Dono do Mangamura foi preso

Dono do Mangamura foi preso

O Mangamura, um dos maiores sites de partilha ilegal de mangás no Japão, fechou em 2018 após intervenção policial e há muito que a polícia japonesa tenta encontrar os donos do site que nos seus últimos meses de existência era visitado por mais de meio bilhão de pessoas. É estimado que o site pirata provocou prejuízos de 2.9 bilhões de dólares.

A busca parece ter chegado ao fim pois a ABS-CBN noticiou que o departamento de Imigração filipino prendeu um homem de 28 anos chamado Romi Hoshino, também conhecido como Zakay Romi, o suposto dono do site de pirataria de mangá japonês Mangamura.

O Departamenteo de Imigração declarou que a prisão foi feita com base numa solicitação da Embaixada do Japão ao governo filipino. As autoridades detiveram Hoshino em Camp Bagong Diwa, na cidade de Taguig.

O site Mangamura tornou-se num dos maiores sites de partilha ilegal de mangás e tal como o  também foi bloqueado no Japão pelos ISPs, no entanto, devido a toda esta pressão acabou por encerrar portas em abril de 2018.

A Kodansha, a maior editora do Japão, e três outras empresas apresentaram queixas criminais à Polícia da Província de Fukuoka, à Polícia da Prefeitura de Oita e a outros departamentos de aplicação da lei, alegando que o site violava os seus direitos.

As denúncias, que foram apresentadas contra suspeito ou suspeitos desconhecidos, foram feitas em nome de artistas de mangá que são detentores de direitos autorais das obras pirateadas, incluindo Hajime Isayama (Attack on Titan) e Eiichiro Oda (One Pice).

O Mangamura foi lançado em janeiro de 2016 e tornou-se num grande sucesso no Japão. O grupo Anti-pirataria Content Overseas Distribution Association (CODA), que conta com a gigante de publicações Kodansha entre os seus membros, relata que entre setembro de 2017 e fevereiro de 2018, o site foi acessado 620 milhões de vezes.