami, Miyagi, sob a suspeita de invadir e fazer gravações secretamente no vestiário feminino de uma escola primária. Koza negou as acusações na época.

Entre o final de março de 2014 e 19 de junho de 2014 por volta das 13h10, Koza supostamente invadiu o vestiário das meninas na escola, colocou uma câmara de vídeo digital e secretamente fez gravações. De acordo com o conselho educacional de Kami, uma aluna do quinto ano da escola encontrou uma caixa de papel preta suspeita dentro do vestiário feminino a 19 de junho de 2014. A caixa tinha um orifício e uma câmara digital dentro.

A escola ou conselho educacional de Kami apresentaram uma queixa criminal à polícia em Kami a 14 de julho de 2014. Koza teria declarado numa reunião de staff na escola que a câmara era dele, mas que ele a tinha perdido à cerca de um mês.

Koza, um cidadão americano de 26 anos quando foi preso no Japão em 2014, tornou-se professor assistente de línguas (ALT) na escola em agosto de 2009. O perfil de Koza no LinkedIn afirma que ele era um ALT no Programa de Intercâmbio e Ensino do Japão numa escola primária não especificada no Japão de agosto de 2009 a julho de 2014.

O Sankei Shimbun noticiou a 2 de outubro de 2014 que a polícia de Kami apresentou acusações contra o diretor e vice-diretor da escola a 1 de outubro daquele ano, sob suspeita de ocultação de provas. Depois da câmara ser descoberta em 19 de junho de 2014, o diretor e o vice-diretor da escola esconderam-na dentro da escola até 14 de julho, dia em que uma queixa criminal foi registada. O diretor e o vice-diretor admitiram as acusações e disseram que estavam a tentar proteger-se.

O diretor e o vice-diretor teriam dito ao conselho de educação da cidade a 11 de julho de 2014 que uma câmara havia sido descoberta, mas eles falsamente alegaram que nenhuma gravação secreta foi feita. No entanto, relatos das gravações espalharam-se entre os alunos e as suas famílias. O diretor e o vice-diretor admitiram que houve gravações, e um relatório criminal foi arquivado a 14 de julho. Depois de registar as acusações contra o diretor e o vice-diretor, o conselho de educação de Kami realizou uma reunião informativa para discutir a situação com os alunos e famílias a 2 de outubro de 2014.

O perfil de Koza no LinkedIn afirma que ele trabalha como tradutor freelance de mangá para a Viz Media desde janeiro de 2018. A lista afirma que o seu trabalho para a Viz Media se concentrou no selo Shonen Jump e ele traduziu mangás como Jujutsu Kaisen, One Piece, Dragon Ball, We Never Learn, Ghost Reaper Girl e Tokyo Shinobi Squad.

Entrevista Exclusiva ao tradutor do mangá Jujutsu Kaisen

Tal como noticiámos recentemente, Stefan Koza (Steady) foi preso no início de dezembro de 2020. Ele terá de responder em tribunal por 5 acusações de posse e distribuição de Pornografia Infantil.