A-1 Pictures acusada de provocar morte de animador

A-1 Pictures acusada de provocar morte de animador

O sponichi e várias agências noticiosas japonesas estão a noticiar que a polícia de Shinjuku chegou à conclusão de que o estúdio de animação (Sword Art Online, Magi) provocou a morte de um animador que se suicidou em 2010.

O caso desenrolou-se à volta de um homem de 28 anos que trabalhou a tempo inteiro para a  de 2006 a 2009. A polícia de Shinjuku confirmou que o homem trabalhou centenas de horas extras por mês o que o levou ao suicídio.

Em 2010 o homem despediu-se do seu emprego depois de sofrer de uma grave depressão tendo nesse mesmo ano cometido suicídio, o que levou a sua família a contratar um advogado e acusar a  de “karoushi”, um termo japonês que significa morte por excesso de trabalho.

Os registos hospitalares revelam que ele chegou a trabalhar 600 horas num mês e a polícia confirmou que nos meses anteriores ao diagnostico de depressão ele trabalhou 100 horas a mais em cada mês. A família afirma que a realidade era bem pior e que posts online dele sugerem que ele começou a sofrer de depressão em 2008 e que tinha de trabalhar por mês entre 134 a 344 horas extra. Ele chegou mesmo a passar uma semana no estúdio onde dormia e trabalhou 3 meses sem folgas.

Embora a polícia não tenha dado como provadas todas as acusações da família, chegou no entanto à conclusão de que foi o excesso de trabalho que provocou o trágico desfecho.

A família afirmou que “Ele amava anime e trabalhava fervorosamente – desejamos que nada semelhante ocorra num estúdio de animação no futuro“.

veio afirmar “o veredicto da polícia foi inesperado e como não sabemos como eles chegaram a essa conclusão, não podemos comentar“.

O homem era coordenador de animação e trabalhou em títulos como  e Ookiku Furikabutte.

As companhias japonesas são conhecidas por explorar o horário extra laboral dos seus trabalhadores e os estúdios de animação são dos casos mais conhecidos pelos seus excessos. Com o apertar das regulamentações e para fugir às leis japonesas, muitos estúdios para cumprir datas de lançamento começaram a subcontratar estúdios sul coreanos onde as leis são menos rígidas e os salários menores.