Autora de Gangsta. pede para pararem de piratear o seu mangá

Se não conseguir ganhar dinheiro com Gangsta. vai ter de desistir.

Autora de Gangsta. pede para pararem de piratear o seu mangá

Recentemente as editoras tem feito vários apelos e iniciativas para sensibilizar os leitores sobre os efeitos nefastos para a indústria causados pela pirataria. E recentemente o governo japonês conseguiu mesmo fechar o Mangamura, um site de partilha de mangás que teve até 160 milhões de pessoas por mês a visitar o site.

Recentemente no seu twitter, , a autora de , revelou que as Scanslators (grupos que traduzem e partilham ilegalmente mangá) estão a roubar-lhe o rendimento e a receita publicitária da sua editora. Ela acrescenta ainda que se não conseguir ganhar dinheiro com o seu mangá vai ter de desistir.

Num dos seus tweets podemos ler:

As digitalizações traduzidas / colocadas online por alguém roubam os meus leitores, o meu ordenado e as receitas de publicidade dos editores. Por favor, parem de traduzir / colocar online. (Alguns japoneses também estão a procurar e a ler scan. Realmente dececionante.)

afirmou que, por outro lado, se o seu rendimento melhorasse, ela gostaria de tirar férias com a sua “amada família e assistentes”.

A Shinchosha publicou o 8º volume de a 9 de maio, sendo este o primeiro a ser publicado desde que o mangá entrou em hiato devido a problemas de saúde da autora.

A popularidade de  disparou quando começou a ser exibida nas TVs nipónicas uma adaptação para série anime pelo estúdio de animação  (Samurai Champloo, Michiko & Hatchin, World God Only Knows) e direção de  (Ergo Proxy, Witch Hunter Robin).

Curiosamente  foi o último trabalho da  que logo depois declarou falência afetando assim o lançamento dos volumes DVD / Blu-ray da série anime.

A história desenrola-se à volta de dois homens que aceitam trabalhos quer para a máfia como para a polícia em Ergastulum, uma cidade podre cheia de máfia, criminosos, prostitutas e polícias corruptos.