Tetsuya Nomura pronuncia-se sobre o desenvolvimento da série Kingdom Hearts

A Dengeki Online publicou uma entrevista com Tetsuya Nomura, o diretor da série Kingdom Hearts. Este partilhou algumas novas informações sobre a série, e até comentou sobre um novo título hipotético para PlayStation 5 e Xbox Series.

Abaixo encontram-se alguns excertos da entrevista.

  • “A história terminou em Kingdom Hearts III, mas ainda existem alguns mistérios por explicar. Não só pretendo amarrar as pontas soltas restantes da história, como também quero mudar um pouco o seu formato. Desejo mudar drasticamente o mundo e contar uma nova história.”
  • “Penso que não existirão situações em que encontraremos Xehanort como o principal antagonista da história, embora os seus efeitos permaneçam na história, este fator é notório em Kingdom Hearts: Melody of Memory.”
  • (Como planeia o desenvolvimento dos jogos? Por exemplo, Roxas foi pensado durante o desenvolvimento do primeiro Kingdom Hearts?) “Normalmente, eu planeio uma sequela antes de tudo o que trabalho. Quando eu trabalhava no Kingdom Hearts original, pensava em Kingdom Hearts: Chain of Memories. Para Kingdom Hearts II e Roxas, pensava em começar o jogo com um novo protagonista, mas não tinha uma visão concreta na época. ”
    • (Que tipo de jogo seria um Kingdom Hearts para as consolas da próxima geração?) “Se criarmos um jogo Kingdom Hearts para consolas da próxima geração, será lançado depois que muitas outras empresas já colocarem os seus títulos no mercado, desta forma teríamos que fazer algo muito forte para poder competir. Claro, isto é apenas uma hipótese, já que não anunciamos nenhum título para a PlayStation 5 ou Xbox Series X. (risos) ”
  • “2022 será o 20.º aniversário de Kingdom Hearts. Trabalhamos para anunciar-vos boas notícias, até lá fiquem atentos a nós.
Vindo de vários mundos e projetos, juntou-se à redação do Otakupt em 2020, pronto para informar todos os leitores com a sua experiência nas várias áreas da cultura alternativa. Assistiu de perto ao nascimento dos videojogos em Portugal até à sua atualidade, devora tudo o que seja japonês (menos a gastronomia), mas é também adepto de grandes histórias e personagens sejam essas produzidas em qualquer parte do globo terrestre.