Mercado anime e mangá na China duplica em 5 anos

O mercado chinês de mangá e anime em 2018 vale 26.4 bilhões de dólares!

Quem acompanha o nosso canal de youtube já nos ouvir dizer várias vezes que cada vez mais o mercado chinês terá influência na produção de anime e a Yahoo! Japan esta semana publicou um artigo interessante onde mostra que o mercado chinês de mangá e anime em 2018 vale 171.2 bilhões de yuan (cerca de 2.6 triliões de ienes ou 26.4 bilhões de dólares).

No Japão não existe nenhum estudo que junte os dados do anime e mangá, mas segundo os dados de 2017 o mercado anime no Japão vale 2.15 triliões de ienes (20.4 bilhões de ienes) e segundo os dados de 2018 a indústria mangá no Japão vale 441.4 bilhões de ienes (4.2 bilhões de dólares).

O aumento do mercado chinês duplicou desde 2013 onde a indústria foi avaliada em 88.2 bilhões de yuans (1.3 triliões de ienes, ou 12,4 bilhões de dólares). Este crescimento substancial tem sido atribuído à ascensão de sites de consumo na China que publicam livremente séries chinesas, e ao crescimento de um grupo demográfico mais jovem que está mais interessado em animações de estilo anime e mangá.

Um dos maiores sites do género é gerido pela Tencent, que publica mangá chinês no site gratuitamente. Os criadores da obra são pagos pela quantidade de visualizações que a série obtém. O site supostamente tem mais de 150 milhões de membros registados, o que é mais do que a população do Japão e metade da população dos Estados Unidos. As obras que obtêm o maior número de visualizações no site são então transformadas em anime pela Tencent Animation. Mais de 200 trabalhos publicados no site foram lidos um bilhão de vezes, de acordo com o gerente de negócios Anime e Manga da Tencent em declarações à Yahoo! Japan.

O crescimento da indústria doméstica também veio de um nível governamental, com o governo chinês a colocar diretrizes sobre como o anime no exterior pode ser transmitido e vendido. Em 2008, uma restrição foi colocada na exibição de anime japonês na TV durante o horário nobre das 17:00 às 21:00. Este movimento estimulou um crescimento nas produções domésticas para atender às demandas por anime durante essas horas.

Tal como noticiámos em 2015 o governo chinês baniu mais de 38 animes, entre eles Death Note, Attack on Titan, Sword Art Online II, Psycho-pass, Tokyo Ghoul, etc… para alegadamente “proteger o desenvolvimento saudável da juventude chinesa”.

38 animes banidos para proteger o desenvolvimento saudável da juventude chinesa

O mercado doméstico chinês de filmes de animação chineses também está em ascensão aproveitado o crescimento da indústria cinematográfica na China e a sua crescente classe média. Enquanto Spirited Away ganhou 70 milhões de dólares na China quando foi lançado pela primeira vez em junho de 2019, segundo o Box Office Mojo, o chinês Nezha já faturou 641 milhões de dólares desde a sua estreia em julho de 2019, tornando-se o oitavo filme de maior bilheteira de 2019 (à frente de How to Train Your Dragon: The Hidden World) antes do seu lançamento nos Estados Unidos a 29 de agosto.

Ainda recentemente noticiámos que a Tencent está a produzir 47 novos animes, entre esses projetos 29 são franquias completamente novas e 18 são remakes ou regressos.

O ano passado a Tencent anunciou uma parceria estratégica com a Square Enix e comprou a Supercell (produtora de Clash of Clans e Boom Beach) num negócio que envolveu cerca de 10.2 bilhões de dólares.