Dragon Ball Super: Broly - Review

Dragon Ball Super: Broly enfim chegou a território português nesta quinta-feira dia 14 com ambas as versões legendada e dobrada (dublada) em português. Eu tive a oportunidade de ver as duas versões, no final da análise irei fazer um comentário em relação à versão portuguesa do filme.

Este filme mais recente de Dragon Ball teve o dedo de seu criador Akira Toriyama diretamente em seu enredo, em parceria claro, com o seu diretor Tatsuya Nagamine com a produção da Toei animation. Como restante staff também tivemos:

  • Diretor de arte: Kazuo Ogura
  • Design de personagens: Akira Toriyama & Naohiro Shintani
  • Diretor de animação: Naohiro Shintani
  • Diretor de CG: Kai Makino
  • Diretor de fotografia: Yousuke Motoki
  • Música: Norihito Sumitomo

História

Dragon Ball Super: Broly - Review

O enredo do filme começa numa fase introdutória, revelando novamente a forma como o Freezer tomou o poder anteriormente de seu pai Cold e tornou-se lider das forças especiais e novo lider dos super-guerreiros que tinham sido dominados pela força anos antes pelo seu pai. Além do que já sabiamos tanto do irmão do Vegeta e do Son Goku, ficamos a conhecer a mãe de Goku, o que era muito antecipado. O gatilho para o restante do enredo foi a decição que rei Vegeta havia tomado na altura, por medo de que Broly se poderia tornar mais poderoso e perigoso do que seu filho, o principe Vegeta, o enviou para um planeta remoto sem civilização alguma. Posteriormente, o pai de Broly, Paragus jurou vingança ao rei Vegeta, no entanto ao chegar ao tal planeta remoto Vampa para resgatar Broly e encaminhar-se para um planeta seguro, a nave acabou danificada e ambos ficaram presos naquele planeta até ao presente, 40 anos depois.

Não querendo revelar toda a história, vou ser muito breve em relação ao enredo principal, em que mais tarde irei comentar mais a fundo. Tudo começa com dois membros das forças de Freezer que acabam por conseguir roubar as 6 bolas do dragão no laboratório de Bulma e se encontram em busca da sétima bola de cristal. O plano de Freezer era pedir um tal desejo ao dragão e mais tarde invadir a terra para ter a sua tão esperada vingança a Goku. Ao menos era isso que tinha planeado, até que dois de seus recrutas encontram e resgatam Broly e seu pai Paragus, e notando o tamanho de seus poderes os levam para Freezer.

O aparecimento de Broly mudou um pouco os planos de Freezer, agora ele tinha uma “ferramenta” perfeita para destruir Goku e Vegeta, e talvez sem nem sequer “sujar” as suas mãos. A segunda parte do filme é simplesmente um festival de ação com vários estilos de luta e momentos espectaculares.

Nota: 7/10

Arte/Animação

Como disse anteriormente a segunda parte do filme, que é onde tem mais ação é um autentico hino á animação no geral. Entre os talentosíssimos animadores que estiveram no filme, esteve o grande “ace” da franquia Ryo Onishi que animou cenas como esta:

Dragon Ball Super: Broly - Review

No filme estivemos cenas fantásticas de frames de impacto, coreográfica como à muito tempo não via em Dragon Ball, e claro, um uso interessante do controverso CG, que também gostei bastante. Eu ansioso para ver o filme na sua versão em blu-ray com todas as correções e talvez teremos algumas cenas extras que foram cortada…?

Nota: 9/10

Trilha sonora

A trilha sonora de Norihito Sumitomo adequou-se bastante a cada momento seja ele emocionante ou excitante, no geral gostei bastante apesar de achar muito estranha a trilha tocada no embate frente a Broly, não diria que seja má, mas é deveras estranha. E em relação a música tema do filme, Bilizzard de Daichi Miura, só tenho pena que não tenha sido usada durante o filme.

Nota: 7/10

Personagens

Dragon Ball Super: Broly - Review

Tirando as personagens habituais que todos familiarizados com a franquia já conhecem, gostei da forma como revelaram um lado mais paternal de Bardock e que claro a sua mãe Gine. Mas para mim neste filme a grande surpresa na positiva foi claramente Broly, que nós apenas conhecemos por ser quase um ser irracional com apenas uma vontade, a de matar Goku a todo o custa, sem razão alguma. Neste filme podemos ver mais o seu lado humano e o que o tornou no que ele é hoje, e apesar disso ele tem um coração bondoso, quanto tanto como de Goku. Também as duas personagens das forças de Freezer, Cheelai e o seu parceiro (que agora não me recordo do nome, sorry xD)  que foram boas adições ao filme.

Nota: 7/10

Comentário Final

Tem muita gente dizendo que este pode ser que seja o melhor filme da franquia, embora em termos de animação eu concorde completamente, como um todo tenho dificuldades em escolher entre este filme e o 13º a “Batalha dos deuses”. Mas sem dúvida que este filme foi incrivelmente bom.

A história em si é bastante simples, mas Dragon Ball é isso mesmo né? E é por isso que todos gostamos. Só teve uma coisa que não gostei nada, que foi o fato do Freezer ser permitido a andar pelo universo livremente a destruir planetas e a matar milhões de inocentes. Para ser sincero já tou a ficar conformado com Freezer ser um vilão tipo um Team Rocket da vida, tenta derrotar goku é derrotado, tenta novamente e é derrotado e vai continua assim o ciclo.

Entretanto, o filme terminou com com uma nota positiva, tirando todas as preocupações que tinha de Broly tornar-se um personagem canon. Broly acabou por se mostrar um personagem bastante interessante, ao contrários dos filmes anteriores, e estou a vê-lo com muita margem para ser inserido no futuro próximo da série. Fico ansioso por ver o que o futuro o aguarda e a sua relação com Goku e o resto dos guerreiros z. Ai está outro fato interessante, os guerreiros z não serem intruduzidos no filme à exceção da breve aparição de Picolo. Penso que isso permitiu focar mais em personagens secundárias, mas importantes para a história, como Cheelai e Paragus.

Última nota: sobre a dobragem em pt-pt, gostei bastante. Ao contrário da própria série Super, desta vez os atores não inventaram falas inexistentes nem sairam muito do script sem necessidade. Acabei por me habituar e gostar da nova voz de Goku, penso que à medida que o tempo vai passsando, todos vão ter a mesma opinião. Fato curioso, é que acabei por gostar mais dos momentos mais barulhentos de “gritos” na dobragem do que na versão original, quem viu a segunda parte do filme sabe do que estou a falar.

Nota Final: 8/10

E vocês o que acharam do filme? Terá sido o melhor de sempre ou deixou um pouco a desejar. Comentem as vossas opiniões, espero que tenham gostado. 🙂